//
arquivos

Divulgação científica

Esta tag está associada a 10 posts

Sistemas de editoração de periódicos científicos: a questão da usabilidade

ROZADOS, Helen Beatriz Frota; ALVAREZ, Gonzalo Rubén. Sistemas de editoração de periódicos científicos: a questão da usabilidade. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 860-883, jul./dez., 2013. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/907/pdf_1 >. Acesso em: 24 out. 2013.

Resumo: O presente trabalho objetiva compreender a importância da usabilidade (facilidade de uso do produto) nas etapas do processo editorial (submissão, edição, avaliação) de periódicos eletrônicos que utilizam softwares gerenciais. Apresenta uma revisão teórico-conceitual sobre a usabilidade e a avaliação de usabilidade de softwares utilizados na editoração de revistas eletrônicas. Destaca a importância dos cinco atributos propostos por Nielsen (2006) para determinar o grau de usabilidade de interfaces (Facilidade de manuseio; Eficiência de uso; Facilidade de Memorização; Baixa taxa de erros; Satisfação do usuário). Conceitua comunicação, comunidades e periódicos científicos, Open Access, interação humano-computador e sistemas de editoração eletrônica de revistas. Conclui que as avaliações de usabilidade contribuem para a identificação de problemas e permitem a realização de modificações na ergonomia das interfaces das seções (submissão, edição, avaliação) dos sistemas eletrônicos de editoração de periódicos científicos, adaptando-as em favor dos usuários e dos fins para os quais as utilizam. Com relação à Ciência da Informação, os estudos sobre a usabilidade de produtos são de muita importância porque auxiliam no estudo das interações entre pessoas nas instituições, permitindo o planejamento da informação e a organização dos sistemas de recuperação em favor dos seus usuários e das suas necessidades.

Palavras-chave: Comunicação científica. Periódico científico eletrônico. Open Access. Sistemas Eletrônicos de Editoração. Usabilidade.

Ciência para todos? A divulgação científica em museus

SOUZA, Daniel Maurício Viana de. Ciência para todos? A divulgação científica em museus. Ciência da Informação, Brasília, v. 40, n. 2, p. 256-265, maio/ago. 2011. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/1874/1424>. Acesso em: 17 set. 2013.

Resumo
A crescente influência da ciência e da tecnologia na vida cotidiana, tornando as discussões acerca de suas implicações na sociedade cada vez mais presentes, contribui para a configuração de um quadro mais abrangente de difusão das perspectivas do conhecimento científico. Os museus de ciência procuram apresentar aspectos referentes à importância da relação ciência-tecnologia-cotidiano, buscando consolidar-se como um dos espaços de divulgação da informação de cunho científico. Este artigo discute as características e particularidades da divulgação científica, além de suas inter-relações com o fenômeno da informação no ambiente específico das exposições museológicas.

Palavras-chave: Divulgação científica. Museus de ciência. Informação. Exposições museológicas.

As mudanças climáticas e a transformação das agendas de pesquisa.

NEVES, Fabrício Monteiro; LIMA, João Vicente Costa. As mudanças climáticas e a transformação das agendas de pesquisa. LIINC em Revista, Rio de Janeiro, v.8, n.1, p.268-282, março. 2012. Disponível em < http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/article/viewFile/475/355  >  Acesso em: 14 nov. 2012.

Resumo:

Este trabalho pretende discutir a formação de agendas científicas globais e a relação deste processo com a definição da posição dos países no sistema internacional de ciência e tecnologia (SICT). A circulação de conhecimento tecnocientífico pelo globo se acentuou nas últimas décadas. Cada vez mais emerge um sistema integrado com fluxos mais intensos de informação e que, de acordo com alguns autores, estaria sem um centro hegemônico de produção, ou “centrais de cálculo”. No entanto, argumenta-se aqui que uma nova hegemonia tem-se formado por meio da distinção de uma nova agenda tecnocientífica global. Esta agenda se instala em função da controvérsia das mudanças climáticas, que exigirá, neste século, uma corrida pela produção de um novo paradigma tecnológico, “produtivo”, mas “sustentável”. Esta é a nova fronteira do conhecimento científico e tecnológico, que reconfigura os padrões de centro e periferia no sistema internacional de ciência e tecnologia.

Palavras-chave: Sociologia da ciência. Centro/periferia. Sistema científico e tecnológico.

Produção e compartilhamento do conhecimento nuclear: um estudo de caso no instituto de engenharia nuclear da comissão nacional de energia nuclear (IEN/CNEN).

BETTENCOURT, Marcia Pires da Luz; CIANCONI, Regina de Barros. Produção e compartilhamento do conhecimento nuclear: um estudo de caso no instituto de engenharia nuclear da comissão nacional de energia nuclear (IEN/CNEN). Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v.2, n. Especial, p.175-187, out. 2012. Disponível em < http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/12479/8035 >  Acesso em: 14 nov. 2012.

Resumo:

O estudo procurou identificar ações que possam contribuir para a produção e compartilhamento de conhecimentos e informações na Divisão de Radiofármacos do Instituto de Engenharia Nuclear da Comissão Nacional de Energia Nuclear (IEN/CNEN). A motivação para a pesquisa foi o risco, identificado em relatórios da área nuclear, de perda de conhecimento nessa área nos últimos anos. A gestão do conhecimento foi escolhida como ferramenta para o estudo do problema apontado, por possuir metodologias que visam estimular o processo de produção e compartilhamento de conhecimentos e informações, em empresas privadas e também em instituições públicas, como é o caso do IEN/CNEN. A gestão do conhecimento é uma disciplina relativamente nova, que mesmo não tendo nascido na Ciência da Informação, nela vem buscando sustentação teórica e legitimidade. A pesquisa identifica fatores que influenciam no compartilhamento de informação e conhecimento, tais como: redes sociais, comunidades de prática, ambientes facilitadores de colaboração, cultura organizacional, aprendizagem para formação de competências, e narrativas (storytelling). A revisão da literatura e analise dos dados obtidos, diversas práticas foram identificadas, e foram feitas algumas sugestões. Conclui-se que o estímulo institucional à colaboração e à troca de conhecimentos pode influenciar em resultados positivos em relação a um incremento na produção de novos conhecimentos.

Palavras-chave: Gestão do Conhecimento. Conhecimento Nuclear. Produção e Compartilhamento de Conhecimento.

A produção científica em periódicos institucionais: um estudo da revista Biblos

SILVEIRA, João Paulo Borges. A produção científica em periódicos institucionais: um estudo da revista Biblos. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v.17, n.33, p.116-133, jan./abr. 2012. Disponível em: < http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v17n33p116 >. Acesso em: 26 jul. 2012.

Resumo:
O presente artigo aborda a comunicação científica através da produção científica em periódicos institucionais, tendo por base um estudo da revista Biblos, periódico vinculado ao Instituto de Ciências Humanas e da Informação (ICHI) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Para a pesquisa delimitou-se o período de circulação da revista entre 1978 e 2009, 31 anos de atividade, correspondendo a 32 fascículos e 392 artigos publicados. A pesquisa teve por objetivos traçar o perfil dos autores que publicaram artigos na referida revista e identificar as temáticas dos artigos publicados, seguindo as áreas do conhecimento estipuladas. O procedimento metodológico empregado foi a bibliometria, e a partir de seus resultados, os mesmos foram analisados sob um viés quantitativo e qualitativo. Dentre os resultados da pesquisa identificou-se que os autores com título de doutorado são maioria na revista, assim como os pesquisadores vinculados a FURG, sendo os autores com maior produtividade na revista são do quadro de docentes da universidade. Entre as áreas temáticas dos artigos, a História possui maioria absoluta de artigos publicados, com 67% do total, seguida da área das Ciências Sociais Aplicadas I, no qual se enquadra a área da Ciência da Informação.

Palavras-chave: Comunicação Científica. Produção Científica. Revista Biblos.

Indicadores da produção científica e co-autoria: análise do departamento de ciências da informação da UFRGS

COSTA, Josiane Gonçalves da; VANZ, Samile Andrea de Souza. Indicadores da produção científica e co-autoria: análise do departamento de ciências da informação da UFRGS. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v.17, n.33, p.97-115, jan./abr. 2012. Disponível em: < http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v7n33p97 >. Acesso em: 26 jul. 2012.

Resumo:
Através da Bibliometria, investigam-se as características de 248 documentos publicados pelos docentes do Departamento de Ciências da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul entre 2000 e 2008. O objetivo do estudo foi delinear o perfil de publicação departamental em relação aos seguintes indicadores: tipologia dos documentos, assunto, idioma, ano e local de publicação, redes de colaboração, títulos de periódicos e eventos utilizados como canais de comunicação científica. Os resultados indicam uma tendência à pesquisa colaborativa entre os docentes investigados, seus colegas e alunos da faculdade (74,3%), e revelam que anais de eventos e periódicos nacionais são os canais mais utilizados pelos professores para comunicação científica. Destaca como eventos mais utilizados para publicação o CBBD e INTERCOM e aponta a revista Em Questão (publicação eletrônica da faculdade) como principal periódico. Reforça a ideia de que a Ciência da Informação no Brasil ainda é um campo em formação, sem padrões próprios de comportamento em relação à comunicação científica. Conclui que a Bibliometria é um método eficiente para coleta de subsídios à tomada de decisões no âmbito das políticas cientificas e da gestão de bibliotecas, mas requer atenção quanto à interpretação dos resultados.

Palavras-chave: Bibliometria. Cientometria. Produção científica. Colaboração científica. Co-autoria. Ciência da Informação. UFRGS.

Biblioteca, memória e identidade social

SILVEIRA, Fabrício José Nascimento da. Biblioteca, memória e identidade social. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 15, n. 3, p. 67-86, set./dez.. 2010. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/1102/772>. Acesso em: 09 jun. 2012.

Resumo

Este artigo tem por objetivo refletir sobre a seguinte questão: qual a participação das bibliotecas púbicas no processo de constituição, preservação e difusão de referenciais identitários na contemporaneidade? Para tanto, aborda-se, em um primeiro momento, as diversas nuances que perpassam e caracterizam a questão do pertencimento cultural na pós-modernidade para, em seguida, analisar as relações que se instituem entre as noções de memória e identidade social. Por fim, discorre-se sobre as possibilidades de participação das bibliotecas públicas, enquanto “lugares de memória”, nos processos de constituição, preservação e difusão de discursos identitários na contemporaneidade.

Palavras-chave: Biblioteca – memória social. Biblioteca – identidade. Memória – discurso identitário. Lugares de Memória.

Informação em Saúde: potencialidades e limitações


TARGINO, Maria das Graças. Informação em Saúde: potencialidades e limitações. Informação & Informação, Londrina, v. 14, n.1, p. 52-81, 2009. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1845/2891 >. Acesso em: 28 out., 2009.

Resumo
Objetiva-se discutir a informação em saúde como elemento fundamental no processo de tomada de decisões no âmago das políticas públicas, visando elevar a qualidade de vida das nações. Para isto, a priori, discorre-se sobre os sistemas de informação em saúde. A partir daí, ressalta-se o processo de comunicação científica, incluindo a divulgação de resultados, com ênfase para as potencialidades e limitações da informação em saúde. Finalmente, apresentam-se sugestões, sobretudo, com vistas à popularização dessas informações.
Palavras-chave: Informação em saúde; Divulgação científica.

Museus de ciência, divulgação científica e informação: reflexões acerca de ideologia e memória

SOUZA, Daniel Maurício Viana de. Museus de ciência, divulgação científica e informação: reflexões acerca de ideologia e memória. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 14, n. 2, p. 155-168, mai./ago. 2009. Disponível em: <http://www.eci.ufmg.br/pcionline/index.php/pci/article/viewFile/719/585>. Acesso em: 18 out. 2009.

Resumo:

O crescente interesse na interelação entre ciência/ tecnologia e suas implicações no cotidiano dos diversos segmentos sociais ocasionam aumento significativo de iniciativas destinadas a promover o acesso cada vez maior do público em geral aos produtos da ciência. Intenta-se analisar os aspectos ideológicos que permeiam as ações de divulgação científica operadas nos museus de ciência por meio das exposições privilegiando a importância das práticas de operacionalização da informação de caráter científico e suas conseqüências na constituição da memória coletiva.

Palavras-chave: Museu de Ciência; Divulgação Científica; Informação; Ideologia; Memória; Patrimônio.

Experiência inovadora do CanalCiência; instrumento pedagógico para aproximar ciência e sociedade, conhecimento e informação

PINHEIRO, Lena Vânia Ribeiro; SILVA, Márcia Rocha; SOUZA, Sonia Burnier; BARROS, Flávia Rubenia da Silva; GUERRA, Cláudia Bucceroni. Experiência inovadora do CanalCiência; instrumento pedagógico para aproximar ciência e sociedade, conhecimento e informação. Datagramazero, Rio de Janeiro, v. 10, n. 5, set./out., 2009. Disponível em: <http://dgz.org.br/out09/Art_02.htm>. Acesso em: 13 out. 2009

Resumo
Origem, concepção e análise de um dos instrumentos pedagógicos do CanalCiência, portal de divulgação científica do IBICT, criado em 2002. O Guia apresenta duplo objetivo: de divulgação científica e de competência em informação (information literacy). No primeiro, as pesquisas indexadas no CanalCiência têm seus textos reescritos em linguagem não-especializada para seu fácil entendimento pelo público em geral. O segundo objetivo corresponde às novas habilidades necessárias para o acesso e uso correto de informações na Internet, bem como à capacidade de reconhecer aquelas que são consistentes e legítimas. A principal conclusão deste estudo é de que as duas práticas funcionam como um dos caminhos para a conscientização no uso de informações científicas e tecnológicas, combatendo cópias e plágios nos trabalhos escolares, cada vez mais comuns com as facilidades da Internet. O Guia, ao reunir, de forma inovadora, duas ações de natureza convergente, pode contribuir para a formação integral do estudante e para a transformação da informação em “conhecimento em ação”, conduzindo ao exercício da cidadania.

Palavras-chave: Divulgação científica; Competência em informação; Guia informacional para professores ; CanalCiência; Tecnologia na educação.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos