//
arquivos

Internet/Web

Esta tag está associada a 137 posts

A Instantaneidade da Informação

ARAÚJO, Wagner Junqueira de; PINHO, Júlio Afonso Sá de; CÓRDULA, Flavio Ribeiro. A Instantaneidade da Informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 16, n. 5, out. 2015. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago15/Art_01.htm>. Acesso em: 18 out. 2015.

Resumo
Este artigo reflete como as tecnologias da informação e comunicações influenciam na forma e na velocidade da disseminação de informação para a sociedade. O advento da Internet é o grande responsável por muitas das mudanças no que tange à comunicação e ao fluxo de informação que passou a integrá-la diária, instantânea e quase incessantemente. Discorre sobre o volume e a velocidade da produção de informação e questiona a qualidade desta. A evolução das tecnologias da informação permite abordagens que podem considerá-las ora vantajosas, ora desvantajosas. Não obstante, apesar das infinitas possibilidades que a Internet e os demais meios de comunicação oferecem aos seus usuários e a suposta democratização e liberdade no uso da informação dela advinda, este artigo aborda temas que discorrem sobre a existência ou não de uma sociedade mais informada e inteligente. Por fim, verifica-se que o acesso à informação existe, contudo a qualidade deste e principalmente da informação acessada é que são fatores reais que norteiam a evolução da sociedade.

Palavras-chave: Instantaneidade da Informação; Internet; Tecnologia da Informação; Disseminação da Informação.

Anúncios

Linguagem Natural no Twitter e Linguagem Documentária em Tesauros: da hashtag #NãoMereçoSerEstuprada ao descritor estupro

SOUSA, Brisa Pozzi de; SILVA, Flávio Pacheco da. Linguagem Natural no Twitter e Linguagem Documentária em Tesauros: da hashtag #NãoMereçoSerEstuprada ao descritor estupro. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 6, n. 2, p. 20-43, set. 2015/fev. 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v6i2p20-43>. Acesso em: 08 out. 2015.

Resumo:
Aponta a linguagem natural no Twitter a partir da hashtag #NãoMereçoSerEstuprada e realiza comparação entre a linguagem documentária de dois tesauros pelo descritor estupro, sendo o Thesaurus Brasileiro da Educação (Brased) e o Tesauro Jurídico do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A pesquisa é descritiva e bibliográfica, de cunho qualitativo, embasada na investigação teórica. Discorre sobre vantagens e desvantagens no uso dessas linguagens e demonstra que na natural qualquer palavra, ou até mesmo conjunto de palavras podem ser utilizadas como hashtag para representar qualquer assunto. No entanto, observa-se que o controle do vocabulário é um elemento essencial para a representação de assuntos, pois é uma linguagem artificial produzida com o objetivo de sistematizar o vocabulário controlando, como por exemplo, a polissemia. Os resultados demonstram que a linguagem natural no Twitter não padroniza a representação do assunto sendo considerada fator dispersivo, ao contrário das linguagens documentárias que apresentam vocabulário caracterizado pela precisão dos descritores.

Palavras-chave: Linguagem natural Linguagem documentária Twitter Representação temática da informação Estupro Tesauro Brased Tesauro STJ.

Unidades de informação no século XXI: um enfoque das funções desempenhadas por web sites de bibliotecas

PAIVA, Rodrigo Oliveira de. Unidades de informação no século XXI: um enfoque das funções desempenhadas por web sites de bibliotecas. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1986/1302 >. Acesso em: 19 fev. 2015.

Resumo
Trata web sites de bibliotecas como importantes instrumentos de acesso a informação. O presente trabalho tem como objetivo mostrar como a internet e as tecnologias da informação e comunicação (TIC’s) têm se tornado relevantes mecanismos para a disseminação do conhecimento e como o desenvolvimento de sites de bibliotecas contribuiu positivamente para tal ação, por meio de funções desempenhadas por eles com o intuito de dar efetividade ao direito de acesso à informação tal como inserido no ordenamento jurídico nacional. Esses sites são utilizados para exemplificar como importantes instituições podem atuar para possibilitar o livre acesso aos conteúdos que produzem, uma vez que as informações devem ser disseminadas não só para um grupo pequeno de usuários. O percurso metodológico adotado foi realizado através de uma pesquisa exploratória de caráter bibliográfico fundamentada em ideias de autores como, Amaral e Guimarães (2002) e Dziekaniak et al (2006) sem dispensar as opiniões de outros pensadores sobre o assunto abordado no trabalho. Finaliza mostrando a relevância que a inserção de unidades de informação na web proporcionou para o próprio marketing desta, haja vista que se necessita disso para evoluir, e como a informação evolui estas organizações seguem os mesmos caminhos auxiliados pelas ferramentas das TIC’s.

Palavras-chave: Web sites. Funções desempenhadas. Século XXI.

Comportamento informacional na Web 2.0: caracterização dos estudantes de Biblioteconomia da UFRN

CARVALHO, Andréa Vasconcelos; PEREIRA, Edinete do Nascimento; CÂMARA, Rafael Silva da; ANDRADE, Rayssa Lara Oliveira de. Comportamento informacional na Web 2.0: caracterização dos estudantes de Biblioteconomia da UFRN. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2095/1297&gt;. Acesso em: 19 fev. 2015.

Resumo
Analisa o comportamento informacional dos estudantes do curso de graduação em Biblioteconomia da UFRN em relação aos recursos da Web 2.0 por serem usuários reais ou potenciais e pela especificidade de estarem se formando para atuar como profissionais da informação, o que implica na necessidade de lidar com esses fenômenos com uma perspectiva profissional. Objetiva conhecer a familiaridade dos alunos de graduação em Biblioteconomia com a Web 2.0; identificar os recursos de informação da Web 2.0 mais utilizados; os usos que
os estudantes de Biblioteconomia fazem dos recursos e as expectativas dos estudantes em relação ao seu uso como ferramenta de trabalho. Esta análise é relevante porque esta nova fase da Web representa um conjunto de novas possibilidades e de novos comportamentos e valores relacionados ao acesso, uso, compartilhamento e produção de informação. Como procedimento metodológico de coleta de dados foi aplicado um questionário a noventa e nove alunos dos quatro períodos vigentes no semestre letivo. Com os resultados obtidos, espera-se que a pesquisa contribua para compreender como parte dos estudantes de graduação da UFRN se comportam em relação à Web 2.0, o que oferece subsídios importantes para ações educativas baseadas nestes recursos, bem como na interação professor aluno, aluno-aluno, favorecendo o processo ensino aprendizagem.

Palavras-chave: Web 2.0. Comportamento informacional. Estudantes de Biblioteconomia.

As dobras semióticas do ciberespaço: da web visível à invisível

MONTEIRO, Silvana Drumond; FIDENCIO, Marcos Vinicius. As dobras semióticas do ciberespaço: da web visível à invisível. Transinformação, Campinas, v. 25, n. 1, p. 35-46, jan./abr., 2013. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1786/1702>. Acesso em: 30 dez. 2014.

Resumo
Após a instituição do ciberespaço, na década de 1990, a Web tornou-se o seu principal constructo e vem dobrando e desdobrando- se em vários sentidos: Web Invisível, Web Visível, Web Semântica, Web Pragmática, Web Social ou 2.0, entre outras. Em relação à Web Invisível, de acordo com os autores que escrevem sobre o tema, existe a inquietante questão: que nome dar a esse (des)território? Web Invisível, Profunda, Oculta, Escura? A partir da compreensão do conceito de dobra, criado por Leibniz e ressignificado por Deleuze, que explica os agenciamentos maquínicos e a visão pragmática dos aspectos técnicos e materiais das semióticas, fez-se uma prospecção conceitual da Web Invisível e de alguns mecanismos de busca que fazem a dobra com essa Web no ciberespaço. Para além da literatura, descobriu-se uma Web verdadeiramente escura, a DarkWeb, paralela e underground utilizada para o bem e para o mal, como previsível da espécie humana.

Palavras-chave: Ciberespaço. Dobra semiótica. Web invisível. Web visível.

Considerações sobre a esfera pública: redes sociais na internet e participação política

MEDEIROS, Jackson da Silva. Considerações sobre a esfera pública: redes sociais na internet e participação política. Transinformação, Campinas, v. 25, n. 1, p. 27-33, jan./abr., 2013. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1785/1701>. Acesso em: 30 dez. 2014.

Resumo
Este trabalho aborda a questão da esfera pública proposta por Habermas a partir das redes sociais na Internet e o processo de participação política proporcionado por essa forma de comunicação e informação. Faz um traçado sobre a questão, que envolve a esfera pública e opinião pública, tratando as redes sociais na Internet como um espaço de intercâmbio entre atores. Por fim, busca mostrar que as redes sociais na Internet atuam como potencializadoras de uma participação política mais efetiva, e que isso deve ser explorado de forma mais ativa.

 
Palavras-chave: Esfera pública. Informação na web. Participação política. Redes sociais na internet.

Um olhar para a arquitetura da informação no ciberespaço

PAIVA, Rodrigo de Oliveira. Um olhar para a arquitetura da informação no ciberespaço. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 5, out. 2014. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/out14/Art_05.htm>. Acesso em: 29 dez. 2014.

Resumo
Realiza uma abordagem conceitual do termo Arquitetura da Informação (A.I.) sob uma perspectiva interdisciplinar. O trabalho apresenta como objetivo esclarecer a temática em analise a fim de evidenciar quais as principais definições, características e funções atribuídas a este assunto inserido em ciências paralelas, tais como, a Ciência da Informação, a Ciência da Computação, a Educação, entre outras. O percurso metodológico adotado foi realizado através de uma pesquisa exploratória de caráter bibliográfico fundamentada em ideias de autores como, Rosenfeld e Morville (1998), Wurman (1991) e Lévy (1993), (1996) sem dispensar as contribuições teóricas de outros pensadores sobre o assunto abordado no trabalho. Finaliza percebendo que há muito a se entender sobre a prática da Arquitetura da Informação, desta forma esse estudo se propõe a iniciar um breve levantamento conceitual criando relações com assuntos correlatos, tais como, o ciberespaço, visto como o ambiente prático para o desenvolvimento das técnicas empregadas pela Arquitetura da Informação.

Palavras-chave: Arquitetura da Informação; Ciberespaço; Informação Digital; Interdisciplinaridade; Organização da Informação Digital; Internet – Planejamento Informacional.

Diálogo sobre redes sociais na internet com Gil Giardelli e Andrew Keen: os dois lados de uma mesma moeda

CORRÊA, Elisa Cristina Delfini. Diálogo sobre redes sociais na internet com Gil Giardelli e Andrew Keen: os dois lados de uma mesma moeda. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 272-279, jul./dez., 2014. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/955/pdf_105 >. Acesso em: 06 nov. 2014.

Resumo
Análise comparativa de abordagens sobre o uso das redes sociais na internet a partir da leitura reflexiva de dois textos de autores divergentes. Apresenta a visão tecnootimista de Gil Giardelli (2012) e o posicionamento tecnopessimista de Andrew Keen (2012), apontando diferenças e similaridades em suas reflexões. Destaca a necessidade de promover o debate sobre o tema entre os profissionais de informação.

Palavras-chave: Redes Sociais; Mídias Sociais; Internet; Tecnootimismo; Tecnopessimismo.

A abordagem da informação jurídica e da jurisprudência em blogs: um estudo comparativo

JOVANOVICH, Eliane Maria da Silva; TOMAÉL, Maria Inês. A abordagem da informação jurídica e da jurisprudência em blogs: um estudo comparativo. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 151-162, jul./dez., 2014.Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/981/pdf_86 >. Acesso em: 06 nov. 2014.

Resumo
A internet modificou a sociedade contemporânea, o ambiente virtual propiciou a interação social através das redes sociais midiáticas, as pessoas que compõem as redes se dispuseram a compartilhar informações e conhecimento. No Brasil essas redes sociais tornaram-se importantes instrumentos de comunicação. Diante do exposto, esta pesquisa objetiva fazer um estudo comparativo sobre como as informações jurídicas e as jurisprudências são tratadas nas mídias sociais, especificamente nos Blogs. Utilizou-se para a pesquisa a ferramenta Google Blogs. Os resultados obtidos confirmam que o termo jurisprudência, em blogs da área, tem maior pertinência do que a expressão informação jurídica.

Palavras-chave: Informação Jurídica; Mídia Social; Jurisprudência; Blog.

A implantação do projeto-piloto das mídias sociais no Ibict: a página do Facebook institucional

SHINTAKU, Milton; GREENHALGH, Mariana Giubertti Guedes; MOHN, Claudia Regina de Araújo; FLEURY, Andrea Maria; CARVALHO, Maria Carmen Romcy de. A implantação do projeto-piloto das mídias sociais no Ibict: a página do Facebook institucional. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 5, n. 1, p. 124-137, mar./ago. 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v5i1p124-137>. Acesso em: 04 ago. 2014.

Resumo:
As mídias sociais apresentam-se como uma possibilidade de potencializar as relações pessoais ultrapassando tempo e espaço, ao permitir uma comunicação assíncrona e abrangente. Nesse ponto, o Facebook, nascido como uma opção para relacionamentos interpessoais virtuais, extrapolou sua finalidade inicial ao ofertar facilidades para que instituições possam divulgar seus produtos e serviços, transformando-se em um canal apropriado para o marketing institucional. O presente estudo descreve a implementação da página do Facebook do Ibict, como estratégia de se adaptar aos novos modelos de disseminação da informação sobre os produtos e serviços, da mesma forma que apresenta os resultados positivos do projeto-piloto da implementação, revelando a abrangência e atuação das ações.

Palavras-chave: Ibict; Facebook; Mídias sociais.

O uso do Facebook pelas bibliotecas públicas do estado do Ceará

BERNARDINO, Maria Cleide Rodrigues; SUAIDEN, Emir José; CUEVAS-CERVERÓ, Aurora. O uso do Facebook pelas bibliotecas públicas do estado do Ceará. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 5, n. 1, p. 112-123, mar./ago. 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v5i1p112-123>. Acesso em: 04 ago. 2014.

Resumo:
O presente artigo traz uma análise sobre o uso do facebook como canal de comunicação pelas bibliotecas públicas do Estado do Ceará. Trata-se de um estudo exploratório com o auxílio dos métodos funcionalista e fenomenológico e abordagem de caráter quali-quantitativa. O objetivo é analisar o uso do facebook pelas 184 bibliotecas públicas do SEBP/CE. Por fim conclui-se que o uso da internet e das redes sociais pelas bibliotecas públicas contribui para uma maior socialização e interação entre os usuários e para dar maior visibilidade a biblioteca pública e conseqüentemente divulgar seus serviços e atividades.

Palavras-chave: Bibliotecas Públicas; Canal de Informação; Internet; Facebook.

Recursos da Web 2.0 e suas contribuições na prática pedagógica do ensino de Biblioteconomia

ARAÚJO, Ronaldo Ferreira. Recursos da Web 2.0 e suas contribuições na prática pedagógica do ensino de Biblioteconomia. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p. 163-181, jan./jun. 2013. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v4i1p163-181>. Acesso em: 04 ago. 2014.

Resumo:
Aborda utilização de recursos da web 2.0 na prática pedagógica no apoio ao processo de ensino e aprendizagem. Relata a experiência desenvolvida durante a realização da disciplina “Informática aplicada à Biblioteconomia II” do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) durante o primeiro semestre do ano de 2011. O objetivo foi analisar a possibilidade de se utilizar recursos da web 2.0 como aportes metodológicos ao ensino da disciplina. Foi criada uma hastag para o acompanhamento e discussão da disciplina no Twitter. Por meio de busca manual no próprio Twitter e uso da Plataforma Topsy monitorou-se 514 mensagens compartilhadas pelos alunos e professor. Analisa a participação e engajamento dos alunos na disciplina por meio: da distribuição das mensagens por mês, dia da semana e horário do dia; da interatividade, verificada a partir dos mentions, replies, e retweets. Como resultado verificou-se uma aprendizagem distributiva e contínua na qual o assunto discutido ultrapassa as limitações espaço-temporal da sala de aula, com envolvimento ativo e exercício da autonomia por parte dos alunos.

Palavras-chave: Web 2.0; Prática pedagógica; Twitter; Biblioteca 2.0.

Produção nacional sobre Letramento e Competência Informacional

ALMEIDA, Regina Oliveira de. Produção nacional sobre Letramento e Competência Informacional. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.19, n.1, p. 124-134, jan./jun., 2014. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/954/pdf_93 >. Acesso em: 12 maio 2014.

Resumo
As fontes de informação eletrônicas disponíveis proliferaram nas universidades e demais instituições de pesquisa, fazendo com que os usuários alarguem as suas possibilidades de uso, mas também possam se tornar confusos dentro de um cenário de aprendizado que exige competências e habilidades específicas para a busca e acesso em fontes consideradas adequadas e confiáveis no ambiente acadêmico. A crescente demanda por pesquisas na web requer que o bibliotecário tenha o perfil de gestor da informação e do conhecimento, capaz de utilizar eficaz e criativamente o conhecimento disponível nos sistemas informatizados. Dessa forma, é imprescindível à comunidade universitária aprender a usar o melhor possível as tecnologias de informação e comunicação (TIC) e as fontes de informação na realização de suas atividades, adquirindo competência informacional. Há diferentes maneiras de se avaliar a produção científica, sendo a publicação de artigos, por parte dos pesquisadores, um resultado de grande visibilidade. Este estudo buscou verificar, considerando a produção científica nacional de publicações em periódicos, qual o estágio de visibilidade do tema, letramento e competência informacional, no Brasil.

Palavras-chave: Letramento informacional; Competência informacional; Periódico científico; Biblioteca 2.0; Web 2.0.

Comércio e consumo em tempo de conexões digitais: dimensões informacionais

MOURA, Maria Aparecida; GOMES, Cássia Adriana. Comércio e consumo em tempo de conexões digitais: dimensões informacionais. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, abr. 2014. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr14/Art_03.htm>. Acesso em: 4 jun. 2014.

Resumo
Este artigo discute as mudanças ocorridas nos padrões de consumo com a ampliação do comércio na modalidade eletrônica, que passou a demandar novas competências informacionais nas relações comerciais. Apresenta conceitos, evolução e repercussões do consumo e do comércio eletrônico, ambos estudados enquanto fenômenos informacionais, no contexto social e, ao final, aborda o consumo eletrônico em âmbito nacional. Evidencia a proximidade dos objetos de estudo relativos ao comércio eletrônico com o campo da Ciência da Informação.

Palavras-chave: Consumo eletrônico; Comércio eletrônico; Dimensões informacionais; Consumidor eletrônico; Economia da atenção.

Comunicação cartográfica: semântica em ferramentas de mapeamento colaborativo na web

SAMPAIO, Cárita da Silva; DUQUE, Claudio Gottschalg. Comunicação cartográfica: semântica em ferramentas de mapeamento colaborativo na web. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, ago. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago13/Art_04.htm>. Acesso em: 26 dez. 2013.

Resumo
A força da produção do conhecimento de forma colaborativa na internet chega ao mundo da cartografia. Esta afirmação causa atualmente um desconforto entre engenheiros cartógrafos, responsáveis pela produção tradicional da representação do espaço geográfico em mapas. No entanto, a despeito das posições mais radicais destes profissionais, um volume significativo de informações geoespaciais, incluindo as cartográficas, vem sendo produzido na internet por usuários diversos sem, necessariamente, um conhecimento formal da linhagem de produção cartográfica tradicional. Este fenômeno é traduzido pelo surgimento de ferramentas de mapeamento colaborativo na internet que, diariamente, geram significativos volumes de dados geoespaciais no mundo todo. Este artigo buscou identificar a riqueza semântica dos signos disponíveis em três destas ferramentas que pudessem dar completude à informação cartográfica resultante desse processo, considerando a semiótica e os signos de Peirce como meio de significação que o usuário leigo utiliza para produzir a representação espacial do lugar em que se reconhece.

Palavras-Chaves: cartografia; semiótica; signos de Peirce; semântica; mapeamento colaborativo.

Comunicação e a prevenção de danos no uso da internet

MACHADO, Antonio Carlos; GIACOMINI-FILHO, Gino. Comunicação e a prevenção de danos no uso da internet. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 17-32, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/8827/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: A comunicação bancária tem registrado uso intenso de novas tecnologias e conteúdos, caso do net banking, o que gera novas possibilidades e relações com cliente bancário. Trata-se de um consumidor que é incentivado a conhecer os serviços oferecidos por meio de novos canais, a visualizar esses atributos, mas se ele detectar restrições informativas ou falhas na comunicação, irá se manifestar de alguma forma. Muitos consumidores lidam com fraudes ou danos causados pelo sistema de acesso virtual disponibilizado pelos bancos. Tal contexto apresenta inovações no sistema de comunicação protagonizado pelos bancos e consumidores midiatizados pela internet.
Objetivo: Descrever a comunicação bancária voltada para a prevenção de danos quando do uso de seus websites pelos consumidores.
Metodologia: Foram pesquisados os websites dos bancos Bradesco, Itaú e Banco do Brasil, além de pesquisa de opinião com 130 usuários do net banking desses bancos.
Resultados: Os bancos reservam em seus websites espaços específicos e não padronizados para a prevenção de danos ao consumidor no uso do net banking, enquanto os clientes usam tais serviços de forma parcial.
Conclusões: Os resultados encontrados não podem ser generalizados, servindo o presente estudo como degrau para que outros trabalhos possam aprofundar o objeto de estudo apresentado a fim de dimensionar com maior amplitude e representatividade a gestão da prevenção de danos ao consumidor no contexto do net banking.
Palavras chave: Comunicação. Consumidor. Prevenção de danos. Internet. Bancos.

Mídias sociais nas bibliotecas universitárias brasileiras

CALIL JUNIOR, Alberto. Mídias sociais nas bibliotecas universitárias brasileiras. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.18, n.2, p. 1053-1077, jul./dez., 2013. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/899/pdf >. Acesso em: 24 out. 2013.

Resumo: Apresenta os resultados da primeira etapa da pesquisa sobre o uso e as apropriações das mídias sociais pelas bibliotecas brasileiras que consistiu na identificação dos ambientes virtuais das bibliotecas das universidades federais do país e no mapeamento da adoção das mídias sociais pelas mesmas. Identifica as ferramentas colaborativas utilizadas por estas bibliotecas e apresenta analise quantitativa em torno da presença dessas ferramentas nos ambientes virtuais das bibliotecas. Conclui que o uso das mídias sociais nas bibliotecas analisadas ainda é percentualmente baixo, mas que há a necessidade de estudos qualitativos sobre a construção de ambientes virtuais pelas bibliotecas universitárias e sobre os usos e apropriações das mídias sociais por parte dessas mesmas bibliotecas.

Palavras-Chave: Mídias Sociais. Ferramentas Colaborativas. Biblioteca 2.0. Web 2.0. Ciberespaço.

Biblioteconomia conectada: uma análise da biblioblogosfera brasileira

ARAUJO, Ronaldo Ferreira de; TEIXEIRA, Josemar Coltt da Silva. Biblioteconomia conectada: uma análise da biblioblogosfera brasileira. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.18, n.2, p. 949-978, jul./dez., 2013. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/924/pdf >. Acesso em: 24 out. 2013.

Resumo: pesquisa exploratória de abordagem cibermétrica que analisa a blogosfera composta por blogs de biblioteconomia do Brasil. A biblioblogosfera foi mapeada no período setembro de 2011 a abril de 2012, junto ao Diretório de Blogs do Google por meio do descritor “biblioteconomia” e complementada a partir do blogroll dos primeiros blogs identificados. Foi reunida uma amostragem intencional aleatória de 100 blogs, analisa quanto ao gênero e tipificação; interatividade e; abordagem temática. Criados entre 2002 e 2012, a maioria dos blogs está concentrada na Região Sudeste, com predominância de autoria de blogueiras, cunho individual e profissional, sendo mais informativos do que reflexivos. Além da baixa interconectividade verificada, os termos de maior incidência nas publicações são “biblioteca”, “informação” e “livro” e os assuntos e temas mais publicados versão sobre “formação profissional e mercado de trabalho”.

Palavras-chave: Blogs. Biblioblogosfera Brasileira. Cibermetria. Análise de Redes Sociais.

Grupo Bibliotecários do Brasil: análise das relações informacionais na rede social Linkedin

WANDSCHEER, Guilherme; CORRÊA, Elisa Cristina Delfini. Grupo Bibliotecários do Brasil: análise das relações informacionais na rede social Linkedin. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.18, n.2, p. 926-948, jul./dez., 2013. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/902/pdf >. Acesso em 24 out. 2013.

Resumo: Pesquisa sobre o grupo “Bibliotecários do Brasil” da rede social LinkedIn, visando discutir seu potencial enquanto ferramenta profissional para bibliotecários. O perfil dos integrantes do grupo foi delineado a partir do mapeamento e identificação de seus locais de trabalho, tendo sido realizada também uma análise dos assuntos debatidos. A coleta de dados deu-se em um recorte temporal de dois meses, e a análise foi realizada utilizando a metodologia de Análise de Redes Sociais (ARS). Os resultados apontam a rede social LinkedIn como uma importante ferramenta de comunicação profissional entre os bibliotecários brasileiros.

Palavras-chave: LinkedIn. Redes Sociais. Bibliotecários – Redes sociais. Mídias Sociais.

Estratégias para Disseminação do Conhecimento Organizacional: o papel da arquitetura da informação

TEIXEIRA, Ticiane Mary Carvalho; VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Estratégias para Disseminação do Conhecimento Organizacional: o papel da arquitetura da informação. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 165-180, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/12110/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: As organizações estão utilizando, cada vez mais, os espaços eletrônicos/digitais (Internet/intranet/extranet) como uma forma de gerenciar eficientemente informação e conhecimento no ambiente organizacional. A gestão de insumos informacionais e de ativos intelectuais abrange desde o nível estratégico até o nível operacional, cujos resultados demonstram o fortalecimento da socialização das estratégias organizacionais.
Objetivo: Refletir sobre o papel da arquitetura da informação para a elaboração de espaços eletrônicos/digitais em ambientes organizacionais.
Metodologia: Pesquisa analítica apoiada em literatura especializada da área, fundamentada em três aspectos destacados por Morville e Rosenfeld (2006) e aplicados à arquitetura da informação: contexto, conteúdo e usuário, além dos estudos de busca e uso da informação de Choo (2006) em que também destaca três aspectos: dimensões situacionais, necessidades cognitivas e reações emocionais.
Resultados: No contexto do ambiente Web as organizações têm um grande número de sites de marcas/produtos que apresentam na maior parte nenhuma estrutura de organização ou navegação compartilhada. Os resultados mostram que quando um departamento precisa contactar outro departamento é preciso fazê-lo de forma offline.
Conclusão: A arquitetura da informação passou a ser fundamental para a elaboração de  sistemas de informação gerencial, para que viabilize a fácil localização e acesso de dados e  informações, bem como ajuda no desenvolvimento de estrutura hierarquias distintas para a  divulgação dos conteúdos, promovendo maior qualidade e efetividade aos sistemas gerenciais.

Palavras-Chave: Disseminação da informação. Conhecimento organizacional. Gestão da informação. Gestão do conhecimento. Arquitetura da informação. Sistemas de informação.  Ambiente organizacional.

Arquitetura da Informação em sites de Pró-Reitorias de Graduação: um enfoque nas Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná

RIBEIRO, Fabiano Ferrari; MONTEIRO, Silvana Drumond. Arquitetura da Informação em sites de Pró-Reitorias de Graduação: um enfoque nas Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 125-164, set./dez., 2012. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/13104/pdf>. Acesso em: 13 jul., 2013.

Resumo
Introdução: Um novo cenário vem se desenhando nas últimas décadas em decorrência do crescimento das Tecnologias da Informação e Comunicação, em especial da rede mundial de computadores, conhecida como Internet, por meio de seu serviço mais popular, a WWW, ou simplesmente Web. Milhões de informações são geradas a cada minuto, contribuindo para a rápida disseminação e comunicação em nível global sem restrições ou limites. É sob a égide da organização que foi criada a disciplina Arquitetura da Informação, cujo principal objetivo é trazer ordem ao caos informacional em ambientes digitais, ou seja, aqueles que são publicados no ciberespaço codificados por uma linguagem de programação conhecida como HTML (Hypertext Markup Language) e apresentados em sites na Web.
Objetivos: Investigar os elementos de Arquitetura da Informação na Web para o uso em sites de Pró-Reitorias de Graduação em Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná, inseridas em um contexto público, além de apresentar um exemplo de organização para tais ambientes com base na identificação de suas características e no estudo da literatura científica do tema.
Metodologia: Para a elaboração deste trabalho, realizou-se uma pesquisa documental prospectando, por meio de uma análise, o corpus composto de sites das Pró-Reitorias de Graduação das Universidades Públicas do Estado do Paraná.
Resultados: Na proposta para sites de Pró-Reitorias de Graduação das IEES do Paraná, uma das maiores preocupações foi para que o ambiente de interação possuísse elementos corretamente organizados de maneira concisa, primando pela facilidade na busca pela informação. Foi construída uma proposta para a concepção de sites para as Pró-Reitorias que tratam sobre o tema graduação, bem como objetivou reforçar todo o aporte teórico, oferecendo base para que seja possível a implementação de sistemas que prezem principalmente pela qualidade de uso.
Conclusões: Ainda há muitos desafios a serem vencidos pelos arquitetos da informação das Pró-Reitorias de Graduação. Certamente a inclusão de profissionais das disciplinas que mantêm correlação com a AI, como a CI, a Ciência da Computação e o Design Gráfico, trariam contribuições significativas para o aperfeiçoamento de seus sites.

Palavras-Chave: Arquitetura da Informação. World Wide Web. Ciência da Informação. Organização da Informação. Sites de Pró-Reitoria de Graduação.

Tipos, organização e visibilidade de informações em páginas iniciais de websites de universidades brasileiras

FREITAS, Lígia Dias de. Tipos, organização e visibilidade de informações em páginas iniciais de websites de universidades brasileiras. Rev. digit. bibliotecon. cienc. Inf, Campinas, v.11, n.2, p.176-196, maio/ago. 2013. Disponível em: < http://polaris.bc.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/585 >. Acesso em: 02 jun. 2013.

Resumo:
Apresenta pesquisa realizada com o objetivo de investigar a relação entre o tipo de informação disponibilizada nas páginas iniciais de websites de universidades brasileiras e a forma como ela está organizada. Para tanto, teve como objeto as dez primeiras universidades brasileiras no Webometrics Ranking of World Universities de julho de 2010. Foram analisadas as capturas de telas das páginas iniciais e a resposta a três questões abertas feitas aos setores de comunicação das universidades.

Palavras-chave: Arquitetura da Informação; Organização da informação; Websites; Página inicial

Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas SIGAA – Módulo Biblioteca: uma oportunidade de retomar a credibilidade da comunidade acadêmica com a efetivação da gestão do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal da Paraíba

VIEIRA, Maria das Graças; MACHADO, Fábio Firmino. Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas SIGAA – Módulo Biblioteca: uma oportunidade de retomar a credibilidade da comunidade acadêmica com a efetivação da gestão do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal da Paraíba. Rev. digit. bibliotecon. cienc. Inf, Campinas, v.11, n.2, p.159-175, maio/ago. 2013. Disponível em: < http://polaris.bc.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/596 >. Acesso em: 02 jun. 2013.

Resumo:
Com a efetivação na Universidade Federal da Paraíba através de termo de cooperação técnica com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas – SIGAA, em seus diversos módulos, com a implantação de sistemas informatizados de gestão de informações acadêmicas, administrativas e de recursos humanos como parte do processo de inovação tecnológica da UFPB, sendo abordado neste trabalho especificamente o módulo Biblioteca e percebendo a oportunidade de rever alguns paradigmas institucionais, o presente trabalho faz uma descrição do atual sistema informacional da Biblioteca Central da UFPB (coordenadora do sistema de bibliotecas – SISTEMOTECA), o Ortodocs e a transição para o novo sistema adquirido, com ênfase na integração de informações que para o autor pode dar visibilidade e real funcionalidade ao sistema de bibliotecas. Além de fornecer mais subsídios às tomadas de decisão, com mais propriedade e objetividade, surge como ferramenta de reaproximação com a “academia”, ou seja, com os integrantes diretos e indiretos da comunidade universitária.

Palavras-chave: Sistema de informação. Inovação tecnológica. Sistema de bibliotecas

Fluxo de informação na perspectiva do ambiente em rede

SUGAHARA, Cibele Roberta; VERGUEIRO, Waldomiro de Castro Santos. Fluxo de informação na perspectiva do ambiente em rede. Rev. digit. bibliotecon. cienc. Inf, Campinas, v.11, n.2, p.76-97, maio/ago. 2013. Disponível em: < http://polaris.bc.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/3859 >. Acesso em: 02 jun. 2013.

Resumo:
No campo da Ciência da Informação, estudar o fluxo de informação na perspectiva do espaço social em rede requer um olhar atento para a circulação da informação considerando as práticas para troca de informação entre contatos diretos e intermediários. O ambiente em rede propicia interação entre seus integrantes, podendo ocorrer de acordo com interesses específicos, que são reconhecidos ou postos em questão por seus pares.

Palavras-chave: Redes sociais; Fluxos de Informação; Ciência da Informação

Portal da BNB: relato da experiência do processo de criação, organização e planejamento do Portal da Biblioteca Nacional de Brasília

SILVA, Vanessa Barbosa da; SALIM, Flávia Marta Camarano. Portal da BNB: relato da experiência do processo de criação, organização e planejamento do Portal da Biblioteca Nacional de Brasília. Rev. digit. bibliotecon. cienc. Inf, Campinas, v.11, n.1, p.93-110, jan./abr. 2013. Disponível em: < http://polaris.bc.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/551 >. Acesso em: 02 jun. 2013.

Resumo:
Relato da experiência de implementação do Portal da Biblioteca Nacional de Brasília (BNB), que utiliza a segmentação de mercado e oferece produtos e serviços online de acordo com a necessidade de informação de seus públicos. Com essa iniciativa, o Portal da BNB mostra uma interface interativa e auto-explicativa, reunindo informações pertinentes para cada grupo de usuários atendidos pela instituição. Por fim, apresenta todos os detalhes do projeto, desde a sua concepção até o seu lançamento na web.

Palavras-chave: Portal. Arquitetura de sistema. Biblioteca nacional

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos