//
arquivos

Informação em arquivos

Esta tag está associada a 66 posts

Preservação digital: entre a memória e a história

RABELLO, Rodrigo; CASTRO, Virgínia Ferreira da Silva. Preservação digital: entre a memória e a história. Ciência da Informação, Brasília, v. 41, n. 1, p. 9-21, jan./abr. 2012. Disponível em: <http://revista.ibict.br/cienciadainformacao/index.php/ciinf/article/view/2119/1807>. Acesso em: 31 dez. 2015.

Resumo
A temática da preservação digital emerge da própria dominância do meio eletrônico e de sua transversalidade nas práticas cotidianas e em todas as dimensões da vida. Atualmente, e diferente das demais políticas de preservação da memória, a ênfase é colocada nas tecnologias de suporte e nas suas possiblidades de reprodução indiferenciada. Duas vertentes de preservação estão em debate, a que remete ao uso das tecnologias digitais para preservar e disseminar conteúdos originariamente contidos em suportes materiais, portanto tratados como documentos, e a segunda que se reporta
à profusa produção de informação digital elaborada em sistemas informatizados, em computadores pessoais ou dispositivos móveis, que será irrecuperável no futuro diante da própria obsolescência tecnológica dos meios em que a informação foi gerada. Nos dois enfoques, ressalta-se o papel das instituições públicas e privadas assegurando a preservação da memória em meios digitais, em um contexto de apropriação dispersa dos conteúdos localmente produzidos e de redefinição dos padrões, valores e ordenamentos socioculturais que no passado vinculavam memória e identidade. Observamos que os usos possíveis de informações depositadas em bases de dados de instituições de memória extrapolam as perspectivas de sua utilização restrita como documentos pertencentes ao passado, já que podem dar margem a novas interpretações e, por vezes, redirecionar processos no longo prazo.

Palavras-chave: Preservação digital. Memória. História. Tempo presente. Tecnologias digitais.

Preservação de documentos arquivísticos digitais

SANTOS, Vanderlei Batista dos. Preservação de documentos arquivísticos digitais. Ciência da Informação, Brasília, v. 41, n. 1, p.114-126, jan./abr. 2012. Disponível em: <http://revista.ibict.br/cienciadainformacao/index.php/ciinf/article/view/2110/1797>. Acesso em: 1 jan. 2016.

Resumo
A preservação digital é um dos grandes problemas que precisam ser enfrentados pelos profissionais da informação. Não há dúvida que muitos registros documentais importantes se perderam, e muitos ainda se perderão enquanto as instituições estiverem aprendendo a implementar políticas e práticas de preservação que contemplem a transição da documentação em papel para a documentação digital. Felizmente, na atualidade, diversos estudos nacionais e internacionais sobre gestão e preservação de documentos digitais têm divulgado suas conclusões, oferecendo orientações mais claras aos profissionais que, por força de suas atribuições, lidam com a necessidade de gerenciar e preservar adequadamente documentos digitais como registro das ações realizadas pelas instituições às quais estão vinculados. Esses documentos arquivísticos possuem “características” específicas que os profissionais devem proteger no mundo digital, quais sejam: fixidez, organicidade, naturalidade, unicidade, autenticidade e imparcialidade. Este artigo discute os aspectos a serem observados para que a preservação digital contemple essas características no sentido de garantir, além da acessibilidade, a confiabilidade dos documentos arquivísticos digitais pelo tempo que se fizer necessário.

Palavras-chave: Arquivologia. Arquivística. Documento arquivístico digital. Preservação digital.

O bibliotecário e o patrimônio documental: conscientização do usuário aos materiais informacionais

LOPES, Ângela Silva; PEREIRA, Jacqueline Silva; SANTOS, Lívia da Conceição Reis; CALDAS, Sara Nascimento de. O bibliotecário e o patrimônio documental: conscientização do usuário aos materiais informacionais. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, out. 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2014/1286 >. Acesso em 01 dez. 2014.

Resumo
O Arquivo Público Estadual tem trabalhado para disseminar entre os organismos públicos e a sociedade em geral a importância da preservação da memória do Maranhão. Um dos fatores que incidem diretamente na preservação dos fundos documentais é a forma como os documentos originais são manipulados pelos pesquisadores, influindo por sua vez, o número de usuários que visitam o arquivo. Objetiva-se então realizar uma conscientização do usuário ao manuseio e preservação das documentações raras, pois a falta tratamento de conservação para o acervo da biblioteca de apoio,assim como e feita para os códices, toda essa documentação será pedida. Esta pesquisa foi realizada através de levantamentos bibliográficos, documentais e observação. A leitura e a analise dos mesmos constatou-se esta necessidade.

Palavras-chave: Patrimônio Documental. Memória. Conscientização do usuário.

Documentos e Informações Audiovisuais: a teoria arquivística e as técnicas da Biblioteconomia aplicadas à organização de arquivos de TV

SANTOS, Francisco Edvander Pires. Documentos e Informações Audiovisuais: a teoria arquivística e as técnicas da Biblioteconomia aplicadas à organização de arquivos de TV. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 5, out. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/out13/Art_08.htm>. Acesso em: 28 dez. 2013.

Resumo
Discute os principais pontos da teoria arquivística com a finalidade de subsidiar um estudo voltado para a organização e gerenciamento de arquivos de TV. Apresenta as principais características da informação e dos documentos audiovisuais, abordando as técnicas da Biblioteconomia, voltadas para a representação descritiva e temática da informação, e o tratamento dado aos suportes e ao conteúdo informacional das imagens em movimento. Lista as principais mídias de arquivamento audiovisual, bem como debate a substituição do suporte físico pelo digital. Conceitua a decupagem de imagens, uma das atividades técnicas realizadas no tratamento da informação nos ambientes de arquivos de TV. Discorre acerca de métodos e critérios para a decupagem e indexação das imagens em movimento, com base nas teorias arquivísticas e biblioteconômicas e na prática do mercado de trabalho em arquivos de TV.

Palavras-chave: Arquivo; Televisão; Documento audiovisual; Imagem em movimento; Decupagem; Representação da informação,indexação.

Análise do domínio organizacional na perspectiva arquivística: um estudo baseado na metodologia proposta por Designing and Implementing Recordkeeping Systems, DIRKS

DIAS, Célia da Consolação; ALVARENGA, Lídia. Análise do domínio organizacional na perspectiva arquivística: um estudo baseado na metodologia proposta por Designing and Implementing Recordkeeping Systems, DIRKS. Ciência da Informação, Brasília, v. 40, n. 2, p. 180-191, maio/ago. 2011. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/1889/1410>. Acesso em: 13 abr. 2013.

Resumo
Tem-se como objeto de estudo formulários da Metodologia DIRKS, Designing and Implementing Recordkeeping Systems, visando-se ao delineamento de um domínio organizacional. Os pressupostos da pesquisa são os seguintes: o levantamento das entidades de um domínio organizacional antecede à sua estruturação; os elementos constantes do domínio organizacional são essenciais para nortear a construção de instrumentos necessários à gestão de documentos; obter os elementos do domínio organizacional pela abordagem proposta pela DIRKS propicia sua contextualização; a implementação da
DIRKS fornece as garantias necessárias para validar instrumentos de gestão de documentos. Este trabalho tem como objetivo mapear as entidades presentes nos formulários de coleta de dados da Metodologia DIRKS. Foram analisados oito (08) formulários, utilizados na implantação do projeto de Elaboração de Instrumentos de Gestão: planos de classificação, tabelas de temporalidades e destinação de documentos de arquivo para as atividades finalísticas do Poder Executivo do Estado de Minas Gerais. A metodologia do estudo é formada por 12 etapas que se estendem do processo da identificação de entidades constantes dos campos dos formulários ao seu mapeamento em um sistema categorial que partiu das categorias fundamentais de Ranganathan. Para diagramação do sistema categorial, foi usado o software Protégé. Obteve-se como resultado um sistema categorial que permitiu representar um domínio organizacional. Os resultados foram analisados e discutidos no contexto da gestão de documentos, ensejando reflexões sobre a análise e design de domínios organizacionais do ponto de vista arquivístico.

Palavras-chave: Análise de domínio. Gestão de documentos. ISO 15.489. Metodologia DIRKS. Modelagem de domínio organizacional. Domínio organizacional.

O processo de difusão desenvolvido pelos arquivos públicos estaduais da região Sul do Brasil

MENEZES, Priscila Lopes. O processo de difusão desenvolvido pelos arquivos públicos estaduais da região Sul do Brasil. Ponto de Acesso, Salvador, v. 6, n. 3, p. 47-71, dez. 2012. Disponível em: <http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/6164>. Acesso em: 31 maio 2013.

Resumo:
A difusão nos Arquivos Públicos Estaduais da Região Sul do Brasil (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná) é o tema pesquisado neste trabalho. O mesmo, procura salientar a relevância desta função arquivística que tem o intuito de promover o arquivo, deixando-o mais próximo dos usuários. A coleta de dados foi realizada através de um questionário e de uma maneira geral revela que felizmente esta atividade tem sido uma das preocupações dos profissionais da informação. Para atender aos consulentes com presteza e qualidade, proporcionando uma maior interatividade e autonomia é indispensável que as instituições conheçam quem são seus visitantes e os deixem atraídos pelos seus produtos e/ou serviços, lhes possibilitando momentos de bem-estar e a certeza de satisfação. O desejo é planejar atividades de difusão que se convertam em estratégias de promoção, popularização e motive a frequência maior de usuários reais, é neste sentido que são citadas no decorrer desta pesquisa as estratégias de marketing em conjunto com as atividades de difusão editorial, cultural e educativa.

Palavras-chave: Difusão; Marketing; Arquivo Público.

Práticas comunicacionais: difusão no Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul nos diferentes meios de comunicação online

PORTELLA, Viviane Portella de; PEREZ, Carlos Blaya. Práticas comunicacionais: difusão no Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul nos diferentes meios de comunicação online. Em Questão, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 197-212, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/22930>.  Acesso em: 18 maio 2013.

Resumo

O Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul tem por missão preservar a memória do Estado com ações voltadas à gestão documental e a cultura. Para isto é fundamental que a sociedade tenha ciência dos acervos custodiados e dos serviços prestados. Desta forma após pesquisa sobre formas de difusão optou-se pelo uso de ferramentas de comunicação online de uso gratuito, com foco em blog e Twitter. Assim foi elaborado um projeto de difusão, o qual contempla a metodologia de criação e administração das ferramentas de comunicação online. O uso destas ferramentas como estratégia de difusão do APERS representa a inserção da instituição em um novo espaço de comunicação, o qual possibilita a fidelização dos usuários e, também, funciona como um atrativo para novos públicos.

Palavras-chave: Arquivo Público. Difusão. Ferramentas de comunicação online. Blog. Twitter.

A Noção de documento digital: uma abordagem terminológica

SIQUEIRA, Jessica Câmara. A Noção de documento digital: uma abordagem terminológica. Em Questão, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 125-140, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/24172/19793>.  Acesso em: 18 maio 2013.

Resumo

A noção de documento, até início do século XX, esteve principalmente associada ao material em que eram fixados os registros de informação. Contudo, após esse período, ocorreu uma mudança de perspectiva no modo de se enxergar o documento, a Redocumentarização, que enfatizou a função do documento como elemento chave para a mediação cultural. Todavia, além desse viés sociocultural, surge nesse contexto de mudanças sociais e tecnológicas, a noção de documento digital. Tal conceito, apesar de sua difusão trouxe alguns equívocos terminológicos, como o fato de ser superestimado em detrimento ao “documento tradicional”, ou até considerado como sinônimo de documento hipertextual. Considerando tais equívocos e com o intuito de compreender a natureza do documento digital foi feita uma análise terminológica de sua definição. Para isso foram utilizados dois procedimentos metodológicos: primeiramente a revisão bibliográfica, com intuito de retomar o contexto de origem e surgimento do documento digital; e depois a pesquisa aplicada, utilizando-se as técnicas da análise terminológica, com uso de fichas terminográficas e mapas conceituais. Por fim, foi possível constatar, que apesar da natureza dinâmica e fluída do documento digital, ele é apenas uma modalidade da noção de documento, que no contexto digital não se fragiliza, ao contrário se ratifica.

Palavras-chave: Documento. Documento digital. Redocumentarização.Terminologia.

O conceito de documento na Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia

TANUS, Gabrielle Francinne de S. C.; RENAULT, Leonardo Vasconcelos; ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O conceito de documento na Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 158-174, jul./dez. 2012. Disponível em: <http://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/220>. Acesso em: 19 mar. 2013.

Resumo:
Neste trabalho parte-se do pressuposto de que o conceito de documento e a preocupação com ele não está circunscrito apenas ao campo da Documentação. Assim, o objetivo deste artigo é apresentar alguns entendimentos sobre o conceito de documento a partir da literatura científica de três distintas áreas do conhecimento: Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. A escolha destas três áreas ocorreu em razão de ter havido um crescimento destes cursos, implantados em diversas universidades, e também pelo fato de elas lidarem com o documento. Percebe-se que o documento está presente na literatura dessas áreas, salvaguardadas as distinções conceituais e procedimentais.

Palavras-chave: Documento; Arquivologia; Biblioteconomia; Museologia

O Prontuário Eletrônico de Paciente (PEP) como memória, patrimônio documental e cultural

CRUZ, Jorge Alberto Soares; FLORES, Daniel; GARCIA, Olga Maria Correa. O Prontuário Eletrônico de Paciente (PEP) como memória, patrimônio documental e cultural. Em Questão, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 17-26, jul./dez. 2011. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/21490/14307>.  Acesso em: 12 fev. 2013.

Resumo

Este estudo tem como objetivo fornecer subsídios que contribuam para o estudo dos arquivos médicos e do prontuário de pacientes. Para tanto, aborda-se o tema Prontuário Eletrônico de Pacientes (PEP) como memória e patrimônio documental e cultural, e a preservação de documentos eletrônicos. A justificativa para esta proposta volta-se à importância do avanço da tecnologia na produção de documentos e à troca de informações em meio digital. Metodologicamente, realizou-se um levantamento bibliográfico, para maior familiaridade com o tema proposto: preservação de documentos, memória, patrimônio documental e cultura. Em um primeiro momento, discorre-se sobre o uso da tecnologia e a vulnerabilidade dos documentos digitais. Após, conceitua-se o Prontuário Eletrônico de Pacientes (PEP), procurando defendê-lo como patrimônio documental e cultural.

Palavras-chave: Arquivologia. Prontuário Eletrônico de Paciente (PEP). Memória. Patrimônio documental. Patrimônio cultural.

A organização do conhecimento arquivístico: perspectivas de renovação a partir das abordagens científicas canadenses

TOGNOLI, Natália Bolfarini; GUIMARÃES, José Augusto Chaves. A organização do conhecimento arquivístico: perspectivas de renovação a partir das abordagens científicas canadenses. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 21-44, jan./mar. 2011. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/1084/832>. Acesso em: 30 jan. 2013.

Resumo
Desde o final do século XX, as novas formas de produção documental e as novas tecnologias de informação apresentadas à Arquivística têm levado os profissionais da informação a repensar os conceitos e princípios arquivísticos postulados nos antigos manuais da área. Nesse contexto, destaca-se a produção arquivística canadense, que transformou o país em solo fértil para as discussões que circundam a disciplina na contemporaneidade, representando muito bem as necessidades colocadas pelos novos meios de produção documental aos arquivistas na sociedade da informação, redescobrindo princípios e (re) definindo conceitos, métodos e critérios para a criação, manutenção e uso de documentos em meio tradicional e eletrônico. Foi  notadamente na década de 1980, que um novo paradigma se enunciou na área e, a partir dele, três correntes emergiram: a Arquivística Integrada – enunciada pela Escola de Québec – que propõe a reintegração da disciplina por meio do ciclo vital dos documentos e uma possível aproximação com a Ciência da Informação, graças à incorporação do termo informação orgânica registrada, como substituição ao termo documento de arquivo; a Arquivística Funcional ou Pós-Moderna, enunciada por Terry Cook – que propõe uma renovação e reformulação dos princípios e conceitos originais da disciplina, adotando a corrente Pós-moderna como pano de fundo; e a Diplomática Arquivística, enunciada primeiramente na Itália por Paola Carucci, mas
desenvolvida e reformulada na América do Norte por Luciana Duranti, que busca, por meio do estudo da Diplomática, estabelecer critérios para a crítica textual dos documentos contemporâneos, garantindo ao método diplomático um posto fundamental na Arquivística contemporânea. A vista de tais aspectos, analisa-se, comparativamente, o universo epistemológico dessas três abordagens arquivísticas canadenses, enquanto perspectivas emergentes para a construção de uma disciplina contemporânea, capaz de dar conta dos novos processos de produção, organização e uso da informação orgânica registrada.

Palavras-Chave: Organização do conhecimento arquivístico; Arquivística integrada; Arquivística funcional;  Diplomática contemporânea.

A representação temática em documentos arquivísticos: o caso da indexação documental realizada pelos alunos de Arquivologia da UFPB

SILVA, Márcio Bezerra da; SOUSA, Dulce Elizabeth Lima de; BANDEIRA, Pablo Matias. A representação temática em documentos arquivísticos: o caso da indexação documental realizada pelos alunos de Arquivologia da UFPB. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.124-141, jul./dez. 2012. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/109 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
A representação temática da informação apresenta instrumentos que almejam a facilitação no processo de sua recuperação e dentre estes destacamos a Indexação, ação proveniente da Biblioteconomia e que ainda encontra-se em processo de desenvolvimento técnico-prático na Arquivologia. Assim, este trabalho, fazendo uso da pesquisa bibliográfica, embasada em periódicos científicos, repositórios digitais e bibliografia especializada, busca apresentar, como estudo de caso, uma atividade de Indexação em documentos correntes arquivísticos, aplicada a turma de Representação Temática da Informação Arquivística II, do curso de Arquivologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Almeja também diferenciar documentos de Arquivos dos documentos de Bibliotecas e comparar os termos selecionados pelos alunos como indexadores com os procedimentos de indexação presentes na oitava área da Norma Brasileira de Descrição Arquivística (NOBRADE). Apresenta como resultante deste trabalho uma Política de Indexação e um Índice, ao qual, este último, posteriormente foi comparado aos termos presentes na NOBRADE, especialmente a oitava área. Acredita-se na criação de padrões aos Arquivos, levando-se em consideração a realidade e as necessidades da Instituição e dos seus usuários.

Palavras-chave: Arquivo. Representação Temática da Informação. Indexação. Norma Brasileira de Descrição Arquivística. NOBRADE.

Análise histórica sobre o desenvolvimento da Arquivologia na antiga União Soviética (1918-1985)

SANTOS JUNIOR, Roberto Lopes dos. Análise histórica sobre o desenvolvimento da Arquivologia na antiga União Soviética (1918-1985). InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.64-83, jul./dez. 2012. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/121 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Estudo histórico identificando a evolução da Arquivologia na antiga União Soviética entre a revolução bolchevique de 1917 até meados dos anos 1980. Inicialmente, a pesquisa analisará o desenvolvimento e constituição da Arquivologia russa, da idade média até os últimos anos do czarismo no país. Posteriormente, será discutida a consolidação da Arquivística russa nas primeiras décadas da URSS, passando pelas primeiras legislações, congressos e cursos instituídos no país, além de um longo período de fechamento e repressão promovido pelo líder Josef Stalin entre os anos 1930 e 1940. Por fim será estudado o período de parcial reestruturação da Arquivologia no país entre as décadas de 1950 e 1980, analisando as iniciativas do governo comunista em tentar reorganizar e institucionalizar as práticas arquivísticas e os acervos documentais existentes na União Soviética, além da identificação de alguns problemas e impasses em que a Arquivologia soviética sofria nesse período.

Palavras-chave: Arquivologia na União Soviética. Arquivos soviéticos. Profissionais e institutos de pesquisa em arquivo na URSS.

Preservação digital: a gestão e a preservação do conhecimento explícito digital em instituições arquivísticas

INNARELLI, Humberto Celeste. Preservação digital: a gestão e a preservação do conhecimento explícito digital em instituições arquivísticas. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.48-63, jul./dez. 2012. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/129 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Tendo como pano de fundo a gestão e preservação do conhecimento explícito digital nas instituições no âmbito da gestão do conhecimento e da arquivologia, este artigo pretende estabelecer um vínculo entre a gestão arquivística de documentos digitais e a gestão e preservação do conhecimento explícito na era digital. Para esta abordagem, considera-se a problematização do assunto, o conhecimento explícito registrado em documentos arquivísticos, a gestão arquivística como forma de gestão do conhecimento explícito, as ferramentas tecnológicas e a preservação do conhecimento explícito, tendo em vista a vantagem competitiva, a inovação e a preservação do conhecimento explícito para a manutenção da cultura institucional e social. O estudo das relações dos diversos pontos apresentados estabeleceu uma conexão entre o olhar arquivístico e os documentos arquivísticos digitais como fontes primárias do conhecimento.

Palavras-chave: Preservação digital. Gestão do conhecimento. Gestão arquivística de documentos. Conhecimento explícito.

Internet e Arquivologia: instituições arquivísticas, usuários e lei de acesso à informação

MARIZ, Anna Carla Almeida. Internet e Arquivologia: instituições arquivísticas, usuários e lei de acesso à informação. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.28-47, jul./dez. 2012. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/171 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Breve abordagem sobre aspectos teóricos e técnicos que caracterizam os processos de transferência da informação difundida pelas instituições arquivísticas públicas brasileiras na internet. Para tal, foram empreendidas pesquisas empíricas com o objetivo de verificar as relações da internet com os arquivos públicos, com seus usuários e com a Lei de Acesso à Informação. Foram utilizadas consultas aos sites de instituições arquivísticas públicas brasileiras na internet e entrevistas com usuários de arquivos públicos. A transformação que a internet impõe à transferência da informação arquivística permite uma maior possibilidade de acesso pelos usuários, bem como uma maior visibilidade institucional e social da instituição arquivística. Porém, implica também em novos desafios na gestão da informação arquivística. Assim, a internet pode vir a reposicionar a instituição arquivística como espaço público de acesso e legitimação, mesmo com seus problemas e limites. A disponibilização dos acervos arquivísticos na rede redefine os horizontes de acesso à informação, amplia as possibilidades de transferência da informação arquivística, e consequentemente os direitos civis e políticos do cidadão.

Palavras-chave: Arquivologia. Internet (Redes de computação). Arquivos públicos – Brasil.

A ciência arquivística e o pós-modernismo: novas formulações para conceitos antigos

COOK, Terry. A ciência arquivística e o pós-modernismo: novas formulações para conceitos antigos. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.3-27, jul./dez. 2012. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/181 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Processo em vez de produto, tornando-se em vez de ser, dinâmico em vez de estático, contexto em vez de texto, refletindo tempo e lugar em vez de absolutos universais—estas têm se tornado as palavras de ordem pós-moderna para analisar e compreender ciência, sociedade, organizações e atividade empresarial, entre outros. Estas devem igualmente ser as palavras de ordem para a ciência arquivística no novo século, e, assim, as bases para um novo paradigma conceitual para a profissão. O pós-modernismo não é a única razão para reformular os principais preceitos da ciência arquivística. Mudanças significativas no propósito dos arquivos como as instituições e a natureza dos documentos, são outros fatores que, combinados com insights pós-modernos, formam a base da nova percepção de arquivos como documentos, instituições e profissão na sociedade. Este ensaio explora a natureza do pós-modernismo e da ciência arquivística, e sugere ligações entre os dois. Também descreve duas grandes mudanças no pensamento arquivístico, que servem de base para a mudança de paradigma arquivístico, antes de sugerir novas formulações para conceitos arquivísticos mais tradicionais.

Palavras-chave: Ciência arquivística. Governança. Pós-modernismo. Memória Social.

Informação e documento: expressão material do patrimônio

GRIGOLETO, Maira Cristina. Informação e documento: expressão material do patrimônio. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.3, n.1, p.57-69, jan./jun. 2012. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/51 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
A constituição do patrimônio como prática institucional tem chamado a atenção de estudiosos desde o século XVIII e ainda é um campo bastante polêmico, pois muitas questões em torno das ações preservacionistas foram discutidas levando em conta mais os critérios normativos destas práticas do que a compreensão dos mecanismos metodológicos e burocráticos necessários para sua existência. Assim, propomos nesse trabalho enfatizar a importância do universo da produção documental no âmbito institucional da patrimonialização objetivando mostrar o valor que é atribuído à documentação que garante o tombamento como uma expressão material.

Palavras-chave: Informação. Documento. Patrimônio.

Os Arquivos Escolares e sua Documentação: possibilidades e limites para a pesquisa em História da Educação

FURTADO, Alessandra Cristina. Os Arquivos Escolares e sua Documentação: possibilidades e limites para a pesquisa em História da Educação. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v.2, n.2, p.145-159, jul./dez. 2011. Disponível em: < http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/82 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
O presente artigo tem como propósito discutir como os arquivos escolares podem constituir-se em locais importantes para a pesquisa em História da Educação. Trata-se de uma discussão baseada numa experiência de pesquisa empreendida acerca do arquivo do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, de Ribeirão Preto, no período compreendido entre 1918 e 1961. O recorte temporal corresponde a momentos significativos da história do Colégio, da História da Educação e da Política Educacional Brasileira. A discussão acerca do arquivo desse Colégio está aliada a um referencial teórico voltado para a História, História da Educação e Arquivologia, entre outros. As instituições escolares apresentam-se como espaços portadores de fontes de informações fundamentais para a formulação de pesquisas, interpretações e análises sobre elas próprias, as quais permitem a compreensão do processo de ensino, da cultura escolar e, consequentemente, da História da Educação. Na pesquisa empreendida sobre o Arquivo do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, foi possível localizar uma documentação importante para o estudo da história dessa instituição e de sua cultura escolar, bem como mostrar as possibilidades e os limites do uso desses documentos para a pesquisa em História da Educação. Apesar disto, esse arquivo em especial, como o de outras escolas, pode fornecer elementos significativos para a reflexão sobre o passado da instituição, das pessoas que a frequentaram, das práticas que nela circularam e, mesmo, sobre as relações que estabeleceu com o seu entorno.

Palavras-chave: Arquivo Escolar; Documentos; Pesquisa; História da Educação.

Estudo de usuários como recurso para a difusão de um arquivo:o caso da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre

CÊ, Graziella; PEDRAZZI, Fernanda. Estudo de usuários como recurso para a difusão de um arquivo:o caso da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Biblos: Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 25, n. 2, p. 75-90, jul./dez. 2011. Disponível em: <http://www.seer.furg.br/biblos/article/view/2277/1501 >. Acesso em: 30 dez 2012.

Resumo
O artigo é baseado na Monografia de pós-graduação defendida em 2010, no Curso de Gestão em Arquivos da UFSM, cujo título é “Estudo de usuários: recurso para a difusão do arquivo da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre”. O objetivo desse artigo é demonstrar o perfil e as necessidades dos usuários do mencionado arquivo a partir da pesquisa realizada, possibilitando, planejar ações de difusão de modo a disponibilizar as informações arquivísticas de forma eficiente e eficaz, buscando melhorar a qualidade do atendimento e a satisfação dos usuários. Para obter os dados foi aplicado um questionário, composto de 17 questões, entre os usuários selecionados que frequentaram o Arquivo no período de 2008 a 2010. O Arquivo é predominantemente administrativo, já que é utilizado, em sua grande maioria, pelos usuários internos técnico-administrativos.

Palavras-chave: Marketing. Difusão. Estudo de usuários.

Conviver o momento da transição: Universidade Federal de Santa Catarina – sem papel

BAHIA, Eliana Maria dos Santos; Blattmann, Ursula. Conviver o momento da transição: Universidade Federal de Santa Catarina – sem papel. Biblos: Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 25, n. 2, p. 57-74, jul./dez. 2011. Disponível em: <http://www.seer.furg.br/biblos/article/view/2683/1503&gt;. Acesso em: 30 dez 2012.

Resumo
O estudo discute o projeto “UFSC sem papel” desenvolvido pela Superintendência de Governança Eletrônica e Tecnologia e da Informação e Comunicação. O objetivo da implantação do respectivo projeto aponta a mudança de suporte físico para o digital do sistema digital de gestão integrada, implantado na Universidade Federal de Santa Catarina em 18 de outubro de 2010. Pesquisa exploratória, descritiva e documental. Entre os resultados destacam-se 29.412 processos efetuados em 2011 e 758 pessoas capacitadas. As conclusões indicam a necessidade de estudar aspectos da preservação documental, técnicas e instrumentos gestão, aplicar o planejamento e ações nos procedimentos administrativos (tarefas e atividades) e inserir a presença de atuação profissional do arquivista. A preservação documental visa garantir o acesso e a autenticidade, agilidade, fidedignidade dos documentos e a capacidade de interoperabilidade dos sistemas para atender a comunidade universitária.

Palavras-chave: Universidade Federal de Santa Catarina – sem papel. Preservação digital. Políticas de preservação. Gestão de documentos.

Arquivo universitário: implantação de políticas de gestão de documentos no gabinete do vice-reitor UFSM

CISCATO, Maria Flores; CARGNELUTTI, Laís Siqueira; GARCIA, Olga Maria Corrêa; CARPES, Franciele Simon. Arquivo universitário: implantação de políticas de gestão de documentos no gabinete do vice-reitor UFSM. Biblos: Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 25, n. 2, p. 9-30, jul./dez. 2011. Disponível em: <http://www.seer.furg.br/biblos/article/view/2253/1496&gt;. Acesso em: 30 dez. 2012.

Resumo

Este trabalho é resultado da pesquisa realizada no Gabinete do ViceReitor da Universidade Federal de Santa Maria – RS. Tem como finalidade apresentar as atividades de implantação de políticas de gestão documental, a fim de dar continuidade à implementação e estabelecimento de políticas adotadas pelo Departamento de Arquivo Geral. Assim, evidencia-se a importância de seguir as políticas do Sistema de Arquivos da Universidade Federal de Santa Maria (SIARQ), e também de incluir as acadêmicas responsáveis pelo projeto nas práticas teórico-científicas, a fim de aliar a teoria adquirida no decorrer do curso de Arquivologia com a prática de uma realidade institucional. Dessa maneira Para alcançar este objetivo, primeiramente foi realizado um diagnóstico do acervo documental para subsidiar a proposta de ações arquivísticas. Esta proposta, elaborada com base na revisão de literatura realizada, foi aprovada. Entre junho e novembro de 2011 esta proposta foi implementada. Neste sentido, este trabalho descreve a implementação desta política de gestão documental, ressaltando a sua relevância dentro de uma instituição, contribuindo para a eficiência na agilidade e no acesso à informação.

Palavras-chave: Arquivo universitário. Política de gestão documental. Sistema de arquivos. UFSM.

“Linked data” – dados interligados – e interoperabilidade entre arquivos, bibliotecas e museus na web

MARCONDES, Carlos Henrique. “Linked data” – dados interligados – e interoperabilidade entre arquivos, bibliotecas e museus na web. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, v.17, n.34, p.171-192, maio./ago. 2012. Disponível em: < http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v17n34p171 >. Acesso em: 29 dez. 2012.

Resumo
Catálogos Web em sistemas de arquivos, bibliotecas e museus são hoje recursos informacionais fechados, usando tecnologias, padrões e interfaces de próprios, não permitindo navegar de outros recursos para dentro dos catálogos e vice-versa. Tecnologias “Linked Data” – dados interligados -, parte da proposta da Web Semântica, oferecem a possibilidade de interligar recursos informacionais Web através de “links” semânticos, permitindo aos usuários uma navegação natural e intuitiva, seguindo este “links”, por estes recursos, independentemente de interfaces de consulta específicas. O objetivo deste artigo é identificar e discutir as potencialidades oferecidas pelas tecnologias da Web Semântica, em especial, “Linked Open Data”, para que arquivos, bibliotecas e museus disponibilizem e tornem interoperáveis seus acervos na Web. Será utilizada metodologia de caráter qualitativo, do tipo “levantamento do estado da arte”, tendo como método a pesquisa bibliográfica, a visita a “sites” de interesse e a análise do material levantado.

Palavras-chave: Web Semântica. Dados interligados. Linked Open Data. Interoperabilidade. Padrões. Catálogos Web. Arquivos. Bibliotecas. Museus.

Metodologia para implantação de programas de preservação de documentos digitais a longo prazo

ALMEIDA, Maurício Barcellos; CENDÓN, Beatriz Valadares; SOUZA, Renato Rocha. Metodologia para implantação de programas de preservação de documentos digitais a longo prazo. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, v.17, n.34, p.103-130, maio./ago. 2012. Disponível em: < http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v17n34p103 >. Acesso em: 29 dez. 2012.

Resumo
Um documento em papel se mantém por dezenas de anos mesmo sem cuidados especiais. Documentos criados por computador não possuem tal longevidade e evidências documentais essenciais para o funcionamento das instituições – legais, culturais ou históricas – registrados em mídias digitais, podem desaparecer. A questão da preservação digital se apresenta como um problema real a ser solucionado pelas instituições, principalmente aquelas que têm por obrigação legal a manutenção de documentos em longo prazo, seja para atendimento a demandas do cidadão, seja para preservação da história institucional. O presente artigo se insere nesse contexto como uma iniciativa para orientar sobre a preservação digital em instituições públicas. Apresenta-se metodologia para criação de programas de preservação de documentos de arquivos em formato digital em longo prazo, bem como um exemplo de sua aplicação no âmbito do programa de estadual. Espera-se contribuir para o sucesso de iniciativas de preservação digital com a divulgação de princípios e fundamentos básicos.

Palavras-chave: Preservação digital. Arquivística. Documentos digitais

Uma visão arquivística sobre o registro de projetos da Universidade Federal de Santa Maria

VIANA, Gilberto Fladimar Rodrigues; FLORES, Daniel. Uma visão arquivística sobre o registro de projetos da Universidade Federal de Santa Maria. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, v.17, n.34, p.86-102, maio./ago. 2012. Disponível em: < http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2012v17n34p86 >. Acesso em: 29 dez. 2012.

Resumo
Este trabalho propõe-se a apresentar uma análise e discussão das informações arquivísticas, obtidas através do Sistema de Informações para o Ensino – SIE, da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM, no âmbito do Centro de Processamento de Dados- CPD e da Pró-Reitoria de Planejamento – PROPLAN, sobre o módulo de registro e alterações de projetos, assim como a partir de entrevistas realizadas com os responsáveis pelo referido sistema. Com base nessas entrevistas e nas demais observações sobre o funcionamento do SIE, foram levantadas algumas situações críticas encontradas e analisadas no que se refere à autenticidade e à fidedignidade das informações arquivísticas.

Palavras-chave: Autenticidade. Fidedignidade. Registro de produção acadêmica. Patrimônio documental. Informações Arquivísticas.

Sobre arquivos e trincheiras: a batalha implícita do sujeito-arquivista em Brazil, o filme

SILVA, Jonathan Raphael Bertassi da; ROMÃO, Lucília Maria Sousa. Sobre arquivos e trincheiras: a batalha implícita do sujeito-arquivista em Brazil, o filme. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 13., n. 6, dez. 2012. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/dez12/Art_01.htm>. Acesso em: 16 out. 2012.

Resumo
Esta pesquisa pretende rastrear os sentidos inscritos na formação discursiva do/sobre o sujeito-arquivista conforme inscrita no filme Brazil (1985), de Terry Gilliam. Nosso ponto de partida são as preocupações enunciadas pelo teórico canadense Terry Cook, cujo trabalho reflete a necessidade do profissional da Arquivística romper com a apatia perpetuada nas bases clássicas da área, sobretudo as do britânico Hillary Jenkinson, levando em conta teóricos que considerem outros sentidos possíveis no arquivo e no exercício da profissão. Para levar esse debate à tona, mobilizamos os postulados da Análise do Discurso de matriz francesa, para analisar um corpus de recortes com processos verbais e não-verbais nos quais o arquivista e o arquivo cruzam com o interdiscurso bélico em Brazil. Notamos como a formação discursiva do sujeito-arquivista é atravessada pelo inconsciente e pela ideologia, distanciando-se da concepção positivista do arquivo como espaço neutro de transmissão do conhecimento.

Palavras-chave: Arquivo; Ideologia; Discurso; Cinema; Imaginário.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos