//
você está lendo...
DataGramaZero

A leitura segundo Sartre

CALDIN, Clarice Fortkamp. A leitura segundo Sartre. DataGramaZero, v. 11, n. 2, abr. 2010. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr10/Art_05.htm>. Acesso em: 14 abr. 2010.

Resumo:
Expõe o pensamento sartriano a respeito da leitura: um exercício de liberdade, um pacto de generosidade, um engajamento no mundo. Aponta a exigência do autor e do leitor quanto à continuidade da escrita e da leitura. Mostra como Sartre privilegia o leitor e sua consciência imaginante, pois, para o filósofo, o texto só se concretiza no momento da leitura, quando o leitor lhe confere sentido estético. Apresenta a capacidade do leitor em conjeturar sobre o texto, realizando antecipações; tal é possível pelas lembranças e percepções comuns; assim, em Sartre, o tempo é histórico. Menciona a idéia sartriana sobre a prosa ser uma objetividade criada pela consciência a partir de um corpo. Indica o processo de descentramento no ato da leitura, que acontece tanto na produção, quanto no desvelamento do objeto literário; dessa maneira, a leitura transcende o texto. Infere, pela análise de extratos literários selecionados do livro Que é a literatura, que a leitura pode ser considerada um fenômeno temporal, corporal, descentrado, transcendental .

Palavras-chave: Leitor; Leitura e criação dirigida; Leitura, fenômeno temporal; Leitura, fenômeno corporal; Leitura, fenômeno descentrado; Leitura, fenômeno transcendental.

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos

%d blogueiros gostam disto: