//
arquivos

Gestão da Informação

Esta tag está associada a 105 posts

D4SiMem: uma proposta de modelo de digitalização para sistemas memoriais

ARAÚJO, Francisco de Assis Noberto Galdino de; PINTO, Manuel. D4SiMem: uma proposta de modelo de digitalização para sistemas memoriais. Ciência da Informação, Brasília, v. 41, n. 1, p.127-139, jan./abr. 2012. Disponível em: <http://revista.ibict.br/cienciadainformacao/index.php/ciinf/article/view/2124/1798>. Acesso em: 1 jan. 2016.

Resumo
Apresenta considerações acerca da digitalização como processo integrante da preservação da informação, variável indissociável da gestão da informação nas instituições de memória. Propõe um modelo de digitalização para sistemas memoriais (D4SiMem), sustentado pelo planejamento, captura, tratamento e preservação, contribuindo para a normalização dos processos e atividades a serem executados em nível local e cooperativo. Define os conceitos de Sistemas de Informação, Sistemas Tecnológicos de Informação e Sistema Memorial. Assim, ressalta a digitalização como um processo cuja finalidade é converter o documento físico numa unidade informacional em meio digital.
Para sua execução, aplicou o método quadripolar para observar o processo de digitalização realizado no acervo
memorial do Núcleo Temático da Seca e do Semiárido (NUT Seca, Universidade Federal do Rio Grande do Norte) e no Laboratório de Tecnologia da Informação (Liber, Universidade Federal de Pernambuco). Conclui destacando a própria implementação do modelo, fruto do reuso dinâmico da informação pelas Instituições de Memória que, através do trabalho colaborativo, ultrapassará os limites do território nacional, integrando redes memoriais em estruturação a nível internacional.

Palavras-chave: Digitalização. Preservação da Informação. Gestão da Informação. Instituições de Memória. D4SiMem.

Aportes teóricos da gestão da informação para inovação

PASSOS, Ketry Gorete Farias dos; VIANNA, William Barbosa. Aportes teóricos da gestão da informação para inovação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 16, n. 5, out. 2015. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago15/Art_03.htm>. Acesso em: 18 out. 2015.

Resumo
unformação tem sido considerada um elemento chave para competitividade das organizações, discute-se a importância da gestão da informação para a promoção da inovação. Acredita-se que os processos envolvidos na gestão da informação podem propiciar o desenvolvimento de inovações. A proposta deste estudo consistiu em apresentar alguns processos de gestão da informação que podem auxiliar no desenvolvimento de inovações. Apresenta-se a discussão da relação da informação e sua relação com a inovação. No que se refere a caracterização do estudo trata-se de um estudo de caráter teórico e exploratório. Pode-se considerar que o desempenho inovador de uma organização é diretamente proporcional à sua capacidade de obter informação, processá-la e disponibilizá-la de forma rápida e segura. Nas considerações finais, sugere-se uma agenda de pesquisa que permita prosseguir no aprofundamento das questões tratadas no artigo.

Palavras-chave: Gestão da informação. Gestão da inovação. Inovação. Ciência da Informação.

Diretrizes para a gestão de estoques de informação: um estudo de caso na Rede de Bibliotecas do SENAC Santa Catarina

CORREA, Elisa Cristina Delfini; SPUDEIT, Daniela; VIAPIANA, Noeli. Diretrizes para a gestão de estoques de informação: um estudo de caso na Rede de Bibliotecas do SENAC Santa Catarina. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 19-33 jan./abr., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/972/pdf_107 >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
O presente estudo tem como objetivo apresentar o relato do desenvolvimento de uma política de gestão de estoques de informação com base na proposta de Corrêa (2013). A criação desse instrumento serviu para atualizar o documento norteador de gestão e formação de acervo de acordo com as novas demandas de suportes informacionais e critérios necessários para a efetiva gestão de estoques informacionais em uma biblioteca universitária. Dessa forma, neste artigo será apresentada a metodologia usada para desenvolvimento dessas diretrizes à luz da literatura especializada na área e sua aplicação prática na Rede de Bibliotecas do Senac Santa Catarina. Por meio de uma metodologia descritiva, exploratória, bibliográfica e documental serão expostos os resultados parciais alcançados enfatizando a importância desse instrumento na gestão de uma unidade de informação.

Palavras-chave: Gestão de estoques de informação. Política de gestão de estoques de informação.
Desenvolvimento de coleções. Gestão de unidades de informação.

O bibliotecário como arquiteto da informação: os desafios e as novas abordagens no hodierno Contexto

SANTOS, Raimunda Fernanda dos; SILVA, Eliane Ferreira da. O bibliotecário como arquiteto da informação: os desafios e as novas abordagens no hodierno Contexto. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2116/1316 >. Acesso em: 19 fev. 2015.

Resumo
Estuda a Arquitetura da Informação e a organização da memória documental em ambiente digital. Analisa o contexto biblioteconômico e suas práticas de gestão da informação com vistas a prestar serviços de qualidade na organização de sistemas de preservação e difusão do patrimônio histórico da sociedade. Aponta algumas das relações entre memória e tecnologia ao longo da história da humanidade. Objetiva identificar a importância do profissional da informação como Arquiteto da Informação na estruturação de websites visando à qualidade da disponibilidade e encontrabilidade do patrimônio histórico em meio digital, a fim de possibilitar a garantia do acesso às gerações futuras. Utiliza como metodologia pesquisas bibliográficas e eletrônicas que subsidiaram o desenvolvimento da pesquisa. Aborda também a reflexão de que os sistemas de preservação e difusão da memória digital devem ser ergonômicos atuando através de serviços com mecanismos de descrição arquivística e interface de fácil acesso para que o usuário possa ter uma navegação estrutural com tecnologia assistiva que visa a e-acessibilidade. Menciona a importância das informações primitivas serem disponíveis em infovias a fim de reunir os acervos documentais que comprovem a veracidade dos fatos. Conclui relacionando o papel biblioteconômico em prol da boa ergonomia da Arquitetura da Informação na perspectiva de serviços intuitivos que promovam acessibilidade. Enfatiza ainda a necessidade de ampliar os estudos sobre a interação homem-computador (IHC). Dessa forma, poderá ser bem sucedido o desempenho geral de sistemas de informação de difusão da memória documental na web com vistas à prestação de serviços informacionais de qualidade.

Palavras-chave: Gestão da Informação. Memória Documental. Arquitetura da Informação.

Os pilares da Gestão da Informação: os fundamentos da Ciência da Informação, Administração e Tecnologia no curso de Gestão da Informação da UFPE

FERREIRA, Aurélio Fernando; SILVA, Gilvan Mariano da; WANDERLEY NETA, Luiza Fagundes; BEZERRA, Márcia Patrícia; FALCÃO JUNIOR, Marcos Antônio Gomes. Os pilares da Gestão da Informação: os fundamentos da Ciência da Informação, Administração e Tecnologia no curso de Gestão da Informação da UFPE. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2097/1299 >. Acesso em: 19 fev. 2015.

Resumo
Criado em 2009 o curso de Bacharelado em Gestão da Informação da Universidade Federal de Pernambuco – GIUFPE traz uma proposta interdisciplinar concebida em três pilares: Um pilar, apoiado nas teorias e práticas da Ciência da Informação, Um segundo pilar apoiado em teorias e práticas da gestão e da administração, e o terceiro pilar apoiado na tecnologia com o uso de ferramentas da informação e comunicação e informática. Essa proposta acadêmica interdisciplinar exige dos alunos uma estrutura de conhecimento que seja capaz de internalizar teorias, fundamentos, conceitos, práticas e uso de sistemas de informação. Tal configuração tem por objetivo formar um indivíduo capaz de recuperar, selecionar, organizar, usar e disseminar a informação dentro de um ambiente social e organizacional em qualquer que seja o ramo de atividades de maneira hábil, eficiente e eficaz. Esse estudo foi realizado por meio da análise da matriz curricular e de pesquisa realizada com os alunos matriculados no curso de GI. Como resultado o trabalho demonstra possíveis aspectos que podem ser acentuados, acrescentados e modificados, ajudando num posterior projeto pedagógico tornando o curso capaz de aperfeiçoar o formando como um profissional mais preparado para o mundo que o cerca.

Palavras-chave: Pilares da Gestão da Informação, Ciência, Gestão e Tecnologia da informação.

Criação da unidade de informação através da consultoria biblioteconômica

PINHEIRO, Giselle de Medeiros; MENDES, Jadson Santos. Criação da unidade de informação através da consultoria biblioteconômica. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, out. 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2011/1284 >. Acesso em 01 dez. 2014.

Resumo
Aborda através da consultoria, a criação da unidade de informação. Por meio da análise bibliográfica de caráter exploratória, descrevendo os seguintes tópicos: a informação na sociedade moderna, o contexto organizacional perante a informação, demonstra o consultor na gestão da informação, a unidade de informação na organização e o papel do bibliotecário na consultoria. Objetiva mostrar a importância da informação em uma instituição, por gerar conhecimentos e valores agregados em seus produtos e serviços. O resultado da pesquisa destaca a carência de ferramentas que permite obter uma informação qualificada, necessitando de uma seleção que utilize as técnicas biblioteconômicas para avaliar a grande massa informacional produzida. Conclui-se que a unidade de informação seja um referencial no contexto da organização, a partir dos serviços oferecidos, tornando-se úteis aos negócios de uma empresa.

Palavras-chave: Unidade de informação. Consultoria. Gestão da informação.

A importância da preservação, conservação e tratamento dos registros arquivísticos da COMUNICA-UFRN

SILVA, Gleiciany Barbosa da; SANTOS, Jailma; SILVA, Mona Lisa; MOURA, Rafaela Karoline Galdêncio de; CARVALHO, Monica Marques. A importância da preservação, conservação e tratamento dos registros arquivísticos da COMUNICA-UFRN. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, out. 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1997/1274 >. Acesso em 01 dez. 2014.

Resumo
Contextualiza a situação de produção de registros informacionais na Superintendência de Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Descreve os tipos de materiais e registros existentes no arquivo. Explicita a condição física e técnica do acervo. Destaca a importância dos registros para a memória da UFRN e do Estado do Rio Grande do Norte, bem como para o apoio ao desenvolvimento das atividades de ensino e pesquisa. Relata a relevância de uma gestão da informação fortalecida com o auxílio dos diferentes profissionais (jornalistas, bibliotecários e arquivistas), buscando a responsabilidade em relação ao cuidado devido ao patrimônio documental do passado e aos documentos que são produzidos pela COMUNICA.

Palavras-chave: Documento. Memória. Tratamento documental. Gestão da informação.

Alinhamento estratégico nas organizações: a informação como elemento integrador de propósito, processos e pessoas

ANDRADE, Antonio Rodrigues de; BARRETO, Aldo de Albuquerque. Alinhamento estratégico nas organizações:
a informação como elemento integrador de propósito, processos e pessoas. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, fev. 2015. Disponível em: <http://dgz.org.br/fev15/Art_02.htm>. Acesso em: 16 jun. 2015.

Resumo
Não há gestão possível sem informação e ao lado de funções tradicionais, a empresa deve incorporar a função informacional. Como uma função de caráter transversal, não se limita somente ao ambiente interno da organização. Percorre órgão a órgão de uma forma transversal, para ligando-os entre si e ao ambiente externo. Para que o gerenciamento da informação seja eficaz, eficiente e efetivo no cumprimento de seu objetivo deve se saber com clareza o que é a informação para a empresa, quem a possui, como é conservada, quem é o responsável pelo gerenciamento, como controlar e utilizar a informação. Assim, esta pesquisa tem por objetivo avaliar a informação e seus fluxos como elementos integradores do propósito, do processo e das pessoas em organizações receptoras, processadoras e disseminadoras de informação no município do Rio de Janeiro. Ela insere-se no contexto gestão da informação no aspecto em que a informação e seus fluxos colaboram com os vários componentes do processo de alinhamento estratégico da organização. A metodologia utilizada teve um caráter qualitativo e de pesquisa exploratória e descritiva. Valeu-se de pesquisa de campo na forma de entrevistas estruturadas com profissionais da gestão das organizações pesquisadas. Através das entrevistas, buscou-se conhecer as organizações pesquisadas em relação à integração entre propósito, processos e pessoas. A análise dos dados foi interpretativa, buscando avaliar as informações relatadas com as abordagens teóricas destacadas na primeira parte do trabalho. Constatou-se que as organizações pesquisadas, de maneira geral, não utilizam a informação em sua gestão com a mesma qualidade que captam e disseminam as informações objeto de seus objetivos organizacionais.

Palavras-chave: alinhamento estratégico ; propósito; processo; pessoas.

A gestão pública da informação na contemporaneidade: uma reflexão

PIRES, Erik André de Nazaré; MATOS, Cristiana Guerra. A gestão pública da informação na contemporaneidade: uma reflexão. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 235-, jul./dez., 2014. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/951/pdf_102 >. Acesso em: 06 nov. 2014.

Resumo
Aborda na sua conjectura uma análise reflexiva de como está o gerenciamento informacional na contemporaneidade, realizando um estudo pertinente nesse assunto que está em evidência no cenário nacional e mundial. Partindo dessas primeiras considerações, objetiva-se em características gerais, analisar como está ocorrendo o gerenciamento da informação em âmbito público no cenário brasileiro, partindo-se dessa generalidade congrega-se como objetivos específicos: identificar quais os tipos de informações são de cunho público e quais são as informações de tipo privado, fornecer subsídios para que outros estudos sejam realizados com a temática em questão, mostrar como está o acesso a informação diante da lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011 que trata justamente da sua acessibilidade no cenário brasileiro e realizar uma reflexão no que tange o bibliotecário agir de forma proficiente e com ética na gestão de qualquer tipologia informacional. O procedimento metodológico e operacional congrega a pesquisa teórico-exploratória, partindo-se de um levantamento bibliográfico e por ser uma temática que abarca atualidade, no que compete a disponibilização e consequentemente a facilitação do aceso à informação. Por fim, considera-se que a temática contemplada suscita a outras investigações futuras dentro da Biblioteconomia e Ciência da Informação e áreas afins.

Palavras-chave: Gerenciamento informacional; Gestão da Informação; Acesso à informação.

A aplicabilidade da ferramenta Balanced Scorecard – BSC em uma biblioteca universitária

SCARDOELLI, Ludmila Aparecida; SOUZA, Marta Alves de. A aplicabilidade da ferramenta Balanced Scorecard – BSC em uma biblioteca universitária. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 1, mar. 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1971/1229 >. Acesso em 14 mar. 2014.

Resumo
O objetivo deste trabalho foi verificar como a ferramenta BSC (Balanced Scorecard) pode auxiliar no planejamento e administração de uma unidade de informação que, neste caso, trata-se de uma biblioteca universitária. Descreve a gênese do Balanced Scorecard – BSC, qual é a definição dada pelos estudiosos desta ferramenta, seus objetivos, o que o BSC agrega como ferramenta gerencial, como o mesmo pode produzir vantagem competitiva em um ambiente organizacional e quais são os desafios encontrados pelos profissionais para a construção de um BSC bem-sucedido. A abordagem metodológica adotada foi bibliográfica e descritiva, por meio de um estudo de caso. Concluiu-se que a aplicabilidade do Balanced Scorecard em uma biblioteca universitária é possível e que o BSC tem pilares que podem auxiliar os bibliotecários na gestão da referida instituição.

Palavras-chave: Balanced Scorecard. BSC. Planejamento. Biblioteca universitária. Biblioteca.

A Gestão do Conhecimento sob a perspectiva das sete dimensões: o caso do projeto Perfis Profissionais para o Futuro da Indústria

SATO, Karoline Aparecida Scroch; DRAGO, Helena Nunes Silva, Isabela. A Gestão do Conhecimento sob a perspectiva das sete dimensões: o caso do projeto Perfis Profissionais para o Futuro da Indústria. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 142-168, jan./fev. 2013. Disponível: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13151/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: Organizações que atuam em estudos prospectivos, são intensas na criação e compartilhamento do conhecimento e um dos principais desafios está em tornar coletivo o conhecimento individual.
Objetivo: Analisar por meio das sete dimensões do conhecimento propostas por Terra (2001, 2005) o alinhamento do projeto Perfis Profissionais para o Futuro da Indústria, possibilitando um ambiente propício à criação e ao compartilhamento do conhecimento.
Metodologia: Pesquisa descritiva fundamentada em um estudo de caso.
Resultados: A alta administração atua como facilitadora; a cultura organizacional propicia o compartilhamento estimulando a socialização, experimentação e valorização das ideias;
apesar da estrutura hierárquica, há incentivo à participação; há um processo de seleção voltado a especialidades e qualificações diversas, com constantes capacitações; a organização utiliza diversas tecnologias facilitando a troca de informações e conhecimentos; não existem métricas definidas para avaliação dos resultados e, finalmente, o aprendizado com o ambiente se dá por meio de parcerias, treinamentos e da própria diversidade cultural.
Conclusões: Conclui-se que a equipe do Projeto tem um ambiente propício à criação e compartilhamento de conhecimento o qual é fundamental na prospecção de oportunidades de inovação e na geração de respostas às demandas e necessidades socioindustriais para o futuro da indústria paranaense.

Palavras-chave: Compartilhamento de conhecimentos. Criação de conhecimento. Gestão do conhecimento.

Diretrizes para a gestão da informação em ambientes virtuais de aprendizagem

FELIPE, André Anderson Cavalcante. Diretrizes para a gestão da informação em ambientes virtuais de aprendizagem. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 884-900, jul./dez., 2013. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/884/pdf >. Acesso em: 24 out. 2013.

Resumo: Apresenta a gestão da informação (GI) como um processo que facilita o acesso à informação em ambientes virtuais de aprendizagem (AVA’s) na promoção do conhecimento no ensino superior brasileiro. Tem como objetivo, propor categorias para o gerenciamento informacional de AVA’s com base nos modelos de GI, adotados na produção científica do Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB). Como resultado, sugere a utilização de quatro categorias da GI para atuar no gerenciamento informacional de AVA’s,possibilitando maiores situações de construção de conhecimento entre alunos e professores. São elas: a) reconhecer a informação; b) adquirir informação; c) disponibilizar informação; d) aplicar a informação.

Palavras-chave: Gestão da informação. Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Ensino Superior do Brasil.

A interpretação organizacional em empresas de tecnologia da informação e comunicação (TIC): um estudo na Incubadora Tecnológica de Campina Grande – PB

FEITOSA, Maria José Silva; CALDAS, Patrícia Trindade; CÂNDIDO, Gesinaldo Ataíde. A interpretação organizacional em empresas de tecnologia da informação e comunicação (TIC): um estudo na Incubadora Tecnológica de Campina Grande – PB. Ciência da Informação, Brasília, v. 40, n. 2, p. 192-206, maio/ago. 2011. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/1854/1430>. Acesso em: 13 ago. 2013.

Resumo
Diante da importância da informação para as organizações contemporâneas, a interpretação organizacional é considerada um elemento chave no alcance de diferenciais competitivos, visto que permite a criação de sentido dos sinais e eventos do ambiente externo, e subsidia os gestores no processo de formação de estratégias e de tomada de decisões. Este estudo objetiva identificar o modo de interpretação organizacional das empresas de tecnologia da informação e comunicação (TIC) alocadas na Incubadora Tecnológica de Campina Grande (ITCG). Foram utilizadas as seguintes variáveis: características
da monitoração; processo de interpretação; estratégia e tomada de decisões, a partir de modelo teórico específico. Em relação aos procedimentos metodológicos, fez-se uma pesquisa descritiva, na qual foram realizadas entrevistas estruturadas, baseadas nas variáveis do modelo. Os resultados apontam que as empresas de TIC incubadas na ITCG estão enquadradas no modo de visão não direcionada, já que a modalidade de interpretação organizacional apresentou a maior média global, bem como o maior número de indicadores favoráveis, dentre os modos de interpretação analisados. Dessa maneira, presume-se que o vínculo dessas empresas com a incubadora contribuiu para que elas fossem enquadradas na modalidade de visão não direcionada.

Palavras-chave: Interpretação organizacional. Empresas de TIC. Incubadora tecnológica.

Auditoria da informação no contexto biblioteconômico

PIRES, Erik André de Nazaré. Auditoria da informação no contexto biblioteconômico. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, out., 2012. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1700/1186&gt;. Acesso em: 26 jul. 2013.

Resumo
Trata o interesse em propor o serviço de auditoria da informação no ambiente da Biblioteconomia. O trabalho tem por objetivo geral: mostrar a importância da aplicação da auditoria em termos de informação nas bibliotecas, centros ou unidades de informação para que as mesmas possam melhorar no tocante de atendimento ao consulente, em se tratando dos objetivos específicos têm-se: conceituar auditoria da informação para se ter conhecimento a respeito da sua finalidade e ilustrar a contribuição da mesma em paralelo com as funções da gestão da informação. O procedimento metodológico é constituído por meio de uma pesquisa fundamental por recuperar informações em material informativo que se relacionam com a temática do estudo. Sendo assim, a justificativa para a produção desse trabalho acadêmico é aportar sobre o tema em estudo com a finalidade de levar a tona e discutir ideias a respeito do apontamento em questão. Finaliza, entendendo que o bibliotecário como gestor da informação precisa estar qualificado a trabalhar com esse serviço voltado ao melhoramento dos serviços e produtos prestado aos seus usuários, principalmente de cunho tecnológico envolvendo o acesso às informações, atrelado as tecnologias informacionais, desde a sua recuperabilidade até o seu uso efetivo.

Palavras-chave: Auditoria da informação. Biblioteconomia. Gestor da Informação.

Avaliação de produtos e serviços na Biblioteca Central da UESPI

SOARES, Sheury de Abreu; ALENCAR, Bruna Raquel de Oliveira Carvalho; POTY, Edigar Pires; ANDRADE, Vanessa Aguiar dos. Avaliação de produtos e serviços na Biblioteca Central da UESPI. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, out., 2012. Disponível em: < http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1679/1141&gt;. Acesso em: 26 jul. 2013.

Resumo
As Bibliotecas Universitárias são responsáveis pela guarda e disseminação da informação sobre os mais diversos campos do conhecimento. A gestão da informação nessa organização possibilita o desenvolvimento de atividades planejadas, objetivos e metas de modo a oferecer a seus clientes inovações e qualidade em serviços e produtos. A gestão da informação na dinamização do uso das coleções através dos serviços de referência, circulação e reprodução são todas as atividades que direta ou indiretamente visam o atendimento aos usuários. O objetivo geral desse trabalho é conhecer como ocorre o gerenciamento da informação na Biblioteca Central da UESPI e os objetivos específicos são verificar se o gerenciamento da informação na dinamização do uso das coleções na Biblioteca Central da UESPI atende as necessidades informacionais de seus usuários; verificar se as etapas da dinamização do uso das coleções através dos serviços referência, circulação e reprodução são desenvolvidas na Biblioteca Central da UESPI; identificar serviços, atividades, e produtos da Biblioteca Central da UESPI na dinamização do uso das coleções. A metodologia utilizada é pesquisa bibliográfica e estudo de caso na Biblioteca Central da UESPI, com aplicação de questionário dirigido aos usuários para coleta de dados quantitativos e qualitativos. O método é o indutivo. Ao final do estudo os resultados apontaram informações que possibilitaram conhecer a gestão da informação na Biblioteca Central da UESPI sendo possível sugerir algumas recomendações que virão a melhorar a gestão da informação na dinamização do uso das coleções na Biblioteca Central da UESPI.

Palavras-chave: Bibliotecas Universitárias. Gestão da informação. Dinamização de coleções. Biblioteca. Central da UESPI.

A Comunicação Organizacional em Unidades de Informação

DUARTE, Elizabeth Andrade; BRAGA, Rogério Manoel de Oliveira. A Comunicação Organizacional em Unidades de Informação. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 181-197, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/11337/pdf_1>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: A Comunicação Organizacional envolve não apenas o conhecimento, o estudo de grupos de interesse, planejamento, mas também políticas de comunicação – por meio de uso de instrumentos comunicacionais variados. Nessa mesma linha, vários autores possuem a preocupação constante em definir e caracterizar a comunicação organizacional e o seu campo de abrangência, evidenciando a necessidade de lhe atribuir um lugar de destaque nas organizações. Nesse contexto, esse estudo foca em unidades de informação que, atualmente, carecem de estudos sobre a comunicação organizacional.
Objetivos: Analisar o papel da Comunicação Organizacional dentro das unidades de informação no âmbito da gestão e da tomada de decisão.
Metodologia: Estudo teórico.
Resultados: O resultado do estudo mostra possíveis ações para alcance de uma comunicação organizacional eficiente nestas organizações, tais ações envolvem: a troca de informações entre os colaboradores, o papel do bibliotecário em propiciar ênfase na comunicação, bem como ressalta a importância do processo de comunicação externo, devendo este ser bem estabelecido, de modo que venha a acompanhar as mudanças ambientais, as novas exigências globais e os novos usuários da informação na era contemporânea.
Conclusão: O processo de comunicação deve ser aperfeiçoado nas unidades de informação, com a aplicação de novas práticas.

Palavras-chave: Comunicação Organizacional. Unidades de Informação.Tomada de Decisão/Gestão.

Estratégias para Disseminação do Conhecimento Organizacional: o papel da arquitetura da informação

TEIXEIRA, Ticiane Mary Carvalho; VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Estratégias para Disseminação do Conhecimento Organizacional: o papel da arquitetura da informação. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 165-180, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/12110/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: As organizações estão utilizando, cada vez mais, os espaços eletrônicos/digitais (Internet/intranet/extranet) como uma forma de gerenciar eficientemente informação e conhecimento no ambiente organizacional. A gestão de insumos informacionais e de ativos intelectuais abrange desde o nível estratégico até o nível operacional, cujos resultados demonstram o fortalecimento da socialização das estratégias organizacionais.
Objetivo: Refletir sobre o papel da arquitetura da informação para a elaboração de espaços eletrônicos/digitais em ambientes organizacionais.
Metodologia: Pesquisa analítica apoiada em literatura especializada da área, fundamentada em três aspectos destacados por Morville e Rosenfeld (2006) e aplicados à arquitetura da informação: contexto, conteúdo e usuário, além dos estudos de busca e uso da informação de Choo (2006) em que também destaca três aspectos: dimensões situacionais, necessidades cognitivas e reações emocionais.
Resultados: No contexto do ambiente Web as organizações têm um grande número de sites de marcas/produtos que apresentam na maior parte nenhuma estrutura de organização ou navegação compartilhada. Os resultados mostram que quando um departamento precisa contactar outro departamento é preciso fazê-lo de forma offline.
Conclusão: A arquitetura da informação passou a ser fundamental para a elaboração de  sistemas de informação gerencial, para que viabilize a fácil localização e acesso de dados e  informações, bem como ajuda no desenvolvimento de estrutura hierarquias distintas para a  divulgação dos conteúdos, promovendo maior qualidade e efetividade aos sistemas gerenciais.

Palavras-Chave: Disseminação da informação. Conhecimento organizacional. Gestão da informação. Gestão do conhecimento. Arquitetura da informação. Sistemas de informação.  Ambiente organizacional.

Arquitetura da Informação em sites de Pró-Reitorias de Graduação: um enfoque nas Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná

RIBEIRO, Fabiano Ferrari; MONTEIRO, Silvana Drumond. Arquitetura da Informação em sites de Pró-Reitorias de Graduação: um enfoque nas Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 125-164, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13104/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: Um novo cenário vem se desenhando nas últimas décadas em decorrência do crescimento das Tecnologias da Informação e Comunicação, em especial da rede mundial de computadores, conhecida como Internet, por meio de seu serviço mais popular, a WWW, ou simplesmente Web. Milhões de informações são geradas a cada minuto, contribuindo para a rápida disseminação e comunicação em nível global sem restrições ou limites. É sob a égide da organização que foi criada a disciplina Arquitetura da Informação, cujo principal objetivo é trazer ordem ao caos informacional em ambientes digitais, ou seja, aqueles que são publicados no ciberespaço codificados por uma linguagem de programação conhecida como HTML (Hypertext Markup Language) e apresentados em sites na Web.
Objetivos: Investigar os elementos de Arquitetura da Informação na Web para o uso em sites de Pró-Reitorias de Graduação em Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná, inseridas em um contexto público, além de apresentar um exemplo de organização para tais ambientes com base na identificação de suas características e no estudo da literatura científica do tema.
Metodologia: Para a elaboração deste trabalho, realizou-se uma pesquisa documental prospectando, por meio de uma análise, o corpus composto de sites das Pró-Reitorias de Graduação das Universidades Públicas do Estado do Paraná.
Resultados: Na proposta para sites de Pró-Reitorias de Graduação das IEES do Paraná, uma das maiores preocupações foi para que o ambiente de interação possuísse elementos corretamente organizados de maneira concisa, primando pela facilidade na busca pela informação. Foi construída uma proposta para a concepção de sites para as Pró-Reitorias que tratam sobre o tema graduação, bem como objetivou reforçar todo o aporte teórico, oferecendo base para que seja possível a implementação de sistemas que prezem principalmente pela qualidade de uso.
Conclusões: Ainda há muitos desafios a serem vencidos pelos arquitetos da informação das Pró-Reitorias de Graduação. Certamente a inclusão de profissionais das disciplinas que mantêm correlação com a AI, como a CI, a Ciência da Computação e o Design Gráfico, trariam contribuições significativas para o aperfeiçoamento de seus sites.

Palavras-Chave: Arquitetura da Informação. World Wide Web. Ciência da Informação. Organização da Informação. Sites de Pró-Reitoria de Graduação.

Comunicação e conhecimento: interrelações que permeiam o ambiente organizacional

MACIEL, Ana Maria Teixeira; PIMENTEL,  Rosana Cristina Vilaça; MARCHORI, Marlene. Comunicação e conhecimento: interrelações que permeiam o ambiente organizacional. Rev. digit. bibliotecon. cienc. Inf, Campinas, v.11, n.2, p.98-122, maio/ago. 2013. Disponível em: < http://polaris.bc.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/588 >. Acesso em: 02 jun. 2013.

Resumo:
A construção de conhecimento é inerente aos processos organizacionais, sendo, portanto, natural nas organizações. Essa abordagem confere reconhecer a comunicação enquanto alicerce, ou seja, fundamento do desenvolvimento do conhecimento pelas pessoas por meio de seus processos de interação. Esse artigo analisa a influência da comunicação no processo de criação de conhecimento da Angelus Ciência e Tecnologia S.A., empresa de base tecnológica. A análise teve como ponto de partida o estudo de questões relacionadas à comunicação e sua relevância na espiral do conhecimento de Nonaka e Takeuchi. A metodologia proposta é de natureza qualitativa, de caráter descritivo e exploratório, tendo utilizado como técnica de pesquisa, entrevistas em profundidade. Este artigo revela a comunicação como elemento integrante da construção de conhecimento, a qual acontece não só pela troca de informações, mas pelas conversações que emanam das pessoas nos seus relacionamentos, trazendo experiências e vivências que desenvolvem os indivíduos, as organizações e consequentemente a sociedade.

Palavras-chave: Comunicação; Conhecimento; Gestão do conhecimento; Construção de conhecimento

A bibliometria e a gestão da informação e do conhecimento científico e tecnológico: uma revisão da literatura

GUEDES, Vania Lisboa da Silveira. A bibliometria e a gestão da informação e do conhecimento científico e tecnológico: uma revisão da literatura. Ponto de Acesso, Salvador, v. 6, n. 2, p. 74-109, ago. 2012. Disponível em: <http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/5695>. Acesso em: 31 maio 2013.

Resumo:
Este estudo aborda o campo da Bibliometria salientando sobretudo a aplicação das leis e princípios bibliométricos na gestão da informação e do conhecimento científico e tecnológico. O objetivo principal é apresentar uma breve revisão da literatura sobre Bibliometria, distinguindo a utilização dos indicadores bibliométricos como instrumentos matemáticos e estatísticos básicos de organização, gestão e difusão da informação e do conhecimento, como também elementos chave para o desenvolvimento de sistemas mais precisos, econômicos e cientificamente constituídos. Inicialmente, é traçado um pequeno histórico da Bibliometria. Dando sequência, diferentes Metrias como a Cientometria, a Informetria e a Webmetria são apresentadas, apontando a distinção conceitual entre esses domínios do conhecimento e seus campos de aplicação. A seguir, são citados autores que se destacaram no estudo e na enunciação das leis e princípios da Bibliometria, com especial ênfase às abordagens teóricas e descritivas às leis e princípios bibliométricos como ferramentas empíricas utilizadas na quantificação dos processos de comunicação científica. Finalmente, conclui-se evidenciando a importância da Bibliometria para a gestão dos sistemas de recuperação da informação, no âmbito dos sistemas de comunicação e de avaliação científica e tecnológica.

Palavras-chave: Bibliometria; Gestão da Informação; Gestão do Conhecimento; Sistemas de Recuperação da Informação; Informação Científica e Tecnológica.

Gestão da informação em bibliotecas universitárias: as práticas do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Goiás (Sibi/UFG)

FERREIRA, Luciana Alves; MAIA, Luiz Cláudio Gomes. Gestão da informação em bibliotecas universitárias: as práticas do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Goiás (Sibi/UFG). Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianopólis, v.18, n.36, p.181-202, jan./abr.. 2013. Disponível em: < http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2013v18n36p181 >. Acesso em: 27 maio 2013.

Resumo:
Esta pesquisa descritiva e exploratória objetivou verificar se as atuais práticas de gestão da informação do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Goiás (Sibi/UFG) atendem às necessidades de informação dos usuários da área de saúde, dos cursos de graduação e pós-graduação (Stricto sensu) em Biomedicina e Enfermagem. Para tanto, utilizou-se o modelo de gerenciamento da informação proposto por Choo e realizou-se um estudo de usuário em relação ao uso da Biblioteca Virtual em Saúde da BIREME. Concluiu-se que a gestão da informação no Sibi/UFG é relativamente capaz de atender às necessidades de informação dos usuários dos cursos de Biomedicina e Enfermagem.

Palavras-chave: Ciência da Informação; Biblioteconomia; Administração

Leis, Decretos e Normas sobre Gestão da Segurança da Informação nos órgãos da Administração Pública Federal

ARAÚJO, Wagner Junqueira de. Leis, Decretos e Normas sobre Gestão da Segurança da Informação nos órgãos da Administração Pública Federal. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.esp, p.13-24, . 2012. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/13675 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Este artigo faz uma revisão na legislação vigente que aborde temas relacionados com gestão da segurança da informação até Julho de 2012, aplicadas aos órgãos do Governo Federal. Além de uma reflexão dos possíveis impactos provocados pela Lei no. 12.527, promulgada em novembro de 2011, nas normas e decretos em vigor. O objetivo é que esta revisão venha contribuir para futuras pesquisas sobre o tema na área da Ciência da Informação. Foi verificado na redação dos documentos analisados que termos foram utilizados com definições diferentes. Especificamente na redação do Decreto no.4.553 e da Lei no.12.527, apesar de uma Lei se sobrepor a um Decreto, manter textos em documentos normativos oficiais com redações distintas pode gerar confusões ou abrir margens a diferentes interpretações. Também foram constatadas divergências nos prazos e procedimentos para classificação da informação.

Palavras-chave: Segurança da informação – Gestão. Classificação da informação. Administração pública federal. Lei no.12.527. Decreto no.4.553.

Fluxos de informação e linguagem em ambientes organizacionais

VALENTIM, Marta Lígia Pomim; TEIXEIRA, Thiciane Mary Carvalho. Fluxos de informação e linguagem em ambientes organizacionais. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.2, p.151-156, maio/ago. 2012. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/10651 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Os fluxos de informação são constituídos naturalmente ou induzidos formalmente nos ambientes organizacionais, bem como perpassam do nível estratégico ao nível operacional, refletindo e impactando nos processos que compõem a organização, inclusive o processo decisório e, por consequência as estratégias de ação. A gestão de ambientes organizacionais fundamentada em informação requer atenção em relação aos vários tipos de linguagens utilizados para a comunicação entre os setores e colaboradores da organização, cujo objetivo é compartilhar, disseminar e socializar as informações produzidas nesse ambiente.

Palavras-chave: Fluxos de Informação; Canais Formais e Informais; Fluxos Formais e Informais; Linguagem; Jargão Organizacional; Ambientes Organizacionais.

Estudo do usuário de informação: o contexto e as características do trabalho dos gestores acadêmicos

PRESSER, Nadi Helena; SILVA, Marcela Lino da. Estudo do usuário de informação: o contexto e as características do trabalho dos gestores acadêmicos. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.2, p.139-150, maio/ago. 2012. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/10562 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Apresenta um estudo teórico metodológico de investigação dos diferentes contextos de trabalho que formam o comportamento informacional dos gestores acadêmicos, na perspectiva de considerar a atividade informacional intrinsecamente relacionada às circunstâncias sociais do usuário, com destaque ao contexto da regulação da educação superior. O objeto empírico desta pesquisa estendeu sua ação no ambiente informacional dos gestores acadêmicos de um departamento universitário federal, descrito em três contextos de trabalho, do qual eles participam buscando, produzindo e usando informações. Embora o trabalho de um gestor se manifeste de forma diferenciada em cada situação e contexto, é caracterizado por interrupções e pela complexidade, variedade e descontinuidade das tarefas. Quanto ao papel basilar exercido pelas agências reguladoras, a pesquisa. constatou que os gestores assumem a responsabilidade pelos resultados, mas, paradoxalmente, exercem pouco controle sobre o processo.

Palavras-chave: Estudo do Usuário; Contexto do Trabalho; Gestor acadêmico; Gestão de Informações Acadêmicas

Disseminação da informação em empresas de capital aberto e os processos de mediação da informação

LOPES, Elaine Cristina; VALENTIM, Marta Lígia Pomim; ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Disseminação da informação em empresas de capital aberto e os processos de mediação da informação. Em Questão, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 79-92, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/18827/12490>.  Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo

Governança corporativa pode ser entendida como o conjunto de mecanismos de gestão, que através de controles internos e externos visam reduzir a distância entre acionistas minoritários e o poder de controle da empresa. Nesse contexto, a gestão da informação, a mediação da informação e a disseminação da informação se fazem necessárias, visto que o estabelecimento da boa comunicação, rápida e clara, a fim de estabelecer um clima de confiança na relação da empresa com a sociedade, credores, colaboradores e, especialmente, investidores é extremamente importante. No Brasil, o modelo criado pela Bolsa de Valores de São Paulo chamado de ‘Novo Mercado’, traz em seu escopo regras de conduta adicionais às exigidas pela legislação brasileira e possui como base a equidade no tratamento entre partes, a transparência na disseminação de informações e responsabilidade na prestação de contas. Este artigo apresenta algumas considerações acerca do modelo de gestão da informação, os padrões adicionais de disseminação de informações, bem como o processo de mediação da informação relacionado à governança corporativa nesse ambiente empresarial.

Palavras-chave: Disseminação da informação. Mediação da informação. Processos de mediação. Gestão da informação. Governança corporativa.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos