//
arquivos

Fundamentos da Ciência da Informação

Esta tag está associada a 32 posts

Entre exemplaridade e legalidade: o paradigma e a economia da inovação, um interstício epistemológico na Ciência da Informação

MENEZES, Vinícios Souza de. Entre exemplaridade e legalidade: o paradigma e a economia da inovação, um interstício epistemológico na Ciência da Informação. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 5, n. 2, p. 92-111, set. 2014/fev. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v5i2p92-111>. Acesso em: 08 out. 2015.

Resumo:
O paradigma é puramente linguístico (paradeigma), um exemplo; se dá por analogia e entre singularidades. A episteme da legalidade baseia o paradigma em conformidades, em geral, numa relação de adequação (adequatio) universal-particular. O texto trata da tensão interpretativa entre a exemplaridade e a legalidade do paradigma e da inovação, com especial atenção para a teoria kuhniana em contraposição ao desdobramento interpretativo da economia da inovação, ambos com vultos discursivos na Ciência da Informação. No âmbito dos debates epistemológicos e econômicos da Ciência da Informação, coloca-se em questão a leitura regida pelos meios dinheiro e poder da economia da inovação, tendo como contraponto uma leitura político epistemológica do paradigma baseada na linguagem. Envolvida por esse interstício, o discurso da Ciência da Informação, por vezes, tende a ler e replicar o paradigma e a inovação como uma adequação (regula) estrutural, permanecendo latente aquilo que lhe é exemplar, a sua linguagem não sistêmica.

Palavras-chave: Paradigma; Inovação; Economia da Inovação; Ciência da Informação; Linguagem

Margaret Elizabeth Egan y la genealogía de la filosofía de la bibliotecología

MORÁN, Ariel. Margaret Elizabeth Egan y la genealogía de la filosofía de la bibliotecología. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 5, n. 2, p. 71-91, set. 2014/fev. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v5i2p71-91>. Acesso em: 08 out. 2015.

Resumo:
O artigo examina a estrutura constitutiva da epistemologia social e argumenta que esta é a ideia de Margaret Elizabeth Egan, e que Jesse Hauk Shera depois “re-conceituou” confusamente. Além disso, neste trabalho, são estabelece o que são idéias moldar a genealogia da filosofia da biblioteconomia no século XX. Somado a isso, ele determina que as idéias de Shera não pertencem desta linha genealógica, mas eles estão em uma linha paralela. Shera afastou-se da epistemologia social original de Egan, e ele foi para terras estranhas, que —ao contrário do pensamento teórico mais básico e convencional em biblioteconomia— não comungar com a tradição anterior. Por outro lado, o texto afirma que a filosofia da informação da Floridi suporta tradição biblioteconomia, seus preceitos e evolução.

Palavras-chave: Fundamentos da bibliotecologia; Epistemologia social; Filosofia da informação; Teoria da informação

Paradigmas da biblioteconomia e ciência da informação: estudo de caso em uma unidade de informação especializada

VIEIRA, Diego de Castro; ARDIGO, Julibio David. Paradigmas da biblioteconomia e ciência da informação: estudo de caso em uma unidade de informação especializada. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 124-137, jan./abr., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/993/pdf_115 >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
A temática central deste artigo volta-se a apresentação dos paradigmas da Biblioteconomia e da Ciência da Informação,(CI) elucidados pela literatura, buscando identificá-los em uma Unidade de Informação (UI) especializada. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica e um estudo de caso, onde foi possível observar os pontos paradigmáticos da UI a partir dos paradigmas expostos à luz da literatura. Constatou-se que os principais paradigmas identificados na UI estão relacionados com a área da biblioteconomia, pois é uma área do conhecimento voltada essencialmente ao acervo, suporte e processo técnico. Por fim, são sugeridas ações de melhorias para a UI, com foco no interagente e práticas que auxiliem e agreguem valor ao negócio da organização.

Palavras-chave: Paradigmas. Biblioteconomia. Ciência da Informação. Unidade de Informação
Especializada.

Normatividade, tecnicidade e/ou cientificidade da Biblioteconomia

CARVALHO SILVA, Jonathas Luiz. Normatividade, tecnicidade e/ou cientificidade da Biblioteconomia. Transinformação, Campinas, v. 25, n. 1, p. 5-17, jan./abr., 2013. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1783/1707>. Acesso em: 30 dez. 2014.

Resumo
Este trabalho apresenta como problema uma questão que pode ser discutida a partir da seguinte pergunta: como ocorre o processo de construção da normatividade, da tecnicidade e/ou da cientificidade da Biblioteconomia? Discute também a construção de uma normatividade, tecnicidade e/ou cientificidade da Biblioteconomia, contemplando perspectivas em relação à organização e ao tratamento da informação, fontes, recursos e serviços de informação, práticas profissionais e estudos centrados nos usuários. O trabalho ainda analisa o conceito de norma e de técnica no âmbito da ciência e da pesquisa aplicada à Biblioteconomia, buscando refletir sobre a relevância da Ciência da Informação para os construtos normativos e científicos da Biblioteconomia. A metodologia é composta de uma pesquisa exploratória com delineamento bibliográfico. Conclui-se que a Biblioteconomia tem uma conotação essencialmente técnico-normativa, mas também uma concepção científica a partir das contribuições da Ciência da Informação no âmbito dos estudos de usuários, tecnologias e outros elementos, assim como de outras áreas do conhecimento de cunho social e tecnológico.

Palavras-chave: Biblioteconomia. Cientificidade. Normatividade. Tecnicidade.

Relações entre a teoria matemática da comunicação e a ciência da informação

SANTOS, Izabel Lima dos; NUNES, Jefferson Veras. Relações entre a teoria matemática da comunicação e a ciência da informação. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, out., 2012. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1693/1140&gt;. Acesso em: 26 jul. 2013.

Resumo
A Ciência da Informação (CI) desde sua origem tem como uma de suas principais características a interdisciplinaridade e devido a tal característica é comum que a CI tanto sofra influência como seja influenciada por outras áreas do conhecimento. Dentre as inúmeras influências sofridas pela CI destaca-se a Teoria Matemática da Comunicação, também denominada de Teoria da Informação, apresentada por Claude E. Shannon a comunidade cientifica em 1948. A referida teoria, apesar de analisar apenas o primeiro dos três níveis do processo informacional, nível este que se refere exclusivamente aos problemas técnicos relativos ao transporte físico da informação, continua sendo amplamente utilizada pela CI. Diante disso, este trabalho, por meio de revisão de literatura, tem como objetivo demonstrar as contribuições prestadas pela referida teoria à Ciência da Informação e as relações existentes, ainda hoje, entre a Teoria Matemática da Comunicação e esse campo do conhecimento.

Palavras-chave: Teoria Matemática da Comunicação. Teoria da Informação. Ciência da Informação. Fundamentos Teóricos da Ciência da Informação. Recuperação da Informação.

Humano inumano pós-humano: o homem na, da e para a Ciência da Informação

SALDANHA, Gustavo Silva. Humano inumano pós-humano: o homem na, da e para a Ciência da Informação. Ponto de Acesso, Salvador, v. 6, n. 3, p. 87-107, dez. 2012. Disponível em: <http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/6148>. Acesso em: 31 maio 2013.

Resumo:
Fruto de investigações em torno da filosofia e da epistemologia da organização dos saberes, o trabalho discute o conceito de “homem” que é desenvolvido no debate contemporâneo e suas implicações no pensamento da Ciência da Informação. A análise toma como ponto de reflexão a dicotomia aparente colocada entre os domínios da Cultura & Educação e Ciência & Tecnologia. Para a reflexão filosófica, recorre-se às abordagens ocorrentes sobre a noção de “humanismo”, procurando atentar para a importância desta discussão no campo informacional. As principais vozes aqui trabalhadas são aquelas oriundas do pensamento dos filósofos Habermas, Heidegger e Lyotard. De cunho reflexivo, o texto realiza incursões na forma como estes pensadores abordaram a ideia de humano, que conduziria a uma filosofia própria, o humanismo. Nosso horizonte final é o pensamento de Habermas e sua caracterização do humanismo diante das transformações tecnológicas, no intuito de propor outras direções no debate ético sobre a constituição do “homem” na, da e para a Ciência da Informação. Para o empreendimento proposto, duas são as arenas filosóficas que merecem uma visitação obrigatória: a filosofia da natureza e a filosofia da tecnologia. O desgaste destas levaria, hoje, à filosofia da linguagem como guia para a construção do “humano” que se estabelece no pensamento em Ciência da Informação.

Palavras-chave: Ciência & Tecnologia; Educação & Cultura; Ciência da Informação; Filosofia da Informação; Humanismo.

A institucionalização da Ciência da Informação no Brasil: elementos disciplinadores do campo científico

SOUZA, Edivanio Duarte de. A institucionalização da Ciência da Informação no Brasil: elementos disciplinadores do campo científico. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.esp, p.49-64, . 2012. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/13297 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Apresenta, na perspectiva da Ciência da Informação no Brasil, as características resultantes do processo de transformação por que passou o desenvolvimento técnico e científico a partir dos anos de 1960. Reflete sobre os elementos que compõem os processos de implantação e institucionalização do campo científico dessa área, especificamente o quadro da pós-graduação e da pesquisa, as associações, os eventos e as publicações técnicos e científicos. Considera que esses elementos identificam parte do processo de institucionalização desse campo científico, na medida em que a compreensão deste exige outras reflexões que alcancem os aspectos teóricos e metodológicos, em um processo integrativo.

Palavras-chave: Campo científico. Ciência da Informação – Brasil. Ciência da Informação – Institucionalização.

Charles Peirce, Gilles Deleuze e a Ciência da Informação

MOSTAFA, Solange Puntel. Charles Peirce, Gilles Deleuze e a Ciência da Informação. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.1, p.27-37, jan./abr. 2012. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/12509 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Discute a filosofia pragmática de Charles Peirce e sua teoria dos signos, bem como as modificações introduzidas por Gilles Deleuze em tal teoria para ser possível apresentar a apropriação que a ciência da informação tem feito de ambas. Destaca a teoria dos signos peircianos como signos espaciais apropriados para a Ciência da Informação e os signos deleuzianos do tempo como apropriados à Filosofia da Ciência da Informação.

Palavras-chave: Semiótica; Charles Peirce; Gilles Deleuze; Filosofia da Ciência da Informação

A informação na Ciência da Informação

SMIT, Johanna Wilhelmina. A informação na Ciência da Informação. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.84-101, jul./dez. 2012. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/138 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
proposta de delimitação do conceito de informação no contexto da Ciência da Informação e de sua história. Os desafios representados para a Ciência da Informação quando a informação hoje não mais se encontra restrita às instituições tradicionalmente vocacionadas para sua preservação.

Palavras-chave: Informação. Ciência da Informação. Arquivos. Bibliotecas. Museus

Estudos sobre o objeto da Ciência da Informação: da constituição de um grupo de pesquisa a um de seus resultados

ORTEGA, Cristina Dotta. Estudos sobre o objeto da Ciência da Informação: da constituição de um grupo de pesquisa a um de seus resultados. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.3, n.1, p.15-20, jan./jun. 2012. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/114 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Trata da constituição do grupo ibero-americano de pesquisa sobre Ciência da Informação, depois reconfigurado na perspectiva de uma rede com a entrada de mais pesquisadores brasileiros. A seguir, são apresentados alguns conceitos básicos e as relações entre eles como parte da proposta explicativa de objeto da Ciência da Informação, que foi um dos produtos individuais dos debates realizados no âmbito do grupo.

Palavras-chave: Ciência da Informação; Grupos de Pesquisa

A mediologia de Régis Debray: limites e contribuições ao campo comunicacional.

MARANHÃO, Ana Carolina Kalume; GARROSSINI, Daniela Favaro. A mediologia de Régis Debray: limites e contribuições ao campo comunicacional. Em Questão, Porto Alegre, v.16, n. 2, p. 33-47, jul./dez. 2010. Disponível em < seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/15053/10435 >  Acesso em: 20 dez. 2012.

Resumo:

Ainda não há no Brasil um trabalho sistemático e continuado sobre o pensamento mediológico de Régis Debray. O presente trabalho visa o estudo da Mediologia como instrumento para análise das idéias e da transmissão simbólica. O objetivo deste trabalho é esclarecer a relação entre a comunicação e a Medio­logia, colocando em primeiro lugar questões que dizem respeito à definição dessa corrente de pensamento e suas reais relações com o campo comunicacional. A metodologia utilizada para o desenvolvimento do trabalho consiste na realização de um exame aprofundado das categorias empregadas por Debray ao longo de quatro obras mediológicas como forma de apresentar e discutir os problemas da Mediologia. Como resultado, espera-se traçar condições materiais para a aproximação entre a Mediologia e as pesquisa em Comunicação.

Palavras-chave: Mediologia.Mediação.Teorias da comunica­ção.Pensamento comunicacional. Régis Debray.

 

 

A adoção da informação na gestão da aprendizagem organizacional no campo da ciência da informação.

FERREIRA, Tereza Evâny de Lima Renôr; DUARTE, Emeide Nóbrega. A adoção da informação na gestão da aprendizagem organizacional no campo da ciência da informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v.2, n. Especial, p.87-103, out. 2012. Disponível em < http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/13666/8023 >  Acesso em: 14 nov. 2012.

Resumo:

A informação é configurada como foco de relevância em várias questões organizacionais. É mediante a informação que a aprendizagem organizacional é construída pelos ativos intangíveis e se configura como fator essencial ao desenvolvimento de uma organização. As organizações de Ensino Superior, em especial os Programas de Pós -graduação, têm como desafio trabalhar constantemente com o compartilhamento, a produção e a disseminação da i nformação. Nessa perspectiva, a pesquisa objetiva analisar a adoção da informação na gestão da aprendizagem organizacional do Programa de Pós – graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba (PPGCI/UFPB). Para isso, identificaram-se dimensões informacionais como elementos construtores da aprendizagem  organizacional, formulando um sistema de categorias para realizar o cotejamento. O método adotado é caracterizado por estudo de caso, de abordagem quanti e qualitativa de cunho exploratório e descritivo. Os instrumentos de pesquisa empregados foram a entrevista e o questionário, configurados na escala Likert, formulados a partir dos elementos do modelo Ciclo da Aprendizagem Organizacional. Para a análise dos dados, recorreu-se à análise de conteúdo. Como achados de pesquisa, constata-se que dos 22 elementos da proposta analisada, 16 são desenvolvidos no PPGCI da UFPB de forma positiva, o que eleva a organização ao patamar de Programa baseado nos conceitos de aprendizagem por meio da adoção da informação. Esses resultados permitem concluir que há compatibilidade entre o modelo estudado e as ações voltadas para a gestão da aprendizagem organizacional no PPGCI da UFPB.

Palavras-chave: Aprendizagem organizacional. Ciência da Informação. Gestão da informação e do conhecimento. Programa de Pós -graduação em Ciência da Informação.

Fundamentos teóricos e estatuto científico da Biblioteconomia e Ciência da Informação

OLIVEIRA, Lucia Carvalho de; CRESPO, Maria Rosa Crespo. Fundamentos teóricos e estatuto  científico da Biblioteconomia e Ciência  da Informação. CRB-8 Digital, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 66-85, jan. 2012. Disponível em: <http://revista.crb8.org.br/index.php/crb8digital/article/view/71/73>. Acesso em: 20 out. 2012.

Resumo
Trata dos antecedentes dos campos de estudos relacionados ao livro, à biblioteca, à Biblioteconomia e à Ciência da Informação, por meio da análise de alguns aspectos das profissões cujo foco é organizar e preservar a informação registrada. Analisa os principais paradigmas existentes na Ciência da Informação, tanto por seus fundamentos teóricos como por seu objeto, a informação. Discute o estatuto científico da Biblioteconomia e Ciência da Informação, abordando as principais características destas disciplinas que se configuram como interdisciplinares, e apresenta as possíveis classificações da Ciência da Informação dentro das Ciências. Por último, expõe as reflexões de autores renomados da área, sobre as perspectivas da Biblioteconomia e Ciência da Informação para o futuro.

Palavras-chave: Biblioteconomia;Ciência da Informação. Fundamentos teóricos.

Redefinindo a ciência da informação: da “ciência da informação” para a “ciência do conhecimento”

ZINS, Chaim. Redefinindo a ciência da informação: da “ciência da informação” para a “ciência do conhecimento”. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.21, n.3, p.155-167, set./dez. 2011. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/11901 >. Acesso em: 26 jul. 2012.

Resumo:
O presente ensaio filosófico procura explorar o conceito de Ciência da Informação. A argumentação filosófica é composta de cinco etapas. Ela é baseada no esclarecimento dos significados de seus conceitos básicos “dados”, “informação” e “conhecimento”. O artigo oferece reflexões sobre o fenômeno explorado da Ciência da Informação. O estudo sugere que o nome do campo “Ciência da Informação” deve ser mudado para “Ciência do Conhecimento”.

Palavras-chave: Filosofia. Ciência da Informação. Ciência do Conhecimento.

 

 

Um olhar sobre a origem da ciência da informação: indícios embrionários para sua caracterização identitária

SILVA, Jonathas Luiz Carvalho; FREIRE, Gustavo Henrique de Araújo. Um olhar sobre a origem da ciência da informação: indícios embrionários para sua caracterização identitária. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 17, n. 33, p. 1-29, jan./abr., 2012. Disponível em: <http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v17n33p1/21708>. Acesso em: 26 jul. 2012.

Resumo
Discute sobre fundamentos sociais, científicos e cotidianos que deram vazão para o advento da Ciência da Informação, visando conceber suas características identitárias. A condição problematológica do presente trabalho pode ser sintetizada a partir da seguinte pergunta: Quais os fatores diretos e/ou indiretos que deram vazão para o surgimento da Ciência da Informação? Quais as influências desses fatores para a construção e caracterização da identidade da Ciência da Informação? Tem como objetivo discutir sobre os diversos fenômenos sociais, acadêmicos e científicos que direta e/ou indiretamente promoveram origem a Ciência da Informação. Metodologicamente, o artigo apresenta uma pesquisa exploratória no contexto da investigação histórica por meio de uma revisão bibliográfica. Conclui que diversos fatores auxiliaram na origem e construção da Ciência da Informação mostrando a sua característica de ciência pós-moderna, sendo possível observar diversas características identitárias a partir dos elementos que deram vazão a origem da Ciência da Informação, tais como: identidade histórica (relação entre Biblioteconomia e Ciência da Informação); identidade de projeto (a Documentação de Otlet e La Fontaine); identidade partilhada (contribuição dos EUA e do continente europeu para criação da Ciência da Informação) e identidade institucional (criação de associações em Ciência da Informação).

Palavras-chave: Ciência da Informação. Origem. Identidade.

Conceitos, Categorias e Organização do Conhecimento

KOBASHI, Nair Yumiko Kobashi; FRANCELIN, Marivalde Moacir. Conceitos, Categorias e Organização do Conhecimento. Informação & Informação, Londrina, v. 16, n. 2, p. 01-24, Ed. Esp., 2011. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/10390/9281>. Acesso em: 26 jul. 2012.

Resumo
Na contemporaneidade, o estatuto do conhecimento é analisado sob diversas configurações epistemológicas devido à emergência crescente de novas combinações interdisciplinares. Nesse contexto, a circulação e a apropriação social da informação assumem formas que exigem distintas maneiras de organizar informação e conhecimento. Para enfrentar esses desafios, diversos paradigmas sobre as relações entre conhecimento, conceito, categoria e sua operacionalização em linguagens documentárias coexistem na área da Organização da Informação e do Conhecimento. Os princípios tradicionais e canônicos da organização de conceitos e as novas teorias do conceito, reveladoras desses paradigmas, são apresentados, aqui, como resultado de um estudo exploratório. Ressalta-se, nas conclusões, a necessidade de aprofundar e confrontar esses paradigmas para que novas abordagens de organização da informação possam ser propostas.

Palavras-chave: Conceitos. Organização da informação. Organização do conhecimento. Teorias do conceito.

Ciência da Informação e áreas correlatas: um estudo de caso na Universidade Federal de Minas Gerais

FERNANDES, Wesley Rodrigo; CENDÓN, Beatriz Valadares; ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Ciência da Informação e áreas correlatas: um estudo de caso na Universidade Federal de Minas Gerais. BJIS, Marília, v. 5, n. 1, p. 3-36, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/view/1260>. Acesso em: 26 abr. 2012.

Resumo
Esta pesquisa contribui para a compreensão do que é Ciência da Informação e como está evoluindo através da verificação de disciplinas que interagem com o campo científico da Ciência da Informação no presente momento, bem como a amplitude e a intensidade dessas relações. A pesquisa usa dois estudos bibliométricos de periódicos científicos utilizados por pesquisadores da área. No primeiro estudo, a análise de citações acessou 433 periódicos citados nas bibliografias de 18 teses e 39 dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. Estes foram os primeiros textos examinados para determinar a sua distribuição em nove categorias representativas de grandes áreas do conhecimento. Em seguida, as subáreas ao qual cada revista pertencia também foram identificadas. No segundo estudo, 316 periódicos do campo da Ciência da Informação, assinados e disponíveis no Portal CAPES de Periódicos Científicos, foram identificados e analisados em termos de outras áreas do conhecimento para o qual eles também foram designados pelo Portal. O resultado da análise de citação revelou que 31,8% dos 433 periódicos citados eram interdisciplinares, 49,7% diziam respeito a outras áreas do conhecimento, enquanto 18,50% foram classificados apenas como Ciência da Informação. A análise dos dados do segundo estudo revelou que 57% dos periódicos foram classificados apenas como Ciência da Informação e 43% foram classificados simultaneamente em mais de uma área. Resultados decorrentes de ambos os estudos mostram que a Ciência da Computação, Administração e Educação são as disciplinas mais estreitamente relacionadas com a área de Ciência da Informação. As áreas de conhecimento que a Ciência da Informação mais amplamente se refere são as Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Humanas e Linguística, Literatura e as Artes.

Palavras-Chave: Ciência da Informação; Interdisciplinaridade; Áreas do Conhecimento Correlatas; Estudos Bibliométricos.

O livro de quadrinhos como categoria bibliográfica autônoma

ROHR, Daniele; MATOS, José Claudio Morelli. O livro de quadrinhos como categoria bibliográfica autônoma. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, abr. 2012. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr12/F_I_art.htm>. Acesso em: 21 abr. 2012.

Resumo
Este artigo procura caracterizar a categoria bibliográfica livro de quadrinhos e distingui-la das demais obras de arte seqüencial existentes. Examina a bibliografia disponível acerca dos quadrinhos e discute as características encontradas pelos autores nas diferentes espécies de obras de arte seqüencial. Identifica a existência de um nicho informacional que não tem recebido tratamento científico específico por parte das ciências da informação. É proposta a terminologia de “livro de quadrinhos” para se referir especificamente ao tipo de obra de arte seqüencial que utiliza a linguagem dos quadrinhos, possui conteúdo voltado ao público adulto e que apresenta as características, físicas, editoriais e temáticas, de livro.

Palavras-chaves: Livro de quadrinhos; História em quadrinhos; Leitura; Leitor adulto; Categoria bibliográfica.

Interações disciplinares presentes na pesquisa em ciência da informação

BICALHO, Lucineia Maria. Interações disciplinares presentes na pesquisa em ciência da informação. TransInformação, Campinas, n. 23, v. 2, p. 113-126, maio/ago. 2011. Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/viewissue.php?id=28>. Acesso em: 29 jan. 2012.

Resumo
A produção do conhecimento científico, em todas as áreas, tem sido hoje realizada em grande medida por meio de experiências que privilegiam o convívio de diferentes saberes. Por sua vez, a Ciência da Informação tem como um dos principais traços a sua origem interdisciplinar. O presente trabalho é resultado de pesquisa desenvolvida em nível de doutorado, com o objetivo de analisar quais são as principais formas de interação e em que medida ocorrem na pesquisa da área. O estudo analisou primeiramente uma amostra constituída de 531 artigos científicos publicados em periódicos nacionais da área, tendo sido avaliados, em profundidade, 30% deles, por apresentarem características indicativas da ocorrência de interação com outras áreas do conhecimento. Articulando-se os dados obtidos, constatou-se que diferentes formas e níveis de interação estão presentes nas pesquisas desenvolvidas na Ciência da Informação, sendo a multidisciplinaridade a mais comum. Concluiu-se, ainda, que a interatividade da Ciência da Informação com outras áreas é utilizada mais para dar sustentação à sua disciplinaridade do que para dar vigor a sua característica interdisciplinar.

Palavras-chave: Ciência da informação. Epistemologia. Interdisciplinaridade. Multidisciplinaridade. Transdisciplinaridade.

A abordagem do ensino com pesquisa: uma alternativa pedagógica para o ensino de biblioteconomia e ciência da informação

RODRIGUES, Mara Eliane Fonseca. A abordagem do ensino com pesquisa: uma alternativa pedagógica para o ensino de biblioteconomia e ciência da informação. TransInformação, Campinas, v. 22, n. 2, p. 147-167, maio/ago., 2010. Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/viewissue.php?id=25>. Acesso em: 05 dez. 2011.

Resumo
Pesquisa que se apoia nos fundamentos do paradigma emergente para repensar as práticas pedagógicas adotadas pelos professores das áreas de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Procura articular as concepções pedagógicas subjacentes à formação de professores com a concepção da pesquisa como princípio metodológico no ensino. Verifica, por meio de entrevistas, como o professor-pesquisador que atua nessas áreas desenvolve sua prática pedagógica a fim de estabelecer até que ponto os processos de pesquisa têm sido incorporados às práticas pedagógicas desses professores. Objetiva gerar bases para uma nova didática no ensino das áreas de Biblioteconomia e Ciência da Informação, centrada no ensino com pesquisa. Por fim, tece algumas reflexões resultantes dos depoimentos colhidos.

Palavras-chave: Ensino. Ensino de biblioteconomia e ciência da informação. Paradigma emergente. Pesquisa.

Niveles de institucionalización de la bibliotecología y ciencia de la información en Argentina: una aproximación desde un enfoque empírico

LIBERATORE, Gustavo. Niveles de institucionalización de la bibliotecología y ciencia de la información en Argentina: una aproximación desde un enfoque empírico. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 150-162, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/9802/5625>. Acesso em: 27 nov. 2011.

Resumo

Se analizan y exponen aspectos teóricos sobre el proceso de institucionalización de una disciplina dentro del espacio científico y se aplica esta matriz de análisis al campo de la bibliotecología y ciencia de la información en la Argentina. Paralelamente se discute la utilidad de los métodos empíricos de investigación basados en el análisis de la producción científica como vías de acercamiento para el estudio de los niveles de institucionalización de un campo de conocimiento. Finalmente, se aplica el método bibliométrico a la producción argentina en bibliotecología almacenada en el repositorio E-lis y se extraen indicadores compatibles con el enfoque planteado.

Palavras-chave: Institucionalización científica. Bibliotecología y Ciencia de la Información Argentina. Enfoque empírico.

O conceito de memória na Ciência da Informação: análise das teses e dissertações dos programas de pós-graduação no Brasil

OLIVEIRA, Eliane Braga de; RODRIGUES, Georgete Medleg. O conceito de memória na Ciência da Informação: análise das teses e dissertações dos programas de pós-graduação no Brasil. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 311-328, mar., 2011. Disponível em: < http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/article/viewFile/416/298 >. Acesso em: 16 jun. 2011

Resumo:
Apresenta resultados obtidos em pesquisa de doutorado cujo objetivo geral foi o de compreender como a Ciência da Informação (CI) se apropria de conceitos, partindo do caso específico da apropriação e da reformulação do conceito de memória na produção científica da área no Brasil. Adota como referencial teórico o modelo de construção do conhecimento proposto por Wersig, conforme o qual a Ciência da Informação deve tecer uma rede conceitual a partir da reformulação de modelos genéricos e interconceitos. Nos objetivos específicos, identificar os “atratores” do conceito de memória na Ciência da Informação; analisar suas apropriações e reformulações na produção dos programas de pós-graduação em CI no Brasil; verificar a existência de relações entre a produção de trabalhos sobre memória e a área de graduação dos autores e/ou ao programa de pós-graduação em CI nos quais os trabalhos foram produzidos. Como método, adotou-se a análise de conteúdo e, como campo empírico, a produção científica da área. Para a análise quantitativa dos dados, utilizou-se do Corpógrafo, plataforma de análise sobre corpora. Apresenta a análise das teses e dissertações componentes da amostra analisada na pesquisa. Os resultados evidenciaram a pouca relevância do tema na literatura da área. Verificou-se que os autores mais produtivos são egressos de programas de pós-graduação em CI, mas não desenvolvem suas pesquisas nesses programas, apesar de divulgarem seus estudos em periódicos e eventos específicos da Ciência da Informação. Verificou-se também a existência de um núcleo de estudos teóricos sobre memória, tendência não identificada na literatura internacional. O estudo constatou a apropriação do conceito de memória pela Ciência da Informação no Brasil, em apenas um dos aspectos identificados na literatura internacional, o aspecto social. Essa apropriação mostrou ser mais diretamente influenciada pela formação acadêmica dos emissores  das mensagens do que pelo contexto de produção destas últimas.
Palavras-chave:  Memória. Ciência da Informação. Arquivologia

O conceito de informação na Ciência da Informação

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O conceito de informação na Ciência da Informação. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v. 20, n. 3, p. 95-105, set./dez. 2010. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/6951>. Acesso em: 15 fev. 2011.

Resumo
São apresentados os resultados de uma pesquisa em que se buscou ver as manifestações dos três conceitos de informação presentes na Ciência da Informação nas diferentes subáreas que compõem esta ciência. Para a definição das subáreas foram utilizados os grupos de trabalho da Ancib. Após a identificação e análise destas manifestações, conclui-se pela importância de se integrar os avanços teóricos obtidos em todas elas, de forma a se avaliar o avanço global do conhecimento acumulado da Ciência da Informação ao longo das últimas cinco décadas.

Palavras-chave: Informação. Conceito de informação. Ciência da Informação. Subáreas da Ciência da Informação.

O patrimônio cultural como documento: reflexões transdisciplinares para novos horizontes na Ciência da Informação

SOUZA, Willian Eduardo Righini de; CRIPPA, Giulia. O patrimônio cultural como documento: reflexões transdisciplinares para novos horizontes na Ciência da Informação. TransInformação, Campinas, v. 21, n. 3, 207-223, set./dez., 2009. Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/include/getdoc.php?id=748&article=340&mode=pdf>. Acesso em: 20 jan. 2011.

Resumo
Pretende-se apresentar um panorama dos discursos e ações sobre o patrimônio cultural brasileiro para, emseguida, discutir contribuições e relações que podem ser estabelecidas a partir dos fundamentos da Ciência daInformação. A primeira é a relação entre patrimônio e o conceito de documento, a segunda sobre os processosdocumentais e o cientista da informação, e a terceira uma abordagem da mediação e apropriação cultural dopatrimônio.

Palavras-chave: Patrimônio cultural. Documento. Ciência da Informação. Transdisciplinaridade.

Linguagem e documento: fundamentos evolutivos e culturais da Ciência da Informação

MARCONDES, Carlos Henrique. Linguagem e documento: fundamentos evolutivos e culturais da Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, p. 2-21, 2010. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/viewFile/1019/729>. Acesso em: 5 set. 2010.

São propostas bases antropológicas, evolutivas, culturais e sociais como fundamentos para a Ciência da Informação, a partir de uma discussão sobre o papel central desempenhado pela linguagem no desenvolvimento da cultura e na configuração das sociedades humanas. É discutido seu papel como mecanismo cooperação e articulação social, que garante à espécie humana um diferencial evolutivo decisivo. Este papel da linguagem é mantido e ampliado através da invenção do documento, em sociedades humanas cada vez mais complexas. O documento é analisado em diferentes perspectivas e são discutidas suas possíveis relações com a Ciência da Informação.

Palavras-chave
: Ciência da Informação. Fundamentos. Cultura. Documento.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos