//
arquivos

Cultura em recorte

Esta categoria contém 4 posts

Uma análise terminológica dos termos biblioteca comunitária e popular: o desiderato da ação social e o estímulo da cultura à comunidade

SILVA, Jonathan Luiz Carvalho. Uma análise terminológica dos termos biblioteca comunitária e popular: o desiderato da ação social e o estímulo da cultura à comunidade. Cultura em Recorte: Revista Eletrônica de Museologia e Ação Cultural, Campinas, v.2, n.1, p. 05-21, jan./jun. 2010. Disponível em: < http://www.culturaemrecorte.org/ojs-2.3.1-2/index.php/CEREMAC/article/view/7/5 > Acesso em 20 jul., 2010

Resumo:
Aborda os termos biblioteca comunitária e popular a partir de uma concepção terminológica, objetivando identificar as relações e diferenças entre essas bibliotecas, assim como visa entendê-los no contexto da ação social, Analisa as relações entre biblioteca e comunidade considerando as questões interculturais e políticas a fim de estabelecer um paralelo sobre o significa do termo comunidade e a inserção da biblioteca nesse ambiente. O presente trabalho é fruto de uma pesquisa exploratória com revisão bibliográfica. Conclui que as bibliotecas comunitárias e populares possuem diversas formas de desenvolver ações sociais, bem como ressalta que a utilização dos termos muitas vezes se dá na mesma percepção semântica, mas notifica que o termo popular demonstra maior firmeza na autonomia e participação direta da comunidade na construção de uma biblioteca. Por fim, verifica que mais do que uma ação social, as bibliotecas comunitárias e populares devem primar por uma relação social, uma vez que firmam uma relação mais efetiva e duradoura com a comunidade.
Palavras-chave: Biblioteca Comunitária. Biblioteca Popular. Ação Social. Comunidade. Cultura.

Anúncios

Políticas públicas de fomento à leitura e relação estética literária: uma abordagem interdisciplinas de projeto de Belo Horizonte e Campinas

VASCONCELOS, Alex Bretas; VALLE, Ana Luiza Rocha do. Políticas públicas de fomento à leitura e relação estética literária: uma abordagem interdisciplinas de projeto de Belo Horizonte e Campinas. Cultura em Recorte: Revista Eletrônica de Museologia e Ação Cultural, Campinas, v.2, n.1, p. 22-53, jan./jun. 2010. Disponível em: < http://www.culturaemrecorte.org/ojs-2.3.1-2/index.php/CEREMAC/article/view/8/13 > Acesso em 20 jul., 2010

Resumo:
Atentos às margens da sociedade dois projetos oferecem a usuários de ônibus caminhos para o centro, não só dos conhecimentos, mas de experiências novas. Surge para muitos um primeiro contato real com o livro e, no caso da literatura, possibilidades de trânsito pelo mundo artístico e de vivência da fruição e da relação estética. Sem precisarem deslocarse do trajeto conhecido, são transportados a outras esferas em que há algo que é novo e subitamente lhes pertence: a arte. Propõe-se aqui uma análise interdisciplinar em torno de dois casos concretos de política pública: o projeto Leitura para Todos, cujo formato seminal é de Belo Horizonte, MG, e o Leitura, a Melhor Viagem, sediado em Campinas, SP. A abordagem é oportuna porque o quadro de carências relativo ao estímulo do hábito de leitura, ainda a via principal de acesso ao conhecimento e à disseminação da rica literatura brasileira, é grave.
Palavras-chave: Leitura. Política pública. Literatura. Ação Cultural.

Imagem artística: fonte de informação ou contemplação


MAIMONE, Giovana Deliberali. Imagem artística: fonte de informação ou contemplação. Cultura em Recorte: Revista Eletrônica de Museologia e Ação Cultural, Campinas, v.1, n.1, p.18-33, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www.culturaemrecorte.org/ojs-2.2/index.php/capa/article/view/34/37> Acesso em 26 jul., 2009

Resumo: Apresenta-se o quadro conceitual da Ciência da Informação, enfocando o tratamento informacional da imagem artística, partindo-se da concepção de que esta tipologia documental é fonte de informação e elemento passível de ser analisado e representado a fim de evidenciar a possibilidade de acesso à informação e geração de novos conhecimentos para o usuário. Descarta-se desta forma, a noção de objeto artístico apenas como elemento de contemplação humana.

Palavras-chave: Ciência da Informação; Tratamento Informacional; Imagem Artística.

A museologia e a prática: conservadorismo e mudança


RANGEL, Vera. A museologia e a prática: conservadorismo e mudança. Cultura em Recorte: Revista Eletrônica de Museologia e Ação Cultural, Campinas, v.1, n.1, p.5-17, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www.culturaemrecorte.org/ojs-2.2/index.php/capa/article/view/32/36> Acesso em 26 jul., 2009

Resumo: A informação é a matéria-prima dos museus, arquivos e bibliotecas. As coleções pertenceram e foram de uso privado e privilégio da nobreza e da igreja, até a ruptura que se deu entre a Idade Média e a Modernidade, quando foram transformadas e abertas ao público. Nota-se que existem na sociedade brasileira extremamente desigual, formas “novas” de afastar o público, entre essas a baixa escolaridade da grande maioria da população brasileira, que não tem consciência de cidadania e dos conseqüentes direitos e deveres. Nosso objetivo é examinar o campo do pensamento e do ensino da Museologia no Brasil, analisando mudanças e conservadorismo. Há uma conexão no nascimento do primeiro curso de museus e da burocracia estatal, não sem uma grande dose de ideologia, a ponto de fixar uma identidade estrutural nos museus desde aí. O Curso de Museus no Rio de Janeiro, em 1932, é a matriz do paradigma da Museologia no Brasil. O conjunto de preceitos da Museologia como ciência em crescimento e disciplina estabelecida é de conhecimento restrito, as equipes funcionais dos museus de uma maneira geral as desconhecem. Concluímos que os museus apresentam boas exposições que, entretanto, não correspondem a um trabalho com planejamento e organização. Em nível governamental federal, há políticas públicas atualizadas, incentivando que a cultura seja percebida e trabalhada como fator de desenvolvimento social e econômico.

Palavras-chave: Museologia – tradição; Museologia – novas propostas; Museologia – conhecimento; Museu – legislação; Museu – comunicação.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos