//
arquivos

Informação & Informação

Esta categoria contém 109 posts

Projeto de layout de biblioteca assistido por ferramenta de software para criação de arranjo físico em 3D: estudo aplicado à biblioteca da faculdade iDEZ

SEGUNDO, Sanderli José da Silva; ARAÚJO, Wagner Junqueira de Araújo; LOPES, Wendy-Anna Albuquerque. Projeto de layout de biblioteca assistido por ferramenta de software para criação de arranjo físico em 3D: estudo aplicado à biblioteca da faculdade iDEZ. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 184-205, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/10115/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo: 
Introdução: Projetar uma biblioteca consiste em concentrar esforços para criar ou aprimorar atividades que estejam de acordo com a função e objetivos da mesma e da instituição a qual está subordinada. Regularmente os responsáveis por diferentes tipos de bibliotecas se deparam com o problema de gestão do seu espaço físico. O estudo do layout proporciona experimentar novas formas e permite modificações de ambientação com o intuito de buscar os requisitos citados. Contudo fazer isso em um ambiente real, nem sempre é possível, nestes casos uma ferramenta que permita ao bibliotecário projetar, promover alterações e visualizar os resultados em formatos 3D é de grande auxilio.
Objetivo: Estudar o arranjo físico de bibliotecas sob a ótica de OS&M usando ferramentas
3D.
Metodologia: Apresenta um estudo de caso na biblioteca da Faculdade iDEZ, localizada em João Pessoa – PB, onde foi aplicado os princípios da disciplina de Organização, Sistemas e Métodos (OS&M) para arranjo físico (layout) utilizando uma ferramenta de software livre para auxiliar projetos em terceira dimensão.
Resultados: São indicadas e discutidas as motivações que levam um profissional de informação a ter que gerenciar seu espaço físico e as barreiras encontradas. O resultado obtido na avaliação indicou o Sweet Home 3D como ferramenta com melhor pontuação.
Conclusões: A proposta de projeto resultante do estudo de caso, facilitou a visualização das mudanças, sendo aceita e implementada pelos gestores da biblioteca.

Palavras-chave: Tecnologia da informação e comunicação. Projeto de biblioteca. Software
livre. Arranjo físico. Layout 3D.

Relacionando a prática do trabalho bibliotecário com os referenciais de qualidade para a educação superior a distância

BLANK, Cintia Kath. Relacionando a prática do trabalho bibliotecário com os referenciais de qualidade para a educação superior a distância. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 169-183, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/11928/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: A temática EAD tem sido muito estudada atualmente, no entanto, considera-se que no tocante ao trabalho do bibliotecário ainda existe muito a ser debatido.
Objetivo: Contribuir com algumas perspectivas sobre as atividades do profissional bibliotecário combinadas com os itens indicados no documento “Referenciais de Qualidade para a Educação Superior a Distância”.
Metodologia: Revisão bibliográfica.
Resultados: O ensino superior a distância é uma realidade cada vez mais presente em nossa sociedade, tanto no setor público quanto no particular, em grandes centros ou cidades do interior e todos os profissionais ligados a educação devem atentar para a questão da qualidade na EAD, a fim de ser oferecido um processo educacional que possibilite o desenvolvimento pleno do aluno no seu processo de aprendizagem.
Conclusões: Observa-se que o papel do bibliotecário renova-se a todo o momento, exigindo deste profissional constante reflexão e reinvenção de suas habilidades, conhecimentos e técnicas para melhor atender os usuários dos serviços de informação.

Palavras-chave: Educação a distância, Bibliotecário, Biblioteca universitária, Qualidade no ensino superior.

A Gestão do Conhecimento sob a perspectiva das sete dimensões: o caso do projeto Perfis Profissionais para o Futuro da Indústria

SATO, Karoline Aparecida Scroch; DRAGO, Helena Nunes Silva, Isabela. A Gestão do Conhecimento sob a perspectiva das sete dimensões: o caso do projeto Perfis Profissionais para o Futuro da Indústria. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 142-168, jan./fev. 2013. Disponível: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13151/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: Organizações que atuam em estudos prospectivos, são intensas na criação e compartilhamento do conhecimento e um dos principais desafios está em tornar coletivo o conhecimento individual.
Objetivo: Analisar por meio das sete dimensões do conhecimento propostas por Terra (2001, 2005) o alinhamento do projeto Perfis Profissionais para o Futuro da Indústria, possibilitando um ambiente propício à criação e ao compartilhamento do conhecimento.
Metodologia: Pesquisa descritiva fundamentada em um estudo de caso.
Resultados: A alta administração atua como facilitadora; a cultura organizacional propicia o compartilhamento estimulando a socialização, experimentação e valorização das ideias;
apesar da estrutura hierárquica, há incentivo à participação; há um processo de seleção voltado a especialidades e qualificações diversas, com constantes capacitações; a organização utiliza diversas tecnologias facilitando a troca de informações e conhecimentos; não existem métricas definidas para avaliação dos resultados e, finalmente, o aprendizado com o ambiente se dá por meio de parcerias, treinamentos e da própria diversidade cultural.
Conclusões: Conclui-se que a equipe do Projeto tem um ambiente propício à criação e compartilhamento de conhecimento o qual é fundamental na prospecção de oportunidades de inovação e na geração de respostas às demandas e necessidades socioindustriais para o futuro da indústria paranaense.

Palavras-chave: Compartilhamento de conhecimentos. Criação de conhecimento. Gestão do conhecimento.

Práticas informacionais dos dirigentes do sindicato dos bancários de BH e região

OLIVEIRA, Dalgiza Andrade; MOURA, Maria Aparecida. Práticas informacionais dos dirigentes do sindicato dos bancários de BH e região. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 127-141, jan./abr. 2013. Disponível em: <>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: Os sindicatos são espaços em que a informação parece adquirir relevância a fim de municiar seus dirigentes, ativistas e militantes na defesa dos interesses dos trabalhadores por eles representados.
Objetivo: Caracterizar e analisar as práticas informacionais dos dirigentes do Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte e Região.
Metodologia: O estudo apoiou-se em abordagens teóricas que analisam a informação como um fenômeno social, a prática informacional e as transformações do mundo do trabalho. Para alcançar os objetivos propostos foi utilizada a técnica do grupo focal e entrevistas com os membros da diretoria do Sindicato.
Resultados: O estudo apontou para um alto índice de uso e preferência pelos recursos digitais e constatou também que o fato da entidade ter um Serviço de Informação Especializado contribui para a preparação dos dirigentes. Indicou ainda que a informação possui valor estratégico para os dirigentes e que a prática informacional é essencial à prática sindical.
Conclusões: os dirigentes bancários no contexto do SEEB-BH são sindicalistas que possuem facilidade na relação com a informação e com as novas tecnologias. Compreendem a informação como necessária, indispensável e estratégica a sua prática  sindical. Utilizam as ferramentas disponíveis e acessíveis a partir dos meios eletrônicos com facilidade e assiduidade.

Palavras-chave: Informação. Prática informacional. Prática sindical. Bancários. Sindicatos. Mundo do trabalho. Processo de trabalho bancário.

Metadata Authority Description Schema (MADS): uma alternativa à utilização do formato MARC 21 para dados de autoridade

ASSUMPÇÃO, Fabrício Silva; SANTOS, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa. Metadata Authority Description Schema (MADS): uma alternativa à utilização do formato MARC 21 para dados de autoridade. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 106-126, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/12293/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: O intercâmbio de registros de autoridade requer o estabelecimento e a adoção de padrões de metadados, tais como o Formato MARC 21 para Dados de Autoridade, formato utilizado por diversas agências catalogadoras, e o Metadata Authority Description Schema (MADS), padrão que permanece pouco explorado pela literatura e pouco difundido entre as agências.
Objetivo: Apresentar um estudo introdutório sobre o padrão MADS.
Metodologia: Pesquisa bibliográfica descritiva e exploratória. Resultados: São abordados o contexto de criação do MADS, seus objetivos, sua estrutura e as principais questões relacionadas à conversão de registros em MARC 21 para registros MADS.
Conclusões: Conclui-se que, apesar de suas limitações, o MADS pode ser utilizado para a criação de registros de autoridade simples, no ambiente Web e além do contexto das bibliotecas.

Palavras-chave: Metadata Authority Description Schema (MADS). Extensible Markup Language (XML). Formato MARC 21 para dados de autoridade. Controle de autoridade. Catalogação descritiva. Informação e tecnologia.

O paradigma da orientação a objetos, a linguagem unificada de modelagem (UML) e a organização e representação do conhecimento: um estudo de caso de um sistema para bibliotecas

CASTRO, Fernanda Regebe; CRUZ, Fábio Marques da; ODDONE, Nanci Elizabeth. O paradigma da orientação a objetos, a linguagem unificada de modelagem (UML) e a organização e representação do conhecimento: um estudo de caso de um sistema para bibliotecas. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 82-105, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/9547/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: A orientação a objetos trabalha com uma notação própria e possui alguns conceitos centrais. Dentre os mais importantes estão as classes, os atributos, os relacionamentos e a herança. Já a linguagem UML possui diagramas próprios.
Objetivo: Demonstrar a metodologia da orientação a objetos e a linguagem de modelagem UML, com seus diversos diagramas.
Metodologia: Para ilustrar o funcionamento dos diagramas desenvolve-se um estudo de caso envolvendo um sistema de empréstimo de livros em biblioteca.
Resultados: Constatou-se que há influências das teorias da classificação, especialmente a de Ranganathan, na área de modelagem de sistemas de informação, demonstrando que tudo o que hoje se desenvolve na informática, mais precisamente na área de desenvolvimento de sistemas, já foi realizado antes, de forma manual.
Conclusões: Nesse trabalho foi confirmado que para entender o complexo, antes de tudo é preciso dividi-lo em partes e classificá-lo.

Palavras-chave: Modelagem de sistemas. Orientação a objetos, UML. Classificação facetada. Ranganathan.

A nova configuração do paradigma cognitivo na Ciência da Informação: contribuições ao processo de conhecer do profissional da informação

DAL’ EVEDOVE; Paula Regina; FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. A nova configuração do paradigma cognitivo na Ciência da Informação: contribuições ao processo de conhecer do profissional da informação. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 59-81, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/12932/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: Os estudos em torno da cognição humana representam uma perspectiva relevante em Ciência da Informação, considerando-se as ações subjetivas dos profissionais  da informação e o processo dialógico que deve permear a atuação dos sujeitos que lidam com a organização e representação da informação.
Objetivo: Explora a abordagem do ponto de vista cognitivo na Ciência da Informação e suas novas configurações mediante as necessidades contemporâneas de informação para refletir sobre o processo de conhecer do profissional da informação mediante a realidade social que permeia os contextos de informação.
Metodologia: Reflexão sobre aspectos teóricos que tratam do desenvolvimento cognitivo para discutir as implicações da abordagem cognitiva em Ciência da Informação e sua  evolução no escopo do processamento e representação da informação.
Resultados: As pesquisas em Ciência da Informação devem considerar questões de ordem cognitiva e social que permeiam o processamento da informação e o processo de conhecer  do profissional da informação, pois as estruturas de conhecimento devem ser explicadas a partir do contexto social dos sujeitos cognoscentes.
Conclusões: Tem-se a necessidade de investigar o processo de conhecer do profissional da informação sob o viés da abordagem sociocognitiva, objetivando novos subsídios para a compreensão da relação informação (manifestações cognitivas) e suas implicações na dimensão social.

Palavras-chave: Ciência da Informação. Ciências Cognitivas. Paradigma cognitivo.
Processo de conhecer. Profissional da Informação.

Redes de informação científica e os desafios para popularização da ciência: estudo de caso na Rede SIEO – Sistema de Informação Especializado na Área de Odontologia

RAMOS, Lúcia veronica Costa; FUJINO, Asa. Redes de informação científica e os desafios para popularização da ciência: estudo de caso na Rede SIEO – Sistema de Informação Especializado na Área de Odontologia. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 33-58, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/11628>. Acesso: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: Os estudos contemporâneos sobre ciência têm evidenciado as profundas raízes sociais que o conhecimento e as práticas científicas possuem. Paralelamente, surge a consciência de que a popularização da ciência é fundamental para que o conhecimento científico possa se tornar componente essencial da cultura dos cidadãos em geral, possibilitando a integração cultural, social e econômica.
Objetivo: Estudar o potencial de atuação de redes cooperativas de informação na popularização da ciência, considerando os desafios organizacionais (infraestrutura, recursos humanos, comprometimento da alta administração) que uma Rede como a SIEO teria para atuar nesse novo contexto.
Metodologia: Trata-se de um estudo exploratório pautado no modelo de rede colaborativa de informação que utiliza a pesquisa qualitativa como marco de orientação para a pesquisa empírica e alia a pesquisa documental com o estudo de caso.
Resultados: Mostram que, embora a Rede esteja preparada do ponto de vista da estrutura organizacional e operacional e da qualidade dos seus acervos, a carência de recursos financeiros e de equipe qualificada para geração de materiais específicos para divulgação científica e ações em prol da popularização da ciência inibe as possibilidades de aproveitamento imediato deste potencial. Também mostra que a cultura organizacional é ainda pouco flexível à interação com segmentos mais populares da sociedade.
Conclusões: Conclui-se que tal fato demanda ações de mediação no atendimento a este usuário, seja por linguagens de recuperação da informação que permitam estabelecer equivalências entre a língua de especialidade e a linguagem comum, seja por formas mais  adequadas de representação da informação científica, visando à divulgação científica

Palavras-chave: Organização da Informação. Rede de inovação científica. Planejamento e Gestão de Serviços. Popularização da Ciência. Divulgação científica. Estrutura organizacional.

Comunicação e a prevenção de danos no uso da internet

MACHADO, Antonio Carlos; GIACOMINI-FILHO, Gino. Comunicação e a prevenção de danos no uso da internet. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 17-32, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/8827/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: A comunicação bancária tem registrado uso intenso de novas tecnologias e conteúdos, caso do net banking, o que gera novas possibilidades e relações com cliente bancário. Trata-se de um consumidor que é incentivado a conhecer os serviços oferecidos por meio de novos canais, a visualizar esses atributos, mas se ele detectar restrições informativas ou falhas na comunicação, irá se manifestar de alguma forma. Muitos consumidores lidam com fraudes ou danos causados pelo sistema de acesso virtual disponibilizado pelos bancos. Tal contexto apresenta inovações no sistema de comunicação protagonizado pelos bancos e consumidores midiatizados pela internet.
Objetivo: Descrever a comunicação bancária voltada para a prevenção de danos quando do uso de seus websites pelos consumidores.
Metodologia: Foram pesquisados os websites dos bancos Bradesco, Itaú e Banco do Brasil, além de pesquisa de opinião com 130 usuários do net banking desses bancos.
Resultados: Os bancos reservam em seus websites espaços específicos e não padronizados para a prevenção de danos ao consumidor no uso do net banking, enquanto os clientes usam tais serviços de forma parcial.
Conclusões: Os resultados encontrados não podem ser generalizados, servindo o presente estudo como degrau para que outros trabalhos possam aprofundar o objeto de estudo apresentado a fim de dimensionar com maior amplitude e representatividade a gestão da prevenção de danos ao consumidor no contexto do net banking.
Palavras chave: Comunicação. Consumidor. Prevenção de danos. Internet. Bancos.

Acessibilidade e inclusão informacional

SOUZA, Mônica Sena de; COSTA, Maria de Fátima Oliveira; TABOSA, Hamilton Rodrigues; ARARIPE, Fátima Maria Alencar. Acessibilidade e inclusão informacional. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 1-16, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/12173/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.
Resumo:
Introdução: Aborda a atuação do profissional da informação no atendimento das demandas informacionais de pessoas com deficiência na sociedade da informação. O bibliotecário é de fundamental importância para a efetivação e sucesso na inclusão informacional das pessoas com deficiência, considerando-se, ainda, a permanente educação continuada para sua qualificação profissional.
Objetivo: Refletir sobre a atuação do bibliotecário no atendimento aos usuários com deficiência, ressaltando as necessidades de melhoria em unidades de informação, identificadas na literatura científica, no que diz respeito à acessibilidade.
Metodologia: Realizou-se uma pesquisa bibliográfica, com base na revisão de literatura em livros e artigos científicos, destacando como principais autores: Almeida (2000), Mazzoni (2001) e Sassaki (1997, 2002, 2005).
Resultados: A falta de acesso informacional por parte das pessoas com deficiência dificulta a sua participação social e política, consequentemente, reduz a sua condição de cidadania.
Conclusões: Ao bibliotecário cabe procurar educação continuada, um maior envolvimento nos eventos da área e a procura constante por capacitação profissional, o que refletirá sobre o melhor atendimento das necessidades de informação dos usuários com deficiências.

Palavras-chave: Acessibilidade informacional. Pessoas com deficiência – atendimento. Bibliotecário – atuação.

Biblioterapia com Crianças com Câncer

BERNARDINO, Maria Cleide Rodrigues; ELLIOTT, Ariluci Goes; ROLIM NETO, Modesto Leite. Biblioterapia com Crianças com Câncer. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 198-210, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/10992/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: Relato de experiência do projeto de extensão “Biblioterapia com crianças com  câncer, a leitura como atividade lúdica”, realizado pelo Curso de Biblioteconomia, da  Universidade Federal do Ceará – UFC / Campus Cariri.
Objetivo: Humanizar o tratamento das crianças hospitalizadas, realizando a leitura de histórias com propósitos terapêuticos.
Metodologia: Leitura em grupo e individual, a contação de histórias, dramatização e oficinas de desenho.
Resultados: A biblioterapia conduz à pacificação das emoções, a desfocalização do problema de saúde enfrentado, reforçado pelas qualidades estéticas oferecidas pela literatura. A leitura apazigua as emoções resultantes da doença e conduzem a estados de espíritos suscetíveis ao tratamento.
Conclusões: Os cursos de graduação em Biblioteconomia estão percebendo nesta área o incentivo a novos processos de aprendizagens e competências, através dos indicadores saúde-doença na complementaridade necessária para trazer a tona à humanização e a ética, em meio às circunstâncias vivenciadas no ambiente hospitalar.

Palavras-Chave: Biblioterapia. Leitura – função terapêutica. Biblioterapia – câncer.

A Comunicação Organizacional em Unidades de Informação

DUARTE, Elizabeth Andrade; BRAGA, Rogério Manoel de Oliveira. A Comunicação Organizacional em Unidades de Informação. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 181-197, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/11337/pdf_1>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: A Comunicação Organizacional envolve não apenas o conhecimento, o estudo de grupos de interesse, planejamento, mas também políticas de comunicação – por meio de uso de instrumentos comunicacionais variados. Nessa mesma linha, vários autores possuem a preocupação constante em definir e caracterizar a comunicação organizacional e o seu campo de abrangência, evidenciando a necessidade de lhe atribuir um lugar de destaque nas organizações. Nesse contexto, esse estudo foca em unidades de informação que, atualmente, carecem de estudos sobre a comunicação organizacional.
Objetivos: Analisar o papel da Comunicação Organizacional dentro das unidades de informação no âmbito da gestão e da tomada de decisão.
Metodologia: Estudo teórico.
Resultados: O resultado do estudo mostra possíveis ações para alcance de uma comunicação organizacional eficiente nestas organizações, tais ações envolvem: a troca de informações entre os colaboradores, o papel do bibliotecário em propiciar ênfase na comunicação, bem como ressalta a importância do processo de comunicação externo, devendo este ser bem estabelecido, de modo que venha a acompanhar as mudanças ambientais, as novas exigências globais e os novos usuários da informação na era contemporânea.
Conclusão: O processo de comunicação deve ser aperfeiçoado nas unidades de informação, com a aplicação de novas práticas.

Palavras-chave: Comunicação Organizacional. Unidades de Informação.Tomada de Decisão/Gestão.

Estratégias para Disseminação do Conhecimento Organizacional: o papel da arquitetura da informação

TEIXEIRA, Ticiane Mary Carvalho; VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Estratégias para Disseminação do Conhecimento Organizacional: o papel da arquitetura da informação. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 165-180, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/12110/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: As organizações estão utilizando, cada vez mais, os espaços eletrônicos/digitais (Internet/intranet/extranet) como uma forma de gerenciar eficientemente informação e conhecimento no ambiente organizacional. A gestão de insumos informacionais e de ativos intelectuais abrange desde o nível estratégico até o nível operacional, cujos resultados demonstram o fortalecimento da socialização das estratégias organizacionais.
Objetivo: Refletir sobre o papel da arquitetura da informação para a elaboração de espaços eletrônicos/digitais em ambientes organizacionais.
Metodologia: Pesquisa analítica apoiada em literatura especializada da área, fundamentada em três aspectos destacados por Morville e Rosenfeld (2006) e aplicados à arquitetura da informação: contexto, conteúdo e usuário, além dos estudos de busca e uso da informação de Choo (2006) em que também destaca três aspectos: dimensões situacionais, necessidades cognitivas e reações emocionais.
Resultados: No contexto do ambiente Web as organizações têm um grande número de sites de marcas/produtos que apresentam na maior parte nenhuma estrutura de organização ou navegação compartilhada. Os resultados mostram que quando um departamento precisa contactar outro departamento é preciso fazê-lo de forma offline.
Conclusão: A arquitetura da informação passou a ser fundamental para a elaboração de  sistemas de informação gerencial, para que viabilize a fácil localização e acesso de dados e  informações, bem como ajuda no desenvolvimento de estrutura hierarquias distintas para a  divulgação dos conteúdos, promovendo maior qualidade e efetividade aos sistemas gerenciais.

Palavras-Chave: Disseminação da informação. Conhecimento organizacional. Gestão da informação. Gestão do conhecimento. Arquitetura da informação. Sistemas de informação.  Ambiente organizacional.

Arquitetura da Informação em sites de Pró-Reitorias de Graduação: um enfoque nas Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná

RIBEIRO, Fabiano Ferrari; MONTEIRO, Silvana Drumond. Arquitetura da Informação em sites de Pró-Reitorias de Graduação: um enfoque nas Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 125-164, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13104/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: Um novo cenário vem se desenhando nas últimas décadas em decorrência do crescimento das Tecnologias da Informação e Comunicação, em especial da rede mundial de computadores, conhecida como Internet, por meio de seu serviço mais popular, a WWW, ou simplesmente Web. Milhões de informações são geradas a cada minuto, contribuindo para a rápida disseminação e comunicação em nível global sem restrições ou limites. É sob a égide da organização que foi criada a disciplina Arquitetura da Informação, cujo principal objetivo é trazer ordem ao caos informacional em ambientes digitais, ou seja, aqueles que são publicados no ciberespaço codificados por uma linguagem de programação conhecida como HTML (Hypertext Markup Language) e apresentados em sites na Web.
Objetivos: Investigar os elementos de Arquitetura da Informação na Web para o uso em sites de Pró-Reitorias de Graduação em Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná, inseridas em um contexto público, além de apresentar um exemplo de organização para tais ambientes com base na identificação de suas características e no estudo da literatura científica do tema.
Metodologia: Para a elaboração deste trabalho, realizou-se uma pesquisa documental prospectando, por meio de uma análise, o corpus composto de sites das Pró-Reitorias de Graduação das Universidades Públicas do Estado do Paraná.
Resultados: Na proposta para sites de Pró-Reitorias de Graduação das IEES do Paraná, uma das maiores preocupações foi para que o ambiente de interação possuísse elementos corretamente organizados de maneira concisa, primando pela facilidade na busca pela informação. Foi construída uma proposta para a concepção de sites para as Pró-Reitorias que tratam sobre o tema graduação, bem como objetivou reforçar todo o aporte teórico, oferecendo base para que seja possível a implementação de sistemas que prezem principalmente pela qualidade de uso.
Conclusões: Ainda há muitos desafios a serem vencidos pelos arquitetos da informação das Pró-Reitorias de Graduação. Certamente a inclusão de profissionais das disciplinas que mantêm correlação com a AI, como a CI, a Ciência da Computação e o Design Gráfico, trariam contribuições significativas para o aperfeiçoamento de seus sites.

Palavras-Chave: Arquitetura da Informação. World Wide Web. Ciência da Informação. Organização da Informação. Sites de Pró-Reitoria de Graduação.

A Web 2.0 no Serviço de Referência: análise do uso nas bibliotecas das universidades federais do Nordeste brasileiro

PEREIRA, Edinete Nascimento; CARVALHO, Andréa Vasconcelos. A Web 2.0 no Serviço de Referência: análise do uso nas bibliotecas das universidades federais do Nordeste brasileiro. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 102-124, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13000/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: Os recursos que compõem a Web 2.0, em conjunto com suas características como a interatividade e o dinamismo podem ser utilizados no Serviço de Referência das bibliotecas, ampliando as possibilidades de interação e estreitando o relacionamento entre o bibliotecário e o usuário, permitindo o compartilhamento de informações, esclarecimento de dúvidas, a troca de ideias e facilitando o processo de disseminação da informação.
Objetivos: Analisar a aplicabilidade e o impacto da Web 2.0 no Serviço de Referência de bibliotecas das universidades federais do Nordeste do Brasil.
Metodologia: Os procedimentos metodológicos incluem pesquisas bibliográficas pertinentes ao tema e pesquisa de campo. Para a coleta de dados foi aplicado um questionário a bibliotecas de nove universidades federais do Nordeste, obtendo-se retorno de cinco delas. Os dados obtidos foram analisados de forma qualitativa e quantitativa.
Resultados: Os resultados revelam, por um lado, que a maioria das bibliotecas pesquisadas sabe da importância e utiliza recursos da Web 2.0 no Serviço de Referência, especialmente, para atender os usuários. Por outro lado, observa-se que os recursos da Web 2.0 utilizados se limitam a uns poucos tipos, não incluindo recursos que poderiam ter impacto positivo no atendimento e fortalecimento do relacionamento com os usuários.
Conclusões: As bibliotecas pesquisadas se encontram num estágio inicial em relação ao uso dos recursos da Web 2.0 no Serviço de Referência. É importante salientar a necessidade de que haja ações de gestão no uso dos recursos 2.0 e que o bibliotecário faça um plano de gestão definindo quais recursos utilizar, que informação disseminar e que objetivos se pretende atingir.

Palavras-chave: Web 2.0. Serviço de Referência. Recursos da Web 2.0. Universidades Federais do Nordeste.

Interoperabilidade entre Linguagens de Indexação como Recurso de Modelagem de Repertório Terminológico de Coordenadorias de Comunicação Social em Ambientes Universitários: uma proposta metodológica

BOCCATO, Vera Regina Casari; TORQUETTI, Melissa Camargo. Interoperabilidade entre Linguagens de Indexação como Recurso de Modelagem de Repertório Terminológico de Coordenadorias de Comunicação Social em Ambientes Universitários: uma proposta metodológica. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 76-101, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/10800/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: A interoperabilidade entre linguagens de indexação diferentes é focalizada como recurso de construção de instrumento de representação temática para a indexação e recuperação de clippings.
Objetivo: Estabelecer uma metodologia de realização de interoperabilidade entre linguagens de indexação que se configure numa proposta viável na construção de uma linguagem controlada consistente, e de forma mais ágil, para a representação e recuperação da informação jornalística, pelas perspectivas teóricas e metodológicas em Ciência da Informação e áreas correlatas.
Metodologia: A interoperabilidade foi realizada da linguagem natural para a controlada em cinco fases: 1) identificação da área do conhecimento; 2) levantamento dos termos e criação de uma lista de assuntos em linguagem natural para a interoperabilidade; 3) escolha da linguagem controlada base; 4) identificação de um método de realização de interoperabilidade entre linguagens de indexação; 5) sistematização do processo de interoperabilidade entre linguagens de indexação para a compatibilização sintático-semântica entre os termos.
Resultados: A interoperabilidade entre as linguagens resultou em índices de compatibilidades semânticas significativos entre os termos das duas linguagens em Ciência da Computação.
Conclusão: Comprovou-se a viabilidade da realização da interoperabilidade na construção de linguagens de indexação diferentes e a adequação da metodologia utilizada.

Palavras-chave: Linguagens de indexação. Interoperabilidade. Metodologia. Clippings

Tecnologias de Informação e Comunicação no cotidiano dos adolescentes: enfoque no comportamento e na competências informacionais da ‘geração Google’

LANZI, Lucirene Andréa Catini; VECHIATO, Fernando Luiz; FERREIRA, Ana Maria Jensen Ferreira da Costa; VIDOTTI, Silvana Aparecida Borsetti; SILVA, Helen de Castro. Tecnologias de Informação e Comunicação no cotidiano dos adolescentes: enfoque no comportamento e na competências informacionais da ‘geração Google’. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 49-75, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/11308/pdf_1>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: Os indivíduos nascidos a partir da década de 1990 acompanham a evolução tecnológica naturalmente e aprendem a utilizar os recursos tecnológicos que têm acesso antes mesmo de aprenderem a ler ou a escrever. Nesse sentido, a literatura os considera nativos digitais ou mesmo ‘geração Google’ Contudo, tem-se questionado as suas competências para a identificação de necessidades informacionais e para a busca e o uso de informação diante dos mais diversos ambientes informacionais digitais disponíveis na Web.
Objetivos: Caracterizar o comportamento de busca de informação no cotidiano de um grupo de estudantes adolescentes de uma escola particular de Marília, São Paulo.
Metodologia: Pesquisa qualitativa com 30 estudantes adolescentes de uma escola particular de Marília, São Paulo. A coleta de dados foi realizada, em um primeiro momento, por meio da aplicação de um questionário, baseado na pesquisa de Hughes-Hussell e Agosto (2007), contendo perguntas referentes à idade, sexo, tarefas e hobbies cotidianos, além de questões relacionadas à utilização do computador e da internet, o que possibilitou a determinação de características sociais, econômicas e culturais dos entrevistados
Resultados: Enfocaram o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) para a busca, o acesso e o uso de informação. Foi proposta a criação da “Confraria da Informática’, um incentivo para que os alunos possam (re)aprender as ferramentas de comunicação digital e utilizar de forma adequada os recursos, os produtos e os serviços na Web para a busca e o uso efetivo da informação compatível com suas necessidades e que esteja atrelado ao uso consciente e ético dos ambientes tecnológicos.
Conclusões: As reflexões decorrentes deste estudo prosseguirão por meio da continuidade da Confraria da Informática, que se tornou um “termômetro” sobre a utilização dos ambientes informacionais digitais e a postura dos alunos diante das Tecnologias de Informação e Comunicação no âmbito do Colégio Cristo Rei.

Palavras-Chave: Tecnologias de Informação e Comunicação. Ambientes Informacionais  Digitais. Adolescentes. Comportamento Informacional.

Revistas Internacionais para a área de Ciência da Informação: outra visão além do sistema Qualis/Capes

PINTO, Adilson Luiz; FAUSTO, Sibele. Revistas Internacionais para a área de Ciência da Informação: outra visão além do sistema Qualis/Capes. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 23-48, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/8895/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Introdução: Estudo da presença das revistas da lista Qualis/Capes representadas internacionalmente para a área da Ciência da Informação, contrastada com as revistas presentes na base de dados Web of Science e em outras fontes informacionais (LISA, Library Literature & Information e Ulrich´s International Periodicals Directory).
Objetivo: Averiguar a coerência da lista de títulos estrangeiros e de editoriais internacionais da área de Biblioteconomia e Ciência da Informação no sistema Qualis/Capes.
Metodologia: Pesquisa exploratória, descritiva e quantitativa da produtividade científica dos docentes dos Programas de Pós-Graduação em Ciência da Informação e Biblioteconomia no período de 1995/2004, cujos dados obtidos foram sistematizados e gerados em forma de tabelas e mapas de relações. Também foram trabalhadas as informações nas versões anteriores da listagem Qualis/Capes, verificando a evolução e possíveis inadequações na presença de certas revistas e outras não.
Resultados: Como principais resultados, constatamos que poucas revistas da listagem Qualis/Capes fazem parte da Web of Science (referência mundial em revistas científicas), indicando a possibilidade dessa listagem ser influenciada por outras áreas das Ciências Sociais Aplicadas, em desconsideração à Ciência da Informação, uma vez que há um escopo muito restrito para essa área em visibilidade internacional, neste modelo.
Conclusão: Os resultados indicam que a Ciência da Informação é a área mais próspera em estudos científicos dentro das áreas de Ciências Sociais Aplicadas I e sua qualificação inferior é injusta, uma vez que a listagem Qualis/Capes dessa área é sujeita a grande interferência de outras áreas.

Palavras-chave: Revistas científicas internacionais. Listagem Qualis/Capes. Web of science.

Colaboração entre Programas de Pós-Graduação Brasileiros em Ciência da Informação: modelagem baseada em grafos

SILVA, Alisson de Oliveira; FRANÇA, André Luiz Dias de; BELLINI, Carlo Gabriel Porto; DIAS, Guilherme Ataíde; SILVA, Patrícia Maria da; ARAÚJO, Wagner Junqueira de. Colaboração entre Programas de Pós-Graduação Brasileiros em Ciência da Informação: modelagem baseada em grafos. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 1-22, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/8814/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: Apresenta resultados preliminares de uma pesquisa que investiga as relações de colaboração entre programas de pós-graduação brasileiros na área da Ciência da Informação a partir da perspectiva das redes sociais. A utilização de software de informetria e teoria dos grafos torna possível visualizar e calcular métricas associadas aos atores que integram redes sociais.
Objetivo: Identificar as relações de colaboração acadêmica entre programas de pósgraduação stricto sensu brasileiros na área da Ciência da Informação por meio da modelagem de grafos e análise da rede social associada. 
Metodologia: Pesquisa de caráter quantitativo. Os dados foram obtidos a partir dos currículos Lattes dos pesquisadores vinculados aos programas em foco entre os anos de 2007 e 2009, e a análise deu-se a partir da modelagem de um grafo.
Resultados: O grafo relacionado à rede de coautorias entre os programas de pósgraduação em Ciência da Informação considerados indica que, no período de 2007 a 2009, não foi construído um cenário em que houvesse coautorias entre todos os programas, nem relações de coautorias compatíveis com o volume de pesquisa desenvolvido pelos pesquisadores dos programas em foco. Constatou-se que não há colaboração efetiva entre todos os programas brasileiros na área da Ciência da Informação.
Conclusões: Pretende-se repetir esta pesquisa com os programas de pós-graduação em Ciência da Informação no período de avaliação de 2010 a 2012, de modo a incluir os programas situados no Rio de Janeiro e o recente programa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), bem como para atualizar as percepções a respeito da colaboração existente.
Palavras-chave: Grafos. Redes sociais. Colaboração acadêmica. Ciência da informação. Pós-graduação stricto sensu.

O campo profissional da Gestão da Informação

MALIN, Ana Maria Barcellos. O campo profissional da Gestão da Informação.  Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 2, p. 172-187, maio/ago., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13697/pdf&gt;. Acesso em 29 dez. 2012.

Resumo
Introdução: A gestão da informação, abordagem tardia da informação como objeto de interesse, materializa-se hoje, no Brasil, como um campo profissional, tanto do ponto de vista educacional como ocupacional. Tornando-se chave para o mercado de trabalho, consolida um mandato de conhecimento.
Objetivo: Identificar instituições concretas relacionadas ao atual campo educacional e profissional da Gestão da Informação no Brasil.
Procedimentos Metodologicos: Os indicadores de tendências nesse sentido foram obtidos de pesquisa exploratória realizada através de busca sistemática e formal na web brasileira.
Resultados: Os resultados apontam as tendências de abordagem multidisciplinar no ensino e de estruturação do mercado de trabalho a partir dos cargos, vagas e concursos promovidos, sobretudo, pelo setor público no Brasil.
Conclusão: Conclui sobre a necessidade de a Ciência da Informação se debruçar e aprofundar a pesquisa sobre questões derivadas dessas tendências na sociedade brasileira, tanto em relação à formação educacional e profissional como no tocante à relação entre gestão da informação e gestão pública no país.

Palavras-chave: Gestão da Informação. Formação Profissional. Mercado de Trabalho. Brasil.

Aplicação da metodologia de Engenharia Kansei para melhorar a incorporação de requisitos de experiência em desenvolvimento de novos produtos

CARREIRA, Rui; PATRÍCIA, Lia; NATA, Renato. Aplicação da metodologia de Engenharia Kansei para melhorar a incorporação de requisitos de experiência em desenvolvimento de novos produtos.  Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 2, p. 156-171, maio/ago., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13458/pdf&gt;. Acesso em 29 dez. 2012.

Resumo
Introdução: Projetar produtos e serviços para a experiência do cliente é cada vez mais importante para o sucesso do desenvolvimento de novos produtos (NPD), mas surgem dois desafios: Em primeiro lugar, a experiência do cliente é determinada não apenas pelo produto, mas também pela interacção com o serviço(s) dentro do qual ele pode ser incorporado. Em segundo lugar, a experiência do cliente é formada durante todos os momentos de interacção com um produto ou serviço.
Objetivo: Especificamente em transportes públicos, a experiência fornecida é holística já que começa antes da viagem propriamente dita e não termina necessariamente depois do passageiro chegar ao destino.
Metodologia: O método de engenharia Kansei permite a incorporação de reacções afectivas e emoções em NPD, indicando quais as propriedades do produto que causam impacto semântico, mas não envolve uma abordagem estruturada e global para o estudo da experiência do cliente.
Resultados: Este artigo apresenta uma utilização do método Kansei que inclui um estudo em profundidade da experiência do cliente e da sua incorporação no processo NPD.
Conclusões: Foi proposta uma aplicação a experiências de viagem e ao desenvolvimento de novos conceitos de autocarro.

Palavras-chave: Experiência de viagem. Veículo de transporte. Kansei Engineering. Cognitivo. Emocional.

Gestão da inovação: considerações em torno do processo de desenvolvimento de serviços

ZANINELLI, Thais. Gestão da inovação: considerações em torno do processo de desenvolvimento de serviço.  Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 2, p. 133-155, maio/ago., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13749/pdf&gt;. Acesso em 29 dez. 2012.

Resumo
Introdução: Inovação em serviços e o processo de Desenvolvimento de Novos Serviços (NSD tornam se cada vez mais complexos, envolvendo uma rede de empresas parceiras que trabalham em conjunto para gerir todas as atividades e tarefas envolventes ao longo do NSD. Vários fatores contribuem para o sucesso do NSD, porém o papel que esses fatores desempenham ao longo das diferentes fases do processo ainda não é bem compreendido.
Objetivo: Analisar quais são as principais fases e atividades do processo de NSD, bem como os principais fatores que influenciam o seu sucesso.
Metodologia: Trata-se de um estudo que envolve duas fases, a primeira com uma abordagem exploratória e a segunda fase qualitativa, realizado em quatro projetos de shopping centers que estavam em diferentes etapas do processo de desenvolvimento.
Resultados: Os resultados do estudo indicam que o NSD tem cinco principais fases, que abrangem desde a geração de ideias do novo serviço até a fase da operação. Este estudo também identificou fatores críticos do NSD no contexto das redes colaborativas, com o foco na importância da gestão da informação e da comunicação para o sucesso do novo serviço.
Conclusões: O processo de NSD é cíclico e é fundamental o estabelecimento de redes de colaboração entre empresas parceiras. A gestão de todo o processo é crucial, entretanto a gestão da rede colaborativa também é fundamental devido às intensas interações que ocorrem entre as empresas parceiras ao longo de todo o processo.
O estudo conclui que as empresas devem criar estratégias que garantam uma gestão de relacionamento eficaz, bem como uma boa comunicação entre todas as partes envolvidas nas redes colaborativas.

Palavras-chave: Desenvolvimento de produtos. Desenvolvimento de serviços. Inovação de serviços. Fatores críticos de sucesso. Inovação.

Gestão da inovação através do conhecimento e socialização organizacional

MORAES, Cassia Regina Bassan de; ABREU, Andréia; WOIDA, Luana Maia. Gestão da inovação através do conhecimento e socialização organizacional. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 2, p. 103-132, maio/ago., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13901/pdf&gt;. Acesso em 29 dez. 2012.

Resumo
Introdução: A dimensão humana das organizações considera a inclusão das pessoas em seu trabalho, o uso e a aceitação das ferramentas tecnológicas disponíveis, a consciência da cooperação e entre outros fatores que constituem o ambiente, contribuem para a execução das atividades ou para a construção de conhecimento.
Objetivo: Analisar os fatores envolvidos na socialização organizacional que contribuem aos processos de criação de conhecimento e inovação em quatro empresas de alimentos na cidade de Marília-SP.
Metodologia: A pesquisa tem uma abordagem qualitativa através do estudo de casos múltiplos em quatro empresas de alimentos na cidade de Marília-SP, cada uma de um tamanho: micro, pequena, média e grande empresas. Os sujeitos da pesquisa foram os funcionários e donos das empresas, que responderam a um questionário semi-estruturado contendo perguntas abertas e fechadas, em seu local de trabalho.
Resultados: Nos processos de inovação realizados pelas empresas houve dificuldades de natureza diversa, tais como as causadas pela baixa qualificação da mão de obra quando confrontada com novas formas de fazer suas atividades. No entanto, através do desenvolvimento das práticas de socialização voltadas para a inovação que ocorreu, as dificuldades foram superadas e lhes permitiu realizar novos procedimentos e alcançar os resultados esperados.
Conclusões: As empresas estudadas revelaram grandes diferenças quanto à necessidade de institucionalizar a socialização. Uma alternativa para tirar vantagem do conhecimento e convertê-lo em benefício para a organização é criar condições adequadas para gerenciá-lo, no contexto adequado através do processo de socialização.

Palavras-chave: Socialização Organizacional. Gestão do Conhecimento. Processos de Inovação.

Metodologia para o monitoramento da difusão de inovação em canais de comunicação científica

MARCHIORI, Patricia Zeni; APPEL, Andre Luiz; BETTONI, Eduardo Michellotti; TSUNODA, Denise Fukumi. Metodologia para o monitoramento da difusão de inovação em canais de comunicação científica. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 2, p. 77-102, maio/ago., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13463/pdf&gt;. Acesso em 29 dez. 2012.

Resumo
Introdução: Ao se considerar que produtos e serviços de informação são objetos de interesse para ações inovadoras, alguns elementos da Teoria da Difusão da Informação são explorados no contexto dos canais de comunicação científica enquanto espaços de investigação da Ciência da Informação.
Objetivo: Propõe-se uma metodologia de monitoramento da difusão da inovação em canais de comunicação científica e suas respectivas condições de adoção.
Procedimentos metodológicos: Explora-se a Teoria da Difusão da Inovação e o modelo conceitual dela derivado. Descreve-se a metodologia proposta em suas fases qualitativa e quantitativa e discutem-se os resultados de teste de aplicação em um recorte de comunicações apresentadas em edições de eventos internacionais e nacionais relativos ao Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas/Open Jornal System. Principais resultados: Aplicada aos corpora do ambiente de teste, a metodologia proposta resultou na criação de vinte e nove categorias relacionadas às condições de adoção da inovação e como fontes de dados para a geração de gráficos provenientes das manipulações de três matrizes de correlação no software UCINET 6.434. Analisaram-se os gráficos obtidos no Netdraw com base em escalonamento multidimensional (multidimensional scaling – MDS) e em frequências absolutas.
Conclusões: validou-se a metodologia no ambiente teste. No âmbito da Ciência da Informação, a metodologia contribui para o monitoramento de inovação em produtos/serviços de informação e oferece uma abordagem diferenciada e complementar aos estudos bibliométricos e infométricos. Estimula-se a realização de testes adicionais em outros canais de comunicação assim como em outros tipos de produtos ou serviços.

Palavras-chave: Teoria da difusão da inovação. Canais de comunicação científica. Monitoramento da inovação – Metodologia. Inovação – condição de adoção. Visualização da informação.

Informação, interação e mobilidade

MANTONAVI, Camila Maciel Campolina Alves; MOURA, Maria Aparecida. Informação, interação e mobilidade.  Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 2, p. 55-76, maio/ago., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13764/pdf&gt;. Acesso em 29 dez. 2012.

Resumo
Introdução: Como uma evolução do estado de permanente conexão em que se encontram os sujeitos na contemporaneidade, as mídias móveis vêm se tornando um dos principais mediadores do estar em rede.
Objetivo: Discutir as implicações da crescente interpenetração das tecnologias móveis em rede na vida social e as mudanças provocadas nas interações entre os sujeitos e entre sujeitos e
informações.
Metodologia: Reflexão sobre os conceitos de informação, interação e ubiquidade, tendo em vista as relações sociais e os processos de sociabilidade inaugurados no movimento físico e, principalmente, no movimento mediado pelas tecnologias de informação e comunicação.
Resultados: A noção de interatividade, presente nas relações mediadas pelas tecnologias móveis, apresenta diferenças em relação a outras mídias digitais. No caso, a ubiquidade torna-se uma característica distintiva das interações nesses dispositivos. Devido ao acesso constante aos dispositivos tecnológicos, surgem novos comportamentos e atitudes que transformam nossas capacidades produtiva e interativa.
Conclusões: As interações via dispositivos móveis, além de alterarem o uso do tempo e o papel do lugar (ubiquidade), podem nos levar a um melhor entendimento das relações entre sujeitos, informação e dispositivos tecnológicos. A questão não está em avaliar essas mudanças em relação a aspectos positivos ou negativos, mas sim constatar que o uso desses dispositivos acaba por configurar novas formas de se “estar junto”. Sob esse aspecto, acreditamos que o conceito de informação precise ser entendido para além da noção que o vincula à ação “comunicar algo a alguém”, assumindo uma dimensão relacional.

Palavras-chave: Informação. Interação. Mobilidade. Ubiquidade. Dispositivos móveis.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos