//
arquivos

Estudos Interdisciplinares

Esta tag está associada a 456 posts

Interdomínios na literatura periódica científica da Ciência da Informação

BUFREM, Leilah Santiago; FREITAS, Juliana Lazzarotto. Interdomínios na literatura periódica científica da Ciência da Informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, ago. 2015. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago15/Art_02.htm>. Acesso em: 18 out 2015.

Resumo
Discute as possibilidades metodológicas para o desenvolvimento de pesquisas interdisciplinares e para a delimitação de objetos de estudo que integram diferentes domínios de conhecimento. Parte de fundamentos teóricos sobre as possibilidades concretas de configuração de interdomínios de pesquisa na literatura periódica científica da Ciência da Informação. Concebe o conceito de interdomínio científico para o campo como um processo relacional, representado em um espaço comum entre dois ou mais domínios ou campos do conhecimento. Ilustra-o empiricamente com a análise de um corpus da produção científica de Ciência da Informação relacionado à Sociologia, especificamente no que concerne aos objetos de estudo enfocados nesta literatura. Percebe que as relações dessa conjugação revelam questões específicas da existência de interdomínios, ora oriundos de domínios já institucionalizados como disciplinas ou campos, ora em vias de se institucionalizarem como tais, que, no entanto, se relacionam umas às outras, como a provar a concretização das relações entre domínios, objeto deste estudo.

Palavras-chave: Interdomínio; Sociologia; Ciência da Informação; Metapesquisa; Análise de produção científica; Relações interdomínios.

Anúncios

O ato colecionador: uma visão a partir das disciplinas de Arquivologia; Biblioteconomia e Museologia

RENAULT, Leonardo Vasconcelos; ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O ato colecionador: uma visão a partir das disciplinas de Arquivologia; Biblioteconomia e Museologia. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 6, n. 1, p. 79-92, mar./ago. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v6i1p79-92>. Acesso em: 08 out. 2015.

Resumo:
Neste artigo se analisa a relação do conceito de colecionismo com as áreas de Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. Problematiza dessa forma, questões específicas para cada uma delas e ao mesmo tempo similitudes sob a questão do ato colecionador. Nesse sentido visualiza uma possibilidade de diálogo que transponha o escopo das práticas profissionais das áreas e proponha um debate transversal. Assim, introduziu-se o conceito da categorização do colecionismo em três períodos históricos: Renascimento, Iluminismo e Contemporâneo, buscando relacioná-los com as disciplinas apresentadas neste artigo. Dessa forma, o que se propõe é a incorporação do conceito de colecionismo como tema fundamental para a constituição destes campos. Por fim, argumenta sobre a relevância de se pensar a dimensão dos aspectos colecionistas em complemento aos estudos de acesso, pois os temas não estão postos numa relação de superposição (ou superação temporal) e podem ser retomados de forma contemporânea e original sem desconsiderar uma das perspectivas.

Palavras-chave: Colecionismo; Biblioteconomia; Arquivologia; Museologia.

Relato de experiência de estágio na Biblioteca Universitária Fernando de Castro de Moraes: diálogos com Ranganathan

SANTA ANNA, Jorge; CALMON, Maria Aparecida de Mesquita. Relato de experiência de estágio na Biblioteca Universitária Fernando de Castro de Moraes: diálogos com Ranganathan. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 339-354, maio./ago., 2015.

Resumo
Apresenta relato de experiência das atividades realizadas durante o período de estágio supervisionado vivenciado por ex-discentes do curso de Biblioteconomia, na biblioteca universitária (BU), Fernando de Castro de Moraes. Expõe as diversas atividades desenvolvidas nas diferentes seções da BU, apresentando os setores e a multiplicidade de serviços e produtos prestados pela unidade. Comparativamente, o artigo pretende, também, descobrir os princípios de Ranganathan existentes nas práticas profissionais e em toda a ambiência da unidade estudada. A partir do estudo, aprendeu-se que a referida biblioteca constitui um espaço apropriado a receber estágios supervisionados de futuros bibliotecários, com vistas a tornar visível o conhecimento discutido na teoria e contribuindo para a consolidação do perfil profissional exigido pelo mercado moderno. Confirma-se que a diversidade dos serviços biblioteconômicos oferecidos e as constantes inovações e adaptações existentes nas BUs tornam essas unidades adeptas aos princípios da Biblioteconomia, constituindo um organismo sistêmico e em constante crescimento.

Palavras-chave: Bibliotecas Universitárias. Novas tecnologias. Relato de experiência. Práticas profissionais. Ranganathan.

Acessibilidade na biblioteca do IFAM/Campus Manaus Centro

GUERREIRO, Elaine Maria Bessa Rebello; PORTO, Odimar José Ferreira; CARDOSO, José Ribamar de Abreu; VALENTIM, Eliane Freitas; SILVA, Raele Coelho da. Acessibilidade na biblioteca do IFAM/Campus Manaus Centro. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 321-338, maio./ago., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1008/pdf >. Acesso em: 25 ago. 2015.

Resumo
Este projeto de extensão se propôs observar e levantar as condições de acessibilidade da Biblioteca Paulo Sarmento, do IFAM/CMC, quanto aos aspectos arquitetônicos e comunicacionais, de mobiliário e equipamentos, procedimentos nas informações e recursos para o atendimento da pessoa com deficiência. A proposta foi vivenciar com os alunos bolsistas o atendimento dos usuários em uma biblioteca, à luz da NBR 9050/2004 e Portaria n° 3.284/2003. Esta experiência foi compartilhada com os próprios funcionários da biblioteca alvo e uma instituição de ensino da rede privada. Os resultados apontaram para a não conformidade da biblioteca, com relação à acessibilidade, em face da legislação vigente selecionada.

Palavras-chave: Biblioteca acessível. Educação inclusiva. Inclusão escolar. Educação Especial.

O perfil das bibliotecas universitárias federais do Brasil mediante a oferta de e-books

JULIANI, Jordan Paulesky; FELDMAN, Daniele; LIMA, Graziela dos Santos. O perfil das bibliotecas universitárias federais do Brasil mediante a oferta de e-books. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 313-320, maio./ago., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1018/pdf >. Acesso em: 25 ago. 2015.

Resumo
O aparecimento e a crescente popularidade dos e-booksrepresentam um desafio para as bibliotecas no sentido de assegurar sua função original de preservação e disseminação da informação. Ao mesmo tempo, este suporte representa uma alternativa para as bibliotecas universitárias manterem-se atuantes e inovadoras, atendendo às expectativas dos seus usuários. Este artigo objetiva efetuar um breve levantamento acerca das universidades federais no Brasil, com o intuito de identificar o perfil de suas bibliotecas mediante a oferta de e-books. Para alcançar este objetivo, foi realizada uma pesquisa qualiquantitativa do tipo descritiva. Para a análise de dados, foi empregada a geração e análise de clusters. Como resultados, foram encontrados 3clusters (agrupamentos das bibliotecas). Apesar de constatar que 42% das unidades de informação estudadas não possuem ainda este suporte no seu acervo, percebe-se, de forma geral, que as Bibliotecas Universitárias Brasileiras estão aderindo às novas formas de disseminação da informação.

Palavras-chave: Bibliotecas Universitárias Federais. Acervo Digital. E-books.

Informação, memória e patrimônio cultural

MOTA, Dayane Paula Ferreira; CAVALCANTE, Lidia Eugênia; FEITOSA, Luiz Tadeu. Informação, memória e patrimônio cultural. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 298-312, maio./ago., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1055/pdf >. Acesso em: 25 ago. 2015.

Resumo
Analisa informações sobre o patrimônio cultural de Fortaleza-Ceará, veiculadas em jornais de grande circulação do Estado, e os reflexos na educação da população fortalezense e no desenvolvimento social e turístico da cidade. Para tal, discutem-se questões relativas à memória e à história de Fortaleza e os meios de preservação do patrimônio cultural. A metodologia utilizada foi pesquisa documental e análise descritiva. Na primeira parte, foram levantados documentos relativos à política cultural instaurada pelo poder público municipal. No segundo momento, foram recuperadas reportagens, em jornais locais, sobre “Patrimônio Cultural”, que tratam desse assunto em Fortaleza, no período de 2009 a 2012. Conclui-se que, embora o tema seja regularmente discutido nos jornais locais, a população pouco toma conhecimento das ações realizadas pelo poder público, resultando na falta de conhecimento e de informações sobre como o patrimônio cultural pode trazer desenvolvimento para a cidade, seja social ou econômico. Esse desconhecimento impacta negativamente na valorização da memória e da história local, bem como na sua preservação, conservação e valorização.

Palavras-chave: Informação. Patrimônio cultural. Educação patrimonial. Memória. Patrimônio.

Criação da cadeia de suprimentos para e-books

MARTINS, Robson Dias; CARMO, Annibal José Roris Rodrigues Scavarda do. Criação da cadeia de suprimentos para e-books. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 286-297, maio./ago., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1024/pdf >. Acesso em: 25 ago. 2015.

Resumo
Ações inovadoras em bibliotecas universitárias proporcionam benefícios aos profissionais da informação e aos usuários das unidades. Para tanto, esse trabalho propõe introduzir a cadeia de suprimentos para e-books como inovação incremental no processo de formação e desenvolvimento de coleções, pautada nas novas tecnologias disponíveis no mercado e na excelência na gestão de processos. Acredita-se que a sinergia entre a Ciência da Informação, a Administração e as Tecnologias de Informação e Comunicação, bem como, a Inovação e a Gestão baseadas na Qualidade servem de arcabouço para a construção desse processo gerencial. A partir do incremento dessa cadeia pretende-se melhorar a eficiência e a eficácia nos processos de seleção e aquisição de e-books, bem como, democratizar o acesso a esse suportes informacionais. Dessa forma, são apresentada ações fundamentais na busca da melhoria desse campo da Biblioteconomia.

Palavras-chave: Cadeia de suprimentos. E-books. Livros digitais.

Manifestações simbólicas de punição/proibição em bibliotecas: espaços de acolhimento ou coerção?

SANTA ANNA, Jorge; MAIA, Maria de Lourdes Franklin. Manifestações simbólicas de punição/proibição em bibliotecas: espaços de acolhimento ou coerção?. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 272-285, maio./ago., 2015. Disponível em <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/988/pdf >. Acesso em: 25 ago. 2015.

Resumo
Discute aspectos relacionados à realidade de algumas bibliotecas públicas no que se refere ao tratamento com o usuário e as normas de controle no uso dessas unidades. Através de pesquisa bibliográfica e estudo em campo, sustentado pela entrevista e observação, o artigo analisa, com base na literatura, o que o usuário deveria representar para as bibliotecas. Apresenta as bibliotecas como ambientes de acolhimento e prestadoras de serviços úteis à comunidade. Reflete, com base na literatura, as manifestações simbólicas de punição nos espaços das bibliotecas. Por fim, expõe a realidade de algumas bibliotecas públicas instaladas em um município quanto às normas de utilização de seus espaços. Conclui que, deve haver modificação das medidas de controle sobre a conduta do usuário no espaço das bibliotecas, de modo que ele não seja frustrado com medidas excessivas, de caráter punitivo e constrangedor. Evidencia-se que, a partir de práticas cordiais de acolhimento e oferta de serviços variados e úteis, busca-se pela satisfação do usuário, o que poderá despertar o crescimento dos índices de frequência e a valorização/reconhecimento da biblioteca como instituição necessária à sociedade.

Palavras-chave: Acolhimento em bibliotecas. Punição em bibliotecas. Usuários de bibliotecas. Necessidades de informação. Normas de controle.

Ler, compartilhar e interagir: blogs como ferramentas de mediação de leitura

ARAÚJO, Rafaela Lima de; ARAÚJO, Ronaldo Ferreira de. Ler, compartilhar e interagir: blogs como ferramentas de mediação de leitura. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 240-260, maio./ago., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1042/pdf >. Acesso em: 25 ago. 2015.

Resumo
Objetiva compreender os blogs literários como possível ferramenta de mediação de leitura e investiga o perfil dos atores envolvidos nesses ambientes bem como suas interações. O artigo apresenta uma breve incursão conceitual acerca dos blogs como fonte e canal de compartilhamento de informação com atenção especial aos blogs literários. Discorre sobre a leitura e a escrita na web e o seus processos de mediação. E discute os resultados de uma pesquisa exploratória com aplicação de questionários direcionados a blogueiros literários e seus respectivos leitores no período de 16 a 23 de junho de 2014. Há
semelhança entre os perfis (no que se refere ao gênero, idade, preferências de aquisição de livros e índices de leitura) e compatibilidade de opiniões entre os dois públicos (constante menção às resenhas de livros como elo entre eles para escolha de obras a ler), bem como indicativos relevantes de interação mútua. Conclui que os respondentes referem-se aos blogs literários como um mecanismo de mediação e incentivo à leitura.

Palavras-chave: Blog. Blogs literários. Leitura. Incentivo à leitura. Compartilhamento de informação.

O teatro infantil: arte ou didatismo?

BESSA, Amanda de Queiroz; CALDIN, Clarice Fortkamp. O teatro infantil: arte ou didatismo?. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 200-210, maio./ago., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/997/pdf >. Acesso em: 25 ago. 2015.

Resumo
Apresenta o teatro como manifestação artística do ser humano, especialmente das crianças. Oferece um panorama histórico do teatro no Ocidente a partir de suas origens gregas. Aponta as funções do texto e do espetáculo cênico. Mostra o início do teatro no Brasil e o desenvolvimento do teatro infantil em nosso país. Menciona o envolvimento da escola com a dramaturgia infantil. Finaliza com reflexões acerca da importância do teatro no imaginário das crianças.

Palavras-chave: Teatro. Teatro infantil no Brasil. Teatro na escola. Teatro e imaginário infantil.

O ato colecionador: perspectivas contemporâneas

RENAULT, Leonardo Vasconcelos; ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O ato colecionador: perspectivas contemporâneas. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 185-199, maio./ago., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1015/pdf >. Acesso em 25 ago. 2015.

Resumo
Este artigo discute a atualidade do conceito de colecionismo, e possui como referências as áreas de Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. Neste sentido, propõe o conceito de ato colecionador como construto social construído e ampliado pelas representações da cultura. Por fim, no intuito de perceber o ato colecionador contemporâneo, propõe-se à análise de três manuais das áreas de Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia para que se possa encontrar as marcas atuais da expressão colecionadora humana. Os manuais escolhidos tiveram como critério a sua filiação com instituições profissionais de abrangência internacional para cada uma das áreas (ICA, IFLA e ICOM). Neste sentido, o artigo pretende discutir as características do contemporâneo frente à idéia de se formar coleções. Observa-se, dessa forma, as características de produção em massa dos documentos que, somada à ampliação do acesso em escala global, permitida pelo aprimoramento da tecnologia, produz novos desafios e questões para o ato colecionador contemporâneo.

Palavras-chave: Biblioteconomia. Arquivologia. Museologia. Colecionismo.

Por que eu não vou à biblioteca?: discursos, representações e sentimentos desvelados por sujeitos escolares através de desenhos

ANDRADE, Lucas Veras de. Por que eu não vou à biblioteca?: discursos, representações e sentimentos desvelados por sujeitos escolares através de desenhos. Biblioteca Escolar em Revista, Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 72-93, 2015. Disponível em: <http://revistas.ffclrp.usp.br/BEREV/article/viewFile/325/pdf >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
Pretendemos com esta investigação apresentar o desenho como um recurso subjetivo, onde a criança projeta de modo espontâneo suas experiências. A partir destas produções, analisamos discursos e representações como fatores que motivam um grupo de crianças a minimizarem o interesse em frequentar a biblioteca da instituição escolar em que estão vinculados. O estudo compreendeu como lócus uma escola de ensino fundamental da rede municipal de Teresina (PI), tendo como participantes um grupo de estudantes que foram selecionados segundo critérios, posteriormente, descritos. Assim, a coleta de dados considerou grafismos (desenhos), tendo como procedimento complementar a entrevista. Logo, os resultados demonstram vários aspectos que na visão dos discentes diminuem o seu interesse em relação ao espaço em discussão. Desse modo, esperamos que os resultados redirecionem o significado deste ambiente na instituição de análise e contribua para aprimorar o alcance das ações educacionais.

Palavras-chave: Desenhos Infantis. Biblioteca Escolar. Alunos – Ensino Fundamental.

Histórico das bibliotecas escolares no Estado do Paraná

LIMA, Leda Maria Araújo; SILVA, Rovilson José. Histórico das bibliotecas escolares no Estado do Paraná. Biblioteca Escolar em Revista, Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 53-71, 2015. Disponível em: <http://revistas.ffclrp.usp.br/BEREV/article/viewFile/332/pdf >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
O presente artigo tem por objetivo apresentar o histórico das bibliotecas escolares no Estado do Paraná, sua evolução desde o século XVII ao século XXI. É uma pesquisa de cunho bibliográfico, alicerçada na investigação, identificação, leitura e análise de escritas, documentos, leis e decretos, que ocorreram ao longo do tempo neste Estado. A pesquisa buscou descrever e analisar o processo de surgimento das bibliotecas escolares dentro do sistema de ensino e a estruturação de bibliotecas nesses espaços, evolução, conquistas e avanços. Esta Instituição, embora atualmente esteja garantida em lei, ainda requer reflexões mais profundas e amadurecimento. Pretende-se com este trabalho apresentar a historiografia e suscitar discussões e contribuições para futuros estudos acerca dessa temática.

Palavras-chave: Biblioteca Escolar no Paraná. Historiografia. Ensino no Paraná.

O audiovisual como fonte de informação na escola: desafios para a media literacy

CERIGATTO, Mariana Pícaro; CASARIN, Helen de Castro Silva. O audiovisual como fonte de informação na escola: desafios para a media literacy. Biblioteca Escolar em Revista, Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 31-52, 2015. Disponível em: <http://revistas.ffclrp.usp.br/BEREV/article/viewFile/351/pdf >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
O objetivo deste artigo é explanar sobre as produções audiovisuais como fontes de informação e pesquisa nas bibliotecas escolares e recurso didático nas escolas. O texto discorre sobre a leitura audiovisual procedente tanto de mídias já conhecidas, como as mais tradicionais, e também discute brevemente fenômenos atuais que ocorrem com o audiovisual na internet. Ainda apresenta conceitos-chaves para o trabalho com a media literacy e a competência midiática, que dão bases para a leitura crítica de textos audiovisuais midiáticos. Discute-se também a necessidade de abandonar a visão de que as mídias audiovisuais estão corrompendo as mídias impressas, e que a televisão e o cinema, assim como a internet, são uma ameaça para o ambiente escolar. Fala-se da importância de reformular o papel da biblioteca, que precisa admitir outros meios de acesso à informação e agregá-los de forma mais consistente em seu ambiente. Espera-se, com este trabalho, que o professor possa ir além do uso ilustrativo da imagem e do audiovisual, que geralmente é o mais recorrente em sala de aula quando se utilizam esses meios.

Palavras-chave: Media literacy. Competência midiática. Leitura audiovisual. Fontes de informação.

A contribuição da biblioteca escolar na formação de leitores enfocando o desenvolvimento individual e organizacional

SILVA, Elaine da. A contribuição da biblioteca escolar na formação de leitores enfocando o desenvolvimento individual e organizacional. Biblioteca Escolar em Revista, Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 15-30, 2015. Disponível em: <http://revistas.ffclrp.usp.br/BEREV/article/viewFile/350/pdf >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
Discute a importância da leitura e da formação de leitores para o desenvolvimento da sociedade, considerando que a leitura é elemento essencial na formação de cidadãos competentes em informação, capazes de posicionar-se com autonomia e criticidade diante de situações e perspectivas sociais. Nesse contexto analisa o papel das bibliotecas escolares posto que, muitas vezes, caracterizam a primeira instituição voltada à leitura a que muitos têm ou deveriam ter contato no início da formação escolar.

Palavras-chave: Formação de leitores. Biblioteca escolar. Leitura como elemento para o desenvolvimento social. Políticas públicas para o livro, leitura e biblioteca. Alfabetismo funcional.

A biblioteca escolar como espaço diferenciado: a perspectiva da cultura escolar

FÉLIX, Andreza Ferreira; SIRIHAL DUARTE, Adriana Bogliolo. A biblioteca escolar como espaço diferenciado: a perspectiva da cultura escolar. Biblioteca Escolar em Revista, Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, p. 1-14, 2015. Disponível em: <http://revistas.ffclrp.usp.br/BEREV/article/viewFile/341/pdf >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
Este artigo é resultado de pesquisa conduzida no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais – PGCI-UFMG. A pesquisa trata das práticas educativas desenvolvidas em bibliotecas escolares da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte relacionando-as à cultura escolar. É apresentado o conceito de bibliotecas efetivas enquanto espaços que ofertam condições de acesso ao acervo bibliográfico mas que também se constituem como espaços de aprendizagem. A pesquisa teve como objetivo principal discutir qual a natureza da cultura escolar que favorece bibliotecas efetivas. Esta questão norteou o percurso da pesquisa buscando diagnosticar e analisar práticas educativas em bibliotecas escolares e sua relação a cultura escolar abarcando elementos como: como o ambiente e no qual são produzidas e os sujeitos que as produzem. A amostra foi composta de três escolas da região metropolitana de Belo Horizonte na qual participaram diretores, bibliotecários e dois professores em cada instituição. Os dados coletados foram transcritos e categorizados para análise qualitativa, de vertente intepretativa. Os resultados da pesquisa apontam para aspectos conceituais do termo cultura escolar e analisa as práticas do sujeitos como foco para entender como a biblioteca se constitui enquanto um espaço diferente da sala de aula, tais práticas e relações figuram como objeto principal deste artigo. Evidencia como esta disposição contribui positivamente para que a biblioteca exerça seu papel educativo. Conclui que a cultura escolar é uma importante dimensão de análise para compreensão da função educativa da biblioteca.

Palavras-chave: Bibliotecas escolares. Biblioteca efetiva. Cultura escolar. Espaço diferenciado. Papel educativo.

O bibliotecário em face das transformações sociais: de guardião a um profissional desinstitucionalizado

SANTA ANNA, Jorge. O bibliotecário em face das transformações sociais: de guardião a um profissional desinstitucionalizado. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 138-157, jan./abr., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/985/pdf_118 >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
O artigo propõe reflexões acerca da evolução das competências, habilidades e atribuições do bibliotecário ao longo dos tempos, sobretudo no que se refere aos reflexos da sociedade contemporânea. A fim de atingir essa proposta, o estudo contextualiza a trajetória evolutiva das bibliotecas; apresenta as transformações oriundas com o uso das TICs; reflete as novas competências e habilidades do bibliotecário na atualidade; e, por fim, expõe os diferentes campos de atuação bibliotecária, enfatizando as práticas advindas com a prestação de serviços. Através de revisão de literatura em livros e artigos que enfoquem essa temática, bem como legislação que regulamenta o exercício profissional, concluiu-se que o bibliotecário contemporâneo deixa de ser um profissional que realiza unicamente processos técnicos e tradicionais na informação, para adquiri status de um Moderno Profissional da Informação, dotado de inúmeras competências que vão caracterizá-lo como um profissional diversificado e desinstitucionalizado. Com essa postura, desmistifica-se toda e qualquer especulação e previsão exagerada a respeito da extinção desse profissional em face dos desafios contemporâneos.

Palavras-chave: Bibliotecas. Prática bibliotecária. Moderno profissional da informação. Agente de informação. Desinstitucionalização da informação.

Paradigmas da biblioteconomia e ciência da informação: estudo de caso em uma unidade de informação especializada

VIEIRA, Diego de Castro; ARDIGO, Julibio David. Paradigmas da biblioteconomia e ciência da informação: estudo de caso em uma unidade de informação especializada. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 124-137, jan./abr., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/993/pdf_115 >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
A temática central deste artigo volta-se a apresentação dos paradigmas da Biblioteconomia e da Ciência da Informação,(CI) elucidados pela literatura, buscando identificá-los em uma Unidade de Informação (UI) especializada. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica e um estudo de caso, onde foi possível observar os pontos paradigmáticos da UI a partir dos paradigmas expostos à luz da literatura. Constatou-se que os principais paradigmas identificados na UI estão relacionados com a área da biblioteconomia, pois é uma área do conhecimento voltada essencialmente ao acervo, suporte e processo técnico. Por fim, são sugeridas ações de melhorias para a UI, com foco no interagente e práticas que auxiliem e agreguem valor ao negócio da organização.

Palavras-chave: Paradigmas. Biblioteconomia. Ciência da Informação. Unidade de Informação
Especializada.

Noções de cultura, informação e rede: Museus e algumas reflexões sobre globalização

JARJOUR, Nívia Raquel; PINTO, José Augusto de Paula. Noções de cultura, informação e rede: Museus e algumas reflexões sobre globalização. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 4, n. 1, mar. 2014. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2335/1546 >. Acesso em: 28 jul. 2015.

Resumo
Segundo a Doutora Janine Rossato (2010), neurocientista do Laboratório e Centro da Memória da PUC-RS, cultura é o que diferencia o homem do primata, é a capacidade humana da memória, da aquisição, armazenamento, evocação e transmissão de ideias. Prossegue a cientista dizendo não existir uma memória única e sim um “conjunto de memórias”, assim como a cultura, que nunca é una, mas sempre multifacetada e plural, apesar de seu caráter eminentemente semelhante enquanto célula isolada.

Cultura, Globalização, Informação e Rede

RODRIGUES, Miguel Tadeu; REZENDE, Heloisa Guimarães Vidigal. Cultura, Globalização, Informação e Rede. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 4, n. 1, mar. 2014. Disponível em: < http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2334/1545&gt;. Acesso em: 28 jul. 2015.

Resumo
Este artigo aborda a noção de cultura, informação e rede presentes no processo de globalização com enfoque antropológico. Aborda conceitos e questionamentos de vários teóricos do século XX e primeira década do XXI. A cultura é entendida como sistema de códigos inserida num conjunto de mecanismos de controle, planos, receitas, regras e instruções que direcionam os comportamentos avaliados na ótica das relações sociais. A informação é percebida como elemento constituinte das dimensões sociais e culturais. A articulação das novas tecnologias em redes de relacionamentos participa de construções identitárias. Discute influência da globalização na formação de gostos e preferências.

Palavras-chave: Cultura. Herança cultural. Interação social. Informação e comunicação. Cultura global. Redes globais de comunicação.

As múltiplas concepções da cultura

MORGADO, Ana Cristina. As múltiplas concepções da cultura. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 4, n. 1, mar. 2014. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2333/1544 >. Acesso em: 28 jul. 2015.

Resumo
Fazendo uma enquete com um pequeno grupo de alunos do ensino fundamental da E.M.Maria Elena da Cunha Braz em Betim, sobre o que eles pensam o que é cultura observei que as expressões e palavras que mais apareciam em suas respostas eram: nossa raiz, tradição, identidade, conhecimento passado de geração em geração, modo de vida.

Patrimônio cultural do Brasil: ressonâncias literárias

BOTELHO, Soraia Oliveira de Vasconcelos. Patrimônio cultural do Brasil: ressonâncias literárias. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 4, n. 1, mar. 2014. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2331/1543 >. Acesso em: 28 jul. 2015.

Resumo
Para abordar o conceito, Gonçalves se reporta ao historiador Stephen Greenblatt. Greenblatt refere-se à ressonância como poder que um objeto exposto tem de atingir um universo amplo e de evocar no expectador “forças culturais complexas e dinâmicas das quais ele emergiu e das quais ele é, para o expectador, o representante”. Considerando que poder não é propriedade objetiva, inerente, nem prerrogativa de um objeto, sendo antes atribuição, proponho, neste ensaio, a reflexão sobre construção de sentidos que conferem ao objeto (patrimônio) o poder de evocação identificado por Greenblatt. A reflexão busca apoio na literatura, entendida aqui como mediadora de noções de patrimônio cultural. A premissa é de que a fusão do real e do imaginário, possível, pertinente e até desejável no campo literário, apresenta-se como instrumento eficaz para estabelecer ressonâncias entre a sociedade e a eleição de patrimônios e vice-versa.

Patrimônio Cultural no Brasil

MACHADO, Pollyanna Lacerda; NOGUEIRA, Thaís Kalile Zschaber. Patrimônio Cultural no Brasil. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 4, n. 1, mar. 2014. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2329/1538 >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
Visando compreender a “imaginação museal” de Gustavo Barroso, Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro – examinada com carinho e cuidado pelo museólogo (e poeta) Mário de Souza Chagas em sua tese defendida em 2003; assim como a relação do patrimônio cultural no cenário museológico brasileiro, defrontamo-nos com várias questões importantes para o entendimento da construção do significado dos museus e dos bens culturais em meados do século XIX. De início destacamos: “- a tradição museal brasileira pode ser inteiramente compreendida como parte de um processo civilizador de modernidade com raízes fincadas no solo do século XVIII.” (CHAGAS, 2009, p. 64). A partir deste trecho é possível perceber uma parcela do que seria a função dos museus e mais adiante discutiremos como os três intelectuais escolhidos para análise pensaram a preservação do patrimônio cultural e qual era o significado dos museus para eles.

Patrimônio cultural como categoria de pensamento e categoria de ação: notas sobre o trânsito de práticas e conceitos e um esboço de reflexão sobre a cultura indígena em museus

CARVALHO, Carolina Vaz de. Patrimônio cultural como categoria de pensamento e categoria de ação: notas sobre o trânsito de práticas e conceitos e um esboço de reflexão sobre a cultura indígena em museus. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 4, n. 1, mar. 2014. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2330/1542 >. Acesso em: 28 jul. 2015.

Resumo
O antropólogo José Reginaldo Santos Gonçalves, em alguns textos reunidos na coletânea Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônio (GONÇALVES, 2007), propõe o uso de “patrimônio cultural” como uma categoria de pensamento que poderia contribuir para o entendimento da vida social e cultural. Em sua exploração da presença dessa categoria e seus contornos semânticos em sistemas de pensamento e contextos históricos e culturais distintos da tradição ocidental, Gonçalves argumenta pela universalidade de categorias como “patrimônio cultural” e outras intimamente a ela relacionadas.

A institucionalização do patrimônio cultural

VIEIRA, Márcia Polignano; DULTRA, Karyna. A institucionalização do patrimônio cultural. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 4, n. 1, mar. 2014. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2325/1530 >. Acesso em: 28 jul. 2015.

Resumo
Este artigo pretende analisar algumas mudanças ocorridas no processo de transformação da instituição SPHAN/IPHAN e quais os resultados obtidos, a partir da sua criação na preservação do patrimônio nacional. É importante que se faça saber de um breve histórico, considerando as influências do contexto político social da época da criação do órgão.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos