//
arquivos

Brazilian Journal of Information Science

Esta categoria contém 26 posts

A noção do termo ‘informação’: revisão de literatura

SIQUEIRA, Jessica Câmara. A noção do termo ‘informação’: revisão de literatura. BJIS, Marília, v.5, n.1, p.73-96, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/1264>. Acesso em: 26 abr. 2012.

Resumo
A revisão de literatura do termo ‘informação’, a partir de uma abordagem terminológica, tem o intuito de identificar traços que auxiliem na melhor delimitação do campo da Ciência da Informação. A compreensão das características identitárias da Ciência da Informação é uma necessidade conjuntural, observada no contexto da pós-modernidade em que a área busca ‘consolidar-se’. O uso da orientação da Teoria Comunicativa da Terminologia, que considera o aspecto pragmático e social dos termos, foi importante recurso para evidenciar como as diferentes perspectivas do termo ‘informação’ corroboram a construção de uma visão temática da área da Ciência da Informação.

Palavras-Chave: Ciência da Informação; Informação; Teoria Comunicativa da Terminologia; Terminologia.

Informatização de bibliotecas: a realidade nigeriana

OBASEKI, Tony Ikponmwosa. Informatização de bibliotecas: a realidade nigeriana. BJIS, Marília, v.5, n.1, p.63-72, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/514>. Acesso em: 26 abr. 2012.

Resumo
Este artigo apresenta uma visão ontológica do conceito de informatização de bibliotecas em uma perspectiva global. O artigo não somente apresenta uma radiografia dos processos envolvidos com a informatização de bibliotecas, mas também fornece uma visão para os vantajosos resultados que essa tendência traz, no que tange a erradicação do analfabetismo, bem como na promoção do desenvolvimento educacional, por meio do uso eficiente das bibliotecas, especialmente entre os países em desenvolvimento. Novas competências em relação à informatização de bibliotecas têm aumentado o prestígio/moral dos bibliotecários, criação de novos empregos e nova divisão de trabalho etc., além de tratar dos obstáculos existentes quando da informatização de bibliotecas. No entanto, esse contexto é uma bomba relógio global concreta, uma vez que enfatiza o fato de a informatização provocar uma lacuna universal ao desenvolvimento educacional no mundo entre os países mais desenvolvidos tecnologicamente e os outros menos desenvolvidos.

Palavras-Chave: Informatização de Bibliotecas; Informação Globalizada; Analfabetismo; Desenvolvimento Educacional; Países em Desenvolvimento. Nigéria.

Um estudo avaliativo da auditoria da informação e auditoria da gestão do conhecimento

SHARMA, Chandra Kant; SINGH, Akash Kumar. Um estudo avaliativo da auditoria da informação e auditoria da gestão do conhecimento. BJIS, Marília, v.5, n.1, p.56-62, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/697>. Acesso em: 26 abr. 2012.

Resumo
Auditoria da informação pode ser definida como uma ferramenta que pode ser usada não somente para identificar estrategicamente recursos de informação significantes, mas também para identificar aquelas tarefas e atividades que geram conhecimento e aquelas que dependem da transferência de conhecimento de uma área para outra no ambiente organizacional. Este artigo primeiramente descreve a relação entre o processo de auditoria da informação e a gestão do conhecimento. Na sequência introduz os modelos de sete estágios de auditoria da informação. Discute cada estágio do modelo em termos de sua contribuição para o processo, bem como os resultados desejados. Conclui examinando os benefícios potenciais em se usar a auditoria da informação como uma base que pode ser construída à medida que a estratégia de gestão do conhecimento é desenvolvida.

Palavras-Chave: Auditoria da Informação; Gestão da Informação; Gestão do Conhecimento.

Uma proposta de posicionamento da arquitetura da informação no gerenciamento de serviços de TI

LYRA, Maurício Rocha; DUQUE, Claudio Gottschalg. Uma proposta de posicionamento da arquitetura da informação no gerenciamento de serviços de TI. BJIS, Marília, v.5, n.1, p.50-55, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/505>. Acesso em 26 abr. 2012

Resumo
A Information Technology Infrastructure Library (ITIL) (Biblioteca de Infraestrutura de Tecnologia da Informação) fornece um framework de boas práticas para o gerenciamento de serviços de tecnologia da informação (TI). No estudo desse arcabouço percebe-se que o mesmo não apresenta em seu corpo espaço para a arquitetura da informação. Sendo um dos objetivos a arquitetura da informação a organização das informações para tomada de decisão, como pode esta ficar fora desse contexto? A proposta de posicionamento que este trabalho apresenta evidencia a percepção que os conceitos da arquitetura da informação estão presentes nas necessidades do gerenciamento de serviços de TI. Essa proposta contribui para a união dos corpos de conhecimentos facilitando assim a criação da estratégia e desenho dos serviços.

Palavras-Chave: Arquitetura da Informação; Gerenciamento de Serviços; Infraestrutura de Serviços de TI.

Norma Internacional de Descrição Bibliográfica (ISBD) como norma de qualidade para a editoração de livros na Nigéria

ENANG, Uduak U.; UMOREN, Eboro E. Norma Internacional de Descrição Bibliográfica (ISBD) como norma de qualidade para a editoração de livros na Nigéria. BJIS, Marília, v. 5, n. 1, p. 37-49, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/515>. Acesso em: 26 abr. 2012.

Resumo
Este artigo apresenta uma análise da Norma Internacional de Descrição Bibliográfica/International Standard Bibliographic Description (ISBD) como padrão de qualidade para a editoração e publicação de livros na Nigéria. Discute a ISBD na medida em que afeta a qualidade de edição de livros. A amostra do estudo foi composta por três universidades na região sul e 250 editoras de seis estados da Federação. Os instrumentos de coleta de dados utilizados foram um questionário e um checklist descritivo padronizado aplicado aos livros. Uma hipótese nula foi formulada e testada. Os dados coletados foram analisados utilizando-se o percentual simples e o Coeficiente de Correlação do Produto Momento Pearson/Pearson Product Moment Correlation Coefficient (PPMC). A conclusão do estudo mostra que há uma relação significante entre a ISBD e a qualidade dos livros editorados e publicados na Nigéria em relação à autoria, título, local de publicação, ano de publicação, nome do editor, ISBN, direito autoral, bibliografia e índice. O estudo concluiu que a ISBD adiciona qualidade aos livros editados e publicados.

Palavras-Chave: Descrição Bibliográfica; Norma Internacional de Descrição Bibliográfica; International Standard Bibliographic Description (ISBD); Qualidade de Editoração de Livros; Qualidade de Publicação de Livros.

Ciência da Informação e áreas correlatas: um estudo de caso na Universidade Federal de Minas Gerais

FERNANDES, Wesley Rodrigo; CENDÓN, Beatriz Valadares; ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Ciência da Informação e áreas correlatas: um estudo de caso na Universidade Federal de Minas Gerais. BJIS, Marília, v. 5, n. 1, p. 3-36, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/1260>. Acesso em: 26 abr. 2012.

Resumo
Esta pesquisa contribui para a compreensão do que é Ciência da Informação e como está evoluindo através da verificação de disciplinas que interagem com o campo científico da Ciência da Informação no presente momento, bem como a amplitude e a intensidade dessas relações. A pesquisa usa dois estudos bibliométricos de periódicos científicos utilizados por pesquisadores da área. No primeiro estudo, a análise de citações acessou 433 periódicos citados nas bibliografias de 18 teses e 39 dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. Estes foram os primeiros textos examinados para determinar a sua distribuição em nove categorias representativas de grandes áreas do conhecimento. Em seguida, as subáreas ao qual cada revista pertencia também foram identificadas. No segundo estudo, 316 periódicos do campo da Ciência da Informação, assinados e disponíveis no Portal CAPES de Periódicos Científicos, foram identificados e analisados em termos de outras áreas do conhecimento para o qual eles também foram designados pelo Portal. O resultado da análise de citação revelou que 31,8% dos 433 periódicos citados eram interdisciplinares, 49,7% diziam respeito a outras áreas do conhecimento, enquanto 18,50% foram classificados apenas como Ciência da Informação. A análise dos dados do segundo estudo revelou que 57% dos periódicos foram classificados apenas como Ciência da Informação e 43% foram classificados simultaneamente em mais de uma área. Resultados decorrentes de ambos os estudos mostram que a Ciência da Computação, Administração e Educação são as disciplinas mais estreitamente relacionadas com a área de Ciência da Informação. As áreas de conhecimento que a Ciência da Informação mais amplamente se refere são as Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Humanas e Linguística, Literatura e as Artes.

Palavras-Chave: Ciência da Informação; Interdisciplinaridade; Áreas do Conhecimento Correlatas; Estudos Bibliométricos.

O posicionamento da arquitetura da informação na governança de TI

DUQUE, Claudio Gottschalg; LYRA, Mauricio Rocha. O posicionamento da arquitetura da informação na governança de TI. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 4, n. 2, p. 41-46, jun./dez. 2010. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/504>. Acesso em: 09 ago. 2011.

Resumo
A governança de TI está apoiada em vários modelos e padrões internacionais tais como o COBIT, ITIL, ISO 20000, ISO 27002. O principal objetivo desses modelos e padrões é dar transparência às ações e processos da TI. Em um breve estudo sobre cada um deles percebemos que os mesmos não apresentam em seu corpo espaço para a arquitetura da informação. Sendo um dos objetivos a arquitetura da informação a organização das informações para tomada de decisão, como pode esta ficar fora desse contexto? A pesquisa que se coloca tem como objetivo estudar os modelos de governança de TI a fim de elaborar uma proposta de modificação que posicione a arquitetura da informação em cada um deles.

Palavras-Chave: Governança; Arquitetura da Informação; Melhores Práticas; Tecnologia da Informação (IT).

O contexto de indexação para catalogação de livros usando uma abordagem sociognitiva

FUJITA, Mariângela Spotti Lopes; BOCCATO, Vera Regina Casari; RUBI, Milena Polsinelli. O contexto de indexação para catalogação de livros usando uma abordagem sociognitiva. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 4, n. 2, p. 22-40, jul./dez. 2010. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/485>. Acesso em: 09 ago. 2011.

Resumo
Foi avaliado o processo de indexação na catalogação em bibliotecas universitárias, utilizando uma abordagem sócio-cognitiva para analisar os procedimentos, as dificuldades e as percepções dos bibliotecários, usuários e gestores. A metodologia consistiu no uso do Protocolo Verbal Individual e em Grupo aplicados em bibliotecas universitárias. Os resultados foram a ausência de procedimentos para a análise de assunto do livro e sua representação, a incompatibilidade da linguagem de indexação, e problemas de recuperação de assuntos do catálogo. Concluímos que é há a tendência de catálogos para atuar como banco de dados. Portanto, o catalogador deverá apresentar uma postura de compromisso semelhante ao de um indexador que trabalha na produção dessas bases.

Palavras-Chave: Indexação. Catalogação de Assunto. Catálogos Públicos de Acesso Online. Biblioteca Universitária. Metodologia Qualitativa Sociocognitiva.

Desenvolvimento de acervo na Biblioteca Maulana Azad (AMU) e na Biblioteca Central da Universidade de Delhi: um estudo comparativo

KHAN, Shajarul Islam; KHAN, Musheer Ahmad. Desenvolvimento de acervo na Biblioteca Maulana Azad (AMU) e na Biblioteca Central da Universidade de Delhi: um estudo comparativo. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 4, n. 2, p. 3-21, jul./dez. 2010. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/486>. Acesso em: 09 ago. 2011.

Resumo
O desenvolvimento de coleções inclui o planejamento de uma construção sistemática e racional da coleção geral. O processo inclui diversas atividades, tais como as necessidades dos usuários, a avaliação das coleções atuais, a determinação de uma política de seleção, gestão de itens selecionados, a análise e o armazenamento de itens de coleção incorporada ao planejamento e compartilhamento de recursos. Assim, o desenvolvimento de coleções não é uma atividade singular, mas um grupo de atividades. Organizacionalmente, bibliotecas universitárias têm pelo menos dois padrões estruturados para o desenvolvimento de coleções: sistemas centralizados e descentralizados. No desenvolvimento de coleções centralizadas toda a responsabilidade é da biblioteca central, por outro lado, o desenvolvimento de coleções descentralizadas é de responsabilidade do setor ou departamento acadêmico. Esta pesquisa foi realizada para obter uma visão geral do desenvolvimento de coleções na Biblioteca Maulana Azad da Aligarh Muslim University (AMU) e na Biblioteca Central da Universidade de Delhi (DU).

Palavras-Chave: Formação e Desenvolvimento de Coleções; Acervos Bibliográficos; Política de Desenvolvimento de Coleções; Bibliotecas Universitárias.

Análise de citação de periódicos de Biblioteconomia e Ciência da Informação (2004-2009)

SIMISAYE, Ahmed Olakunle; OSINAIKE, A. B. Análise de citação de periódicos de Biblioteconomia e Ciência da Informação (2004-2009). Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 4, n. 1, p. 37-63, jan./jun. 2010. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/482>. Acesso em: 09 ago. 2011.

Resumo
Análise de citações de todos os artigos publicados no Journal of Library and Information Science (JOLIS), de 2004-2009. Foram publicados 72 artigos no periódico nos cinco (5) anos abrangidos. O maior número de (14) artigos foi publicado entre 2007 e 2008. Um total de 998 referências foi gerado pelos fascículos do periódico, indicando uma citação média de 13.7 por artigo. O resultado mostra que periódicos foram os mais citados, responsáveis por 37,14% do total das citações, seguido por livros com 33,14%. Os artigos individuais que tiveram a maior citação tinham 44 referências e foram publicados em 2008. Os resultados mostram ainda que 62 periódicos de Biblioteconomia e Ciência da Informação analisados geraram 172 citações. A African Journal of Library, Archives and Information Science recebeu dez (10) citações, a Journal of Library and Information Science recebeu quarenta (40) citações. Dos periódicos pesquisados quinze (15) (24,19%) são publicadas na Nigéria, e quarenta e cinco (45) (72.58%) eram do continente africano, enquanto somente duas (2) (3.22%) eram publicadas fora do continente africano. A maioria (38.2%) dos materiais citados foi publicada em 1995 para frente, o padrão de autoria mostra que (79.85%) dos materiais citados foram escritos por autores individuais, enquanto somente 8,8% do total das citações foram recursos da Internet.

Palavras-Chave: Estudos Bibliométricos; Análise de Citações; Biblioteconomia; Ciência da Informação.

Reflexões sobre as ciências

XAVIER, Rodolfo Coutinho Moreira. Reflexões sobre as ciências. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 4, n. 1, p. 20-36, jan./jun. 2010. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/466>. Acesso em: 09 ago. 2011.

Resumo
Reflete-se sobre as Ciências. Primeiramente, examina-se o que seria a constituição de uma teoria, reunindo teoria e prática de modo a refletir sobre o processo de produção científica. Defende-se que como qualquer conhecimento as Ciências estão necessariamente vinculadas a alguma epistemologia, metodologia e ideologia. Faz-se necessário conhecer as relações de poder e o seu embate dentro das Ciências, para saber como elas são produzidas, orientando e definindo até o pensamento dos seus próprios profissionais e cientistas.

Palavras-Chave: Ciências; Epistemologia; Metodologia; Ideologias; Relações de Poder; Produção Científica.

Avaliação multilíngue e de localização de motores de busca de sites e busca por palavras-chave

ALSOBH, Anas; OROUD, Ahmed Al; AL-KABI, Mohammed N.; ALSMADI, Izzat. Avaliação multilíngue e de localização de motores de busca de sites e busca por palavras-chave. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 4, n. 1, p. 2-19, jan./jun. 2010. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/473>. Acesso em: 09 ago. 2011.

Resumo
Os motores de busca estão competindo para serem vistos como universais, coerentes e independentes do idioma. Em princípio, os usuários que buscam informação através da Internet devem obter informações consistentes independentemente da linguagem e das palavras que estão usando, e independentemente da língua correspondente aos documentos pertinentes. No entanto, a linguagem deve afetar a sequência ou a ordem de classificação dos resultados obtidos. Neste projeto, várias ferramentas são construídas para avaliar palavras e demonstrações em vários idiomas. Os resultados são avaliados e comparados para possível correlação. Outra ferramenta é construída para rastrear sites de diferentes idiomas e locais, a fim de avaliar vários aspectos desses sites. Os resultados de ambos os estudos mostraram que, embora pareça que os motores de busca populares fazem progressos muito bons para a construção de motores independentes de idioma e local, no entanto, existem algumas limitações e situações em que a busca por resultados pode ser tendenciosa em direção à popularidade da linguagem e/ou localização do site.

Palavras-Chave: Recuperação da Informação; Motores de Busca; Processamento de Linguagem Natural; Tradução; Texto Correspondente; Pesquisa de Idiomas.

Leitura, biblioteca e política de formação de leitores no Brasil

SILVA, Rovilson José da. Leitura, biblioteca e política de formação de leitores no Brasil. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 2, p. 75-92, jul./dez. 2009. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/464>. Acesso em: 30 jan. 2011.

Resumo
O fomento à leitura no Brasil vem, historicamente, contornando inúmeros obstáculos. Um dos mais frequentes é a inexistência de políticas públicas contínuas e bibliotecas, tanto públicas quanto escolares, que contribuam para o aprimoramento cultural, para a inserção da população à cidadania. A trajetória da implantação da biblioteca, pública ou escolar, em nosso país reflete hoje no desempenho das políticas públicas de leitura delineadas ao longo da história do Brasil e, ao mesmo, apresenta o retrato do leitor que temos hoje e, principalmente, sugere a base para o aprimoramento da política de formação de leitor que a escola pública deve adotar. Este artigo, resultado de tese defendida em 2006 pela Unesp/Marília, estrutura-se em três fases distintas: a primeira relata a invenção da escrita-leitura e sua íntima relação com o desenvolvimento da humanidade. A seguir, apresenta a convivência da sociedade brasileira com o livro, a biblioteca e a leitura desde a chegada dos portugueses ao país às primeiras décadas do Século XX e, posteriormente, aos programas brasileiros atuais de incentivo à leitura e à formação de leitor.

Palavras-chave: Leitura. Biblioteca Pública. Biblioteca Escolar. Políticas de Leitura. Formação de Leitores.

Interface entre Linguística, Terminologia e Documentação

TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira; LARA, Marilda Lopes Ginez de. Interface entre Linguística, Terminologia e Documentação. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 2, p. 58-74, jul./dez. 2009. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/361>. Acesso em: 30 jan. 2011.

Resumo
Apresenta reflexão na interface entre Linguística, Documentação e Terminologia salientando os aspectos que se relacionam à proposição de procedimentos pedagógicos voltados à formação do documentalista. Destaca-se a superioridade da linguagem natural como lugar original do significado para mostrar seu papel privilegiado de acesso ao conhecimento, a que devem corresponder metodologias de ensino e aprendizagem que permitam compreender o lugar da linguagem de especialidade, bem como o da linguagem das atividades documentárias. Discute a proposta da Linguística Documentária que, no diálogo com a terminologia, procura salientar as funções dos percursos onomasiológicos – da emissão à conceptualização (do conceito ao termo) – e semasiológicos – da recepção e interpretação (do termo ao conceito), na formação do documentalista, apresentando, em seguida, breve síntese de experiência didático-pedagógica.

Palavras-chave: Linguística. Documentação. Terminologia. Linguística Documentária. Formação do Documentalista.

Padrões de busca e uso de artigos científicos: um estudo com pós-graduandos em Educação brasileiros

OMOTE, Sadao; PRADO, Paulo Sergio Teixeira do; CASARIN, Helen de Castro Silva. Padrões de busca e uso de artigos científicos: um estudo com pós-graduandos em Educação brasileiros. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 2, p. 32-57, jul./dez. 2009. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/378>. Acesso em: 30 jan. 2011.

Resumo
Este artigo apresenta parte de um estudo mais amplo sobre o uso de fontes de informação para realização de levantamento bibliográfico por pós-graduandos em Educação. São relatados os hábitos de pós-graduandos em relação à busca de informações em periódicos científicos e à leitura de artigos neles publicados. Participaram deste estudo 60 alunos de um curso de pós-graduação em Educação de uma universidade brasileira, sendo 28 de mestrado e 32 de doutorado escolhidos mediante sorteio. A coleta de dados foi realizada através de aplicação de um questionário eletrônico. Os participantes indicaram os tipos de artigos que eles usualmente liam e a importância atribuída a cada um deles. Para cada tema tratado no questionário eletrônico, os dados são inicialmente apresentados e analisados no conjunto dos 60 participantes do estudo, e comparados entre mestrandos e doutorandos. Utilizou-se o teste de Qui-Quadrado (?2), a prova exata de Fisher e ainda o coeficiente de correlação de Spearman. Os relatos de pesquisa são os itens mais consultados pelos participantes nos periódicos. Os artigos de revisão crítica de uma área ou assunto são os mais valorizados pelos participantes. Os artigos metodológicos aparecem em quarta posição em frequência de leitura e em atribuição de importância e são mais valorizados por doutorandos que por mestrandos. Os estudantes lêem estes artigos usando diferentes procedimentos. As possíveis razões para os estudantes valorizarem os artigos de revisão crítica e ensaios teóricos são discutidos. O presente estudo visa oferecer uma contribuição ao entendimento do uso de informação científica por pós-graduandos, descrevendo alguns hábitos dos estudantes relacionados à busca de informação em periódicos científicos e à leitura de artigos.

Palavras-chave: Comportamento Informacional. Busca de Informação. Pós-Graduandos Brasileiros. Educação. Informação Científica.

As pessoas e a tecnologia da informação na gestão do conhecimento: o ENANCIB como “contexto capacitante”

DUARTE et al. As pessoas e a tecnologia da informação na gestão do conhecimento: o ENANCIB como “contexto capacitante”. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 2, p. 3-31, jul./dez. 2009. Disponível em:  <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/348>. Acesso em: 30 jan. 2011.

Resumo
Cada vez menos se considerada um modismo a Gestão do Conhecimento (GC), pois cada vez mais está presente nas organizações. Enquanto em algumas definições sobre GC as soluções tecnológicas são mais ressaltadas, por meio do conceito de armazenamento de conhecimentos, em outras o elemento humano é mais valorizado em função do compartilhamento de conhecimento. O objetivo desta pesquisa foi identificar características similares quanto às formas com que as organizações têm trabalhado a GC, apoiado nas pesquisas apresentadas no Encontro Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação (ENANCIB), considerado um “contexto capacitante”, enquadrando-as em duas possibilidades de gerenciamento: pessoas e tecnologia. A pesquisa caracteriza-se quanto ao delineamento metodológico como estudo exploratório e descritivo, de natureza de abordagem qualitativa e quantitativa, definindo-se como estudo do tipo bibliográfico e de campo, com a pretensão de analisar a produção científica da área sobre GC. Foram definidas como variáveis, a caracterização dos artigos publicados no ENANCIB no período 2008/2009, sobre a inserção da GC no GT-4, a evolução da GC nos GTs, o papel das pessoas na GC e o papel das ferramentas de TI na GC. Os resultados permitiram concluir que a GC vem se propagando de forma testemunhal, não só nos corredores das organizações como também no “contexto capacitante” promovido pelos gestores e pesquisadores que produzem o ENANCIB, adotando como característica central e definidora – o capital humano – e as suas interfaces com a TI e a Ciência da Informação (CI).

Palavras-Chave: Gestão do Conhecimento. Pessoas na Gestão do Conhecimento. Tecnologias da Informação na Gestão do Conhecimento.

Proposta de inclusão da comunidade Santa Clara na Sociedade da Informação

FARIAS, Maria Giovanna Guedes; FREIRE, Isa Maria. Proposta de inclusão da comunidade Santa Clara na Sociedade da Informação. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 1, p. 73-90, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/viewFile/286/265>.

Resumo
Apresenta proposta de trabalho de pesquisa, em desenvolvimento no mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação na Universidade Federal da Paraíba, que objetiva intervir no processo de exclusão informacional vivido pela Comunidade Santa Clara em João Pessoa, Paraíba. Essa intervenção se dará por meio de pesquisa de campo para registro, organização e divulgação das “[…] fontes de informação” constituídas por pessoas da referida Comunidade. Para isso, será produzido um site virtual em que será depositado, para acesso livre na Internet, o tesouro de conhecimentos das pessoas depositárias da memória social e do saber da Comunidade Santa Clara, que ficará disponível para as próximas gerações, fato que pode facilitar a produção de novos conhecimentos por outros atores sociais.

Palavras-chave: Inclusão Social; Responsabilidade Social; Sociedade da Informação; Inclusão Digital.

Governo eletrônico e participação política nos websites dos deputados da assembléia legislativa do Estado da Bahia

SANTOS, José Carlos Sales dos. Governo eletrônico e participação política nos websites dos deputados da assembléia legislativa do Estado da Bahia. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 1, p. 59-72, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/viewFile/294/264>. Acesso em: 16 jun. 2010.

Resumo
As tecnologias da informação e comunicação potencializam, a partir da Internet, um espaço para a discussão e deliberação política, aproximando cidadãos e governos através de recursos interativos como e-mails, fóruns, ouvidoria on-line, chats e outros. Observa-se, dessa forma, o crescente esforço e investimento dos governos e representantes políticos em organizar, gerenciar e disponibilizar informações de interesse público na Web, constituindo o governo eletrônico. Destarte, o objetivo deste artigo pretende investigar as condições de participação política dos cidadãos a partir das ferramentas interativas disponibilizadas nos websites dos deputados do Estado da Bahia. Com o caráter descritivo, esta pesquisa procurou identificar apenas os sites dos deputados registrados na Assembléia Legislativa do Estado da Bahia (ALBA). Na tabulação dos dados, adaptou-se o quarto nível do formulário Níveis de Participação dos Cidadãos: a Escola de Avaliação – proposto por Marques (2007), para uma planilha do software Excel e, para a discussão destes, utilizou-se a análise quali-quantitativa. Os resultados desta pesquisa demonstram o estado incipiente dos websites dos deputados do Estado da Bahia quanto às oportunidades de participação política em rede, distando dos princípios que regem o governo eletrônico. Este trabalho apresenta parte dos estudos que auxiliarão o projeto de pesquisa em desenvolvimento pelo presente autor no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Bahia (PPGCI/UFBA).

Palavras-chave: Governo Eletrônico; Ambiente Web; TICs; Participação Política; Democratização da Informação; Acesso à Informação; Assembléia Legislativa do Estado da Bahia (ALBA).

A promoção do conhecimento em uma empresa de engenharia consultiva: integrando biblioteca, acervo técnico e documentação

CRESPO, Maria Rosa; VALLS, Valéria Martin. A promoção do conhecimento em uma empresa de engenharia consultiva: integrando biblioteca, acervo técnico e documentação. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 1, p. 36-58, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/viewFile/285/268>. Acesso em: 16 jun. 2010.

Resumo
Contribui para a formação de um modelo de gestão integradora de três acervos distintos – Biblioteca, Acervo Técnico e Documentação – em uma empresa de Engenharia Consultiva. Apresenta referencial teórico sobre gestão do conhecimento, melhores práticas de gestão da informação e sua aplicabilidade no ambiente corporativo. Mapeia as possibilidades de atuação de um profissional da área de Ciência da Informação nesse contexto, a partir das exigências do mercado de trabalho e das limitações da formação acadêmica. Apoiado em observação presencial e em trabalhos acadêmicos, relaciona aspectos gerenciais e funcionais para a gestão bem sucedida de uma unidade de informação.

Palavras-chave: Gestão de Unidades de Informação; Gestão de Serviços de Informação; Gestão da Informação; Gestão do Conhecimento; Gestão Documental.

A documentação como uma das origens da Ciência da Informação e base fértil para sua fundamentação

ORTEGA, Cristina Dotta. A documentação como uma das origens da Ciência da Informação e base fértil para sua fundamentação. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 1, p. 3-35, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/viewFile/48/263>.  Acesso em: 16 jun. 2010.

Resumo
Objetiva explorar os princípios documentários como equivalentes às questões nucleares propostas para a Ciência da Informação, como modo de realizar o debate sobre seus fundamentos. O trabalho se justifica por considerar que a percepção sobre a crise de identidade em Ciência da Informação pauta-se em literatura fortemente marcada por eixos específicos, os quais deflagram visões parciais incapazes de constituírem partes articuladas de um todo. Como metodologia, realiza revisão de literatura e discussão sobre a história da Ciência da Informação, considerando-a anterior ao surgimento desta denominação, e trata de sua disciplinaridade, apresentando construções interdisciplinares significativamente consolidadas e problematizando a questão das denominações para a área. O estudo permite constatar que a celeuma que envolve a questão da identidade da Ciência da Informação não se manifesta de forma relevante na literatura e nas práticas profissionais pautadas na Documentação, a qual tem apresentado, simultaneamente, foco e densidade no decorrer do tempo. A história da Documentação permite questionar os discursos sobre a ausência de consensos em Ciência da Informação e sobre a frágil nuclearidade decorrente de sua dimensão técnica e da suposta fluidez intrínseca aos seus limites e áreas fronteiriças. Conclui que os princípios documentários configuram-se como parte basilar dos fundamentos
da Ciência da Informação e são emblemáticos de sua unidade identitária.

Palavras-chave: História da Documentação; História da Ciência da Informação; Epistemologia da Ciência da Informação; Biblioteconomia e Documentação.

Rede de colaboração científica no tema “Estudos Métricos”: um estudo de co-autorias através dos periódicos do SciELO da área de Ciência da Informação

OLIVEIRA, Ely Francina Tannuri; GRÁCIO, Maria Claudia Cabrini. Rede de colaboração científica no tema “Estudos Métricos”: um estudo de co-autorias através dos periódicos do SciELO da área de Ciência da Informação. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 2, n. 2, p. 35-49, jul./dez. 2008. Disponível em: <http://www.bjis.unesp.br/pt/include/getdoc.php?id=116&article=34&mode=pdf>. Acesso em: 22 out. 2009.

Resumo
A proposta desta pesquisa é analisar a rede de colaboração científica na área de Ciência da Informação, no tema “estudos métricos”, a partir das co-autorias institucionais nos periódicos publicados on line pela Scientific Electronic Library Online (SciELO), biblioteca eletrônica que abrange uma coleção selecionada de periódicos científicos brasileiros, em suas seguintes publicações: Ciência da Informação e Perspectiva em Ciência da Informação. O procedimento de pesquisa adotado foi o levantamento dos números publicados, envolvendo um total de 53 artigos no tema em questão. Trabalhou-se, assim, inicialmente, com o universo de 388 artigos, sendo 53 (13,7%, entre os dois periódicos) os artigos que tratam do tema. Utilizou-se o software Pajek a fim de construir a rede de colaboração científica a partir das co-autorias e o Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) para a construção dos clusters, usando o método Ward e medida de distância euclidiana quadrática, com as variáveis padronizadas. Os dados apresentaram-se como um agregado de comunidades, algumas vezes isoladas, outras vezes formando a configuração de uma rede de colaboração científica já estabelecida, porém, pouca densa.

Palavras-chave:
Estudos métricos; Rede de colaboração científica; Análise de co-autoria; Bibliometria.

Projeto de ontologia para sistemas de informação empresariais: delineando uma metodologia para desenvolver ontologias na área de telecomunicações

RODRIGUEZ BARQUÍN, Beatriz Ainhize; PINTO, Adilson Luiz; MOREIRO GONZÁLEZ, José Antonio; BARROSO, Yolanda. Projeto de ontologia para sistemas de informação empresariais: delineando uma metodologia para desenvolver ontologias na área de telecomunicações. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 2, n. 2, p. 17-34, jul./dez. 2008. Disponível em: <http://www.bjis.unesp.br/pt/include/getdoc.php?id=113&article=25&mode=pdf>. Acesso em: 22 out. 2009.

Resumo
Os requisitos informativos para sistemas de informação, mais precisamente sistemas de informação corporativos, podem ser encontrados por meio de ontologias. A Web Semântica usa esta ferramenta para solucionar problemas que surgem por causa da abundância de informação, proporcionando fácil troca de dados e informações, bem como aprimorando as condições para a recuperação da informação.

Palavras-chave: Ontologia; Sistemas de informação empresariais; Metodologia; Intercâmbio de dados e informação; Web Semântica.

Auditoria da informação e do conhecimento organizacional: gênese de uma integração

PONJUÁN DANTE, Gloria. Auditoria da informação e do conhecimento organizacional: gênese de uma integração. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 2, n. 2, p. 3-16, jul./dez. 2008. Disponível em: <http://www.bjis.unesp.br/pt/include/getdoc.php?id=111&article=33&mode=pdf>. Acesso em: 22 out. 2009.

Resumo
Desde a década de 80 quando a gestão da informação como recurso teve uma maior ênfase, surgiu também à necessidade de aprofundar as medidas de controle de tal informação. Assim nasceram as chamadas auditorias informacionais com diferentes enfoques. Uma década mais tarde, as organizações avaliaram que o trabalho com a informação não era suficiente, mas que as pessoas e seus conhecimentos marcavam diferenças. Assim, começou-se a estudar o fenômeno da gestão dos processos associados ao conhecimento organizacional, gerando-se também diferentes tipos de auditoria para este recurso. Se entre a informação e o conhecimento existem fronteiras resvalantes, também pode ocorrer o mesmo entre as auditorias em ambos os recursos. De fato quando se faz uma auditoria de informação de alguma maneira o conhecimento está presente e vice-versa. Portanto, este percurso nos apresenta a opção de pensar na integração de ambos os enfoques em uma metodologia integral que possa desenvolver-se em diferentes organizações. Este artigo nos introduz a estes temas e justifica a necessidade de contar com uma metodologia integral para o desenvolvimento destas auditorias em nível organizacional.

Palavras-chave: Auditoria de Informação; Auditoria do Conhecimento; Auditoria Integral de Informação-Conhecimento; Gestão da Informação; Gestão do Conhecimento.

Alfabetização informacional em Portugal: alguns resultados de um projeto de pesquisa

SILVA, Armando Malheiro da; FERNÁNDEZ MARCIAL, Viviana. Alfabetização informacional em Portugal: alguns resultados de um projeto de pesquisa. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 2, n. 1, p. 33-48, jan./jun. 2008. Disponível em: <http://www.bjis.unesp.br/pt/include/getdoc.php?id=89&article=29&mode=pdf>. Acesso em: 22 out. 2009.

Resumo
O estudo apresenta alguns dados sobre um projeto, que embora focado no caso específico de Portugal, tem a pretensão de fazer uma aproximação científica dos desafios da Área do Ensino Superior Europeu (EHEA) e seu impacto no campo da alfabetização da informação, considerando o atual contexto da Sociedade da Informação. As questões principais que essa pesquisa pretende responder são: entender como os alunos universitários enfrentam as novas competências exigidas pela criação do EHEA; saber como esses alunos estão preparados em termos das competências informacionais, em três diferentes momentos: antes da universidade, durante o período de freqüência da universidade e, no final da graduação, na universidade. As aproximações intra e transdisciplinares entre Educação, Ciências Cognitivas e Ciência da Informação são claramente afirmadas no modelo epistemológico e teórico que o apóiam, beneficiando-se da interação entre necessidades de informação produzidas no contexto educacional e o universo informacional dos alunos e sua dinâmica, sem esquecer de considerar as conexões do comportamento informacional dos alunos com seus contextos pessoais e sociais e exigências. O estudo é realizado em uma escala nacional, para permitir as comparações entre regiões com diferentes níveis de desenvolvimento. O exemplo inclui alunos de ambos os ciclos de estudo. A metodologia usada nesse estudo está dividida em duas áreas, pesquisa qualitativa e quantitativa. A pesquisa qualitativa permitirá obter preciosos indicadores sobre o comportamento de informação dos alunos, expectativas, necessidades e uso de informação. Os indicadores obtidos na pesquisa qualitativa serão usados para projetar questionários, os quais serão realizados em 17 escolas de ensino médio e 17 universidades, com uma amostra estimativa de aproximadamente 2000 alunos. O resultado final desta pesquisa será o projeto de um mapa do comportamento informacional, no nível da universidade, e o desenvolvimento de um modelo concernindo à promoção de competências da informação nos alunos de universidades Portuguesas.

Palavras-chave: Conceito de Informação; Sociedade da Informação: Alfabetização Informacional; Comportamento da Informação: Educação Superior – Portugal; Projeto de Pesquisa.

Lei de Lotka aplicada à produção científica da área de Ciência da Informação

MARTIN SOBRINO, Maria Isabel; PESTANA CALDES, Ana Isabel; PULGARÍN GUERRERO, António. Lei de Lotka aplicada à produção científica da área de Ciência da Informação. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 2, n. 1, p. 16-32, jan./jun. 2008. Disponível em: <http://www.bjis.unesp.br/pt/include/getdoc.php?id=102&article=31&mode=pdf>.  Acesso em: 22 out. 2009.

Resumo
Apresentamos uma aplicação da Lei de Lotka ao conjunto de autores com publicações no campo da Ciência da Informação, entre 1996 e 2007. A aplicação realizada segue a metodologia de Lee Pao (1985). Foram selecionados todos os autores que surgiram no campo autor, não se efetuou nenhum corte na distribuição e a estimação do valor crítico calculou-se utilizando a fórmula proposta por Nicholls (1989). Os resultados mostram os seguintes dados: uma pendente igual a -2.75, inferior à obtida tanto no trabalho de Voos (1974) como no de Sen, Taib e Hassan (1996), neste mesmo campo; uma % de autores, realizadores de um só trabalho, igual a 79% e um excelente ajuste a Lei de Lotka, ao ser aplicado o teste de Kolmogorov-Smirnov.

Palavras-chave: Lei de Lotka; Produção Científica; Ciência da Informação; Bibliometria.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos