//
arquivos

Tecnologias da Informação

Esta tag está associada a 188 posts

Compartilhamento de informações/conhecimento em biblioteca universitária: cooperação interbibliotecária em face das novas tecnologias

SANTA ANNA, Jorge; PEREIRA, Gleice; CAMPOS, Suelen de Oliveira. Compartilhamento de informações/conhecimento em biblioteca universitária: cooperação interbibliotecária em face das novas tecnologias. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 170-184, maio./ago., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/986/pdf >. Acesso em: 25 ago. 2015.

Resumo
As novas tecnologias proporcionam a configuração de novos cenários no contexto das Bibliotecas Universitárias (BUs), facilitando a integração sistêmica de diferentes unidades de informação. Esse fato desperta a consolidação de um trabalho interbibliotecário, abrangendo diferentes instâncias, o que promove a socialização de informação/conhecimento tanto em âmbito local quanto global. Assim, apresenta-se o compartilhamento de informações em uma BU, com vistas a facilitar e ampliar o acesso à informação conforme demandado pela comunidade usuária. Para tanto, realiza-se uma revisão na literatura, com vistas a proclamar diferentes discussões a respeito do poder das tecnologias no compartilhamento de informação entre diferentes BUs, rompendo-se as limitações espaciais e temporais. Após análise bibliográfica e discussões, realizou-se uma pesquisa em campo em uma BU, conduzida por meio da técnica de entrevista realizada a bibliotecários que atuam com maior intensidade em atividades interbibliotecárias, seja compartilhando informações (Catalogação Cooperativa), seja socializando conhecimento (setor de Comutação bibliográfica). Os resultados confirmam que o compartilhamento ou socialização de informação/conhecimento constitui uma das principais características da BU analisada nesta pesquisa, à qual utiliza do aparato tecnológico a fim de efetivar esse processo, tornando-se integrada a um contexto holisticamente dinâmico e colaborativo.

Palavras-chave: Bibliotecas Universitárias. Novas tecnologias. Catalogação cooperativa. Comutação bibliográfica. Cooperação bibliotecária. Compartilhamento.

Anúncios

A biblioteca universitária no presente: de labirinto à encruzilhada em busca da biblioteca híbrida

SANTA ANNA, Jorge. A biblioteca universitária no presente: de labirinto à encruzilhada em busca da biblioteca híbrida. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 6-18, jan./abr., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/982/pdf_117 >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
Discute aspectos relacionados à nova ambiência das Bibliotecas Universitárias (BUs) no momento presente, permeada por diversos produtos, serviços e tecnologias, fato esse que as caracteriza como unidades diversificadas, inovadoras e mutantes. Contextualiza as transformações que as BUs percorreram nos últimos tempos, sobretudo com a explosão da informação e com a utilização acentuada das novas tecnologias da informação e comunicação (TICs). Apresenta o período transitório e evolutivo dessas unidades de informação, anteriormente consideradas como labirinto para se tornarem, na atualidade, inseridas em um período de encruzilhada. Como metodologia, recorreu-se a artigos, os quais tratavam dessa temática. Também se utilizou do estudo de observação, baseado na análise dos contextos reais, nos quais algumas BUs brasileiras estão inseridas. A partir da reflexão proposta, confirma-se que muitas BUs estão evoluindo para um contexto híbrido, oferecendo diversas e diferenciadas formas de acesso e uso da informação, de modo a atender seus públicos de forma íntegra, face às diferenças e preferências de cada usuário. Aprende-se que, as BUs são exemplos fiéis e testemunhais de que a prática bibliotecária é adaptativa e evolui conforme as necessidades sociais, o que garante a sobrevivência dos fazeres bibliotecários por longos tempos.

Palavras-chave: Bibliotecas Universitárias. Novas tecnologias. Explosão da informação. Bibliotecas híbridas. Prática bibliotecária.

Biblioteca digital: uma evolução da biblioteca convencional

SANTOS, Carla Marques dos; ASSUNÇÃO, Suelene Santana. Biblioteca digital: uma evolução da biblioteca convencional. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2104/1304 >. Acesso em: 19 fev. 2015.

Resumo
A informação é indispensável na sociedade que vivemos em meio a mudanças e avanços tecnológicos. A biblioteca tradicional sofre um processo gradual e evolutivo acompanhada pelos suportes Tecnológicos da Informação e Comunicação, surge um novo conceito de biblioteca, chamada de Biblioteca Digital. O objetivo deste artigo consiste em contextualizar a evolução da instituição biblioteca, partindo das concepções de uma biblioteca tradicional até o advento da Biblioteca Digital. Para embasar teoricamente a pesquisa foi feito uso da pesquisa bibliográfica versando sobre o progresso da biblioteca relacionada às novas tecnologias, ressaltamos o papel da Biblioteca Digital como ferramenta na disseminação da informação à luz de duas Leis de Ranganathan, a saber: a quarta lei “Poupe o tempo do leitor” e na quinta lei “A biblioteca é um organismo em crescimento”. Espera-se com este trabalho ampliar a discussão sobre como se deu o processo de migração da instituição biblioteca de uma espacialidade física para uma espacialidade digital.

Palavras-chave: Biblioteca Tradicional. Biblioteca Digital. Tecnologia da Informação e Comunicação.

Os pilares da Gestão da Informação: os fundamentos da Ciência da Informação, Administração e Tecnologia no curso de Gestão da Informação da UFPE

FERREIRA, Aurélio Fernando; SILVA, Gilvan Mariano da; WANDERLEY NETA, Luiza Fagundes; BEZERRA, Márcia Patrícia; FALCÃO JUNIOR, Marcos Antônio Gomes. Os pilares da Gestão da Informação: os fundamentos da Ciência da Informação, Administração e Tecnologia no curso de Gestão da Informação da UFPE. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2097/1299 >. Acesso em: 19 fev. 2015.

Resumo
Criado em 2009 o curso de Bacharelado em Gestão da Informação da Universidade Federal de Pernambuco – GIUFPE traz uma proposta interdisciplinar concebida em três pilares: Um pilar, apoiado nas teorias e práticas da Ciência da Informação, Um segundo pilar apoiado em teorias e práticas da gestão e da administração, e o terceiro pilar apoiado na tecnologia com o uso de ferramentas da informação e comunicação e informática. Essa proposta acadêmica interdisciplinar exige dos alunos uma estrutura de conhecimento que seja capaz de internalizar teorias, fundamentos, conceitos, práticas e uso de sistemas de informação. Tal configuração tem por objetivo formar um indivíduo capaz de recuperar, selecionar, organizar, usar e disseminar a informação dentro de um ambiente social e organizacional em qualquer que seja o ramo de atividades de maneira hábil, eficiente e eficaz. Esse estudo foi realizado por meio da análise da matriz curricular e de pesquisa realizada com os alunos matriculados no curso de GI. Como resultado o trabalho demonstra possíveis aspectos que podem ser acentuados, acrescentados e modificados, ajudando num posterior projeto pedagógico tornando o curso capaz de aperfeiçoar o formando como um profissional mais preparado para o mundo que o cerca.

Palavras-chave: Pilares da Gestão da Informação, Ciência, Gestão e Tecnologia da informação.

A biblioteca da Procuradoria da República no Estado do Pará: seu papel na democratização e no acesso da informação jurídica

PIRES, Erik André de Nazaré. A biblioteca da Procuradoria da República no Estado do Pará: seu papel na democratização e no acesso da informação jurídica. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, out. 2013. Disponível em: < http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1975/1263&gt;. Acesso em 01 dez. 2014.

Resumo
Trata da importância da Biblioteca da Procuradoria da República integrante do Ministério Público Federal no Estado do Pará, evidenciando o seu papel democrático de acesso a informação no segmento jurídico no que se refere a essa Unidade de Informação (U.I.) na contemporaneidade. Tem como objetivo geral mostrar a influência dessa biblioteca para a sociedade paraense, relatando o seu grau de relevância ao acesso democratizado da informação nos dias correntes e visualizar como a mesma oferece um leque de oportunidades na obtenção de informações jurídicas relevantes para os usuários terem subsídios na realização de suas pesquisas, tendo como o bibliotecário jurídico um mediador entre os consulentes da informação no ramo do direito. A problematização consiste em não existir uma literatura consistente a respeito dessa U.I. e com isso proporcionando como motivação o anseio de aportar conhecimentos a respeito dessa biblioteca. O procedimento metodológico é caracterizado por meio de uma pesquisa teórico-exploratória, com o propósito de embasar a fundamentação teórica para subsidiar a produção do trabalho. Os resultados apresentam que a evolução, principalmente de cunho tecnológico da biblioteca no sentido de oferecer serviços e produtos com qualidade aos seus consulentes, com o intuito propiciar aos mesmos fontes de informações atualizadas no que diz respeito à legislação, doutrina e jurisprudência, principais fontes de informação na área jurídica e assinaturas de periódicos relevantes para esse campo profissional, juntamente com o auxílio das Tecnologias da Informação e Comunicação para satisfazerem informacionalmente os seus consulentes de modo eficiente e prático.

Palavras-chave: Procuradoria da República – Pará. Ministério Público Federal – Pará. Tecnologias da Informação e Comunicação. Bibliotecário Jurídico.

Tecnologias de dados abertos para interligar bibliotecas, arquivos e museus: um caso machadiano

SANTOS NETO, Antonio Laurindo dos et al. Tecnologias de dados abertos para interligar bibliotecas, arquivos e museus: um caso machadiano. Transinformação, Campinas, v. 25, n. 1, p. 81-87, jan./abr., 2013. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1790/1706>. Acesso em: 30 dez. 2014.

Resumo
O artigo propõe um caso fictício para ilustrar o uso das tecnologias de Dados Abertos Interligados como mecanismos para tornar interoperáveis informações em acervos de bibliotecas, arquivos e museus, utilizando como exemplo as informações sobre o escritor Machado de Assis e sua obra. Utilizou-se como método o estudo de um caso restrito e ilustrativo, não exaustivo. Aplicaram-se diferentes vocabulários para interligação dos dados e para sua representação, utilizando os princípios do Linked Data; sugere-se que os profissionais da informação usufruam dessa potencialidade e busquem novas aplicações para ampliar a interoperabilidade dos dados disponíveis na Web.

 
Palavras-chave: Dados abertos interligados. Machado de Assis. Ontologias. Resource Description Framework. Web semântica.

Características de repositório educacional aberto para usuários de língua brasileira de sinais

SILVA, Romario Antunes da; RODRIGUES, Rosângela Schwarz. Características de repositório educacional aberto para usuários de língua brasileira de sinais. Transinformação, Campinas, v. 25, n. 1, p. 65-79, jan./abr., 2013. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1789/1705>. Acesso em: 30 dez. 2014.

Resumo
O objetivo desse artigo é identificar as características que um repositório educacional aberto deve apresentar para atender as necessidade de informação dos alunos surdos e ouvintes do curso Letras Libras na modalidade a distância da Universidade Federal de Santa Catarina. Os objetivos específicos foram: a) descrever o perfil dos alunos surdos e ouvintes; b) examinar o uso das tecnologias da informação por esses alunos; e c) identificar os documentos que um repositório deve apresentar para atender as necessidades de informação desses alunos. A pesquisa é exploratória, descritiva e qualitativo-quantitativa, e a análise foi realizada com estatística descritiva e análise de conteúdo. Conclui-se que os alunos utilizam o e-mail, as listas de discussão, o Messenger,ferramentas para compartilhamento de vídeos e os sites para surdos. Os alunos consideram muito importantes os processadores de texto, Messenger, Movie Maker, Media Player e planilhas para cálculo. Os alunos surdos consideram como documentos mais relevantes as videoaulas, dicionários e apostilas, e os alunos ouvintes, as videoaulas, os livros e as apostilas. O tipo de conteúdo requisitado são notícias sobre surdos, língua brasileira de sinais, tradução, tecnologia, linguística, aprendizagem do português, interpretação médico-jurídica e cultura surda. Os suportes requisitados para acesso à informação são os dicionários, vídeos, livros digitais e artigos. Os alunos preferem acessar as informações no repositório por meio de língua de sinais, legendas e em português.

 
Palavras-chave: Acesso livre. Língua brasileira de sinais. Repositório educacional. Surdo.

 

As dobras semióticas do ciberespaço: da web visível à invisível

MONTEIRO, Silvana Drumond; FIDENCIO, Marcos Vinicius. As dobras semióticas do ciberespaço: da web visível à invisível. Transinformação, Campinas, v. 25, n. 1, p. 35-46, jan./abr., 2013. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1786/1702>. Acesso em: 30 dez. 2014.

Resumo
Após a instituição do ciberespaço, na década de 1990, a Web tornou-se o seu principal constructo e vem dobrando e desdobrando- se em vários sentidos: Web Invisível, Web Visível, Web Semântica, Web Pragmática, Web Social ou 2.0, entre outras. Em relação à Web Invisível, de acordo com os autores que escrevem sobre o tema, existe a inquietante questão: que nome dar a esse (des)território? Web Invisível, Profunda, Oculta, Escura? A partir da compreensão do conceito de dobra, criado por Leibniz e ressignificado por Deleuze, que explica os agenciamentos maquínicos e a visão pragmática dos aspectos técnicos e materiais das semióticas, fez-se uma prospecção conceitual da Web Invisível e de alguns mecanismos de busca que fazem a dobra com essa Web no ciberespaço. Para além da literatura, descobriu-se uma Web verdadeiramente escura, a DarkWeb, paralela e underground utilizada para o bem e para o mal, como previsível da espécie humana.

Palavras-chave: Ciberespaço. Dobra semiótica. Web invisível. Web visível.

Ampliando o campo de atuação bibliotecária: o bibliotecário como consultor informacional

SANTA ANNA, Jorge; PEREIRA, Gleice. Ampliando o campo de atuação bibliotecária: o bibliotecário como consultor informacional. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 163-173, jul./dez., 2014. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/956/pdf_96 >. Acesso em: 06 nov. 2014.

Resumo
Objetiva discutir aspectos relacionados aos novos campos de atuação do bibliotecário com o advento da sociedade da informação, sobretudo as novas potencialidades ocasionadas com a Consultoria Informacional. Para tanto, por meio de pesquisa bibliográfica, apresenta o contexto de desenvolvimento e a inserção do bibliotecário no campo da Ciência da Informação, caracterizando seus fazeres profissionais em meio a um mercado amplo, difuso e interdisciplinar. Expõe os conceitos e as características da Consultoria Informacional, em virtude das novas necessidades demandadas, oriundas da explosão informacional e do uso acentuado das novas tecnologias. Destaca as competências necessárias que o profissional deve possuir com vistas a atuar como consultor informacional. Evidencia-se, um futuro promissor para o bibliotecário, ampliando suas práticas, ao romperem os muros das bibliotecas e tornarem-se profissionais requisitados, sendo responsáveis pelo gerenciamento da informação. Ao final, desmistifica-se a suposta possibilidade do desaparecimento desse profissional, que, a cada dia, amplia seus espaços de atuação, podendo atuar nas tradicionais unidades de informação, e também, em outros segmentos profissionais, seja como autônomo ou como microempreendedor individual.

Palavras-chave: Bibliotecário; Profissional da Informação; Sociedade da Informação; Novas Tecnologias; Consultoria Informacional.

A aventura de perceber significados

BARRETO, Aldo de Albuquerque. A aventura de perceber significados. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, jun. 2014. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/jun14/Art_01.htm>. Acesso em: 21 jul. 2014.

Resumo:* Uma explosão de conteúdos aconteceu quando o volume de informação impressa disponibilizada no pós-guerra de 1945 mudou o regime de informação existente para uma nova configuração de: recursos humanos, acervamento, processamento e recuperação dos documentos estocados para atender a um novo fluxo da oferta e demanda. O fluxo da informação entre os estoques e os receptores permeiam critérios da tecnologia que almeja possibilitar o maior e melhor acesso ao acervo disponível e o critério do repasse intencional intervém para intentar uma interiorização adequada. Hoje com a condição online os estoques e os fluxos de informação, renomeados, de acordo com o gosto do momento, para “Big Data” são multidirecionados e levam condições virtuais em seu desatamento, quando o tempo se aproxima de zero, a velocidade se acerca do infinito e os espaços são de vivência pela não presença. A crescente produção de informação precisa ser reunida e armazenada de forma eficiente, e eficaz na distribuição. A chegada de uma sociedade eletrônica de informação modificou a delimitação de tempo e espaço dos conteúdos em relação aos receptores.

Palavras-chave: Tempo de acesso; Espaços de informação; Comunicação de conteúdos online; Big data, A nova escrita.

Televisão Digital e a Teoria Geral dos Sistemas

SANTOS, Paloma Maria; BRAGA, Marcus de Melo; FERREIRA, Marcus Vinícius Anátocles da Silva; ROVER, Aires José. Televisão Digital e a Teoria Geral dos Sistemas. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, jun. 2014. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/jun14/Art_05.htm>. Acesso em: 4 jun. 2014.

Resumo
CO desenvolvimento do modelo brasileiro de Televisão Digital Interativa exigiu um trabalho interdisciplinar, uma vez que para a sua realização foi necessária a participação de especialistas de diversas áreas, trabalhando de modo integrado. Esta interdisciplinaridade pode ser vista como uma aplicação direta dos conceitos da Teoria Geral dos Sistemas, uma vez que é justamente dela que, em muitas áreas do conhecimento humano, são desenvolvidas novas tecnologias. O presente estudo faz uma análise da Televisão Digital Interativa sob a ótica da Teoria Geral dos Sistemas. Partindo de uma revisão conceitual sobre a Teoria Geral dos Sistemas e sobre as características mais relevantes do modelo brasileiro de Televisão Digital Interativa, buscou-se estabelecer uma aproximação entre esses dois domínios. Como resultado, constata-se que os estudos da Teoria Geral dos Sistemas podem trazer importantes contribuições para praticamente todas as áreas do conhecimento humano, por trazer luz às questões mais profundas de cada uma dessas áreas, por meio da análise de seus diversos componentes e da inter-relação entre eles. Para o domínio da Televisão Digital Interativa, mais especificamente, a Teoria Geral dos Sistemas mostrou ter forte influência quando na definição de questões relativas a ergonomia de interface, a concepção de aplicativos e a visão interdisciplinar necessária para o atendimento das demandas direcionadas a Televisão Digital Interativa.

Palavras-chave: Televisão Digital Interativa; Teoria Geral dos Sistemas; Ergonomia de Interface; Concepção de Aplicativos; Interatividade; Interdisciplinaridade.

Evolução das Bibliotecas Universitárias: information commons

SILVEIRA, Nalin Ferreira. Evolução das Bibliotecas Universitárias: information commons. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.19, n.1, p. 69-76, jan./jun., 2014. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/923/pdf_88 >. Acesso em: 12 maio 2014.

Resumo
Este trabalho baseou-se em estudos sobre uso da Tecnologia da Informação e Comunicação e convergência de mídias em bibliotecas universitárias. Teve como objetivo desenhar a história da evolução das bibliotecas universitárias, até chegar ao conceito de bibliotecas ubíquas e Information Commons. Foi observado que as Tecnologias de Comunicação e Informação são utilizadas de maneira muito tímida e que, em geral, poucos serviços diferenciados são oferecidos aos usuários. Este trabalho utiliza metodologia exploratória, com procedimento técnico bibliográfico e documental. Aponta as grandes possibilidades para as bibliotecas universitárias ao aumentarem sua relação com serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação.

Palavras-chave: Biblioteconomia. Bibliotecas Universitárias. Information Commons.

Comércio e consumo em tempo de conexões digitais: dimensões informacionais

MOURA, Maria Aparecida; GOMES, Cássia Adriana. Comércio e consumo em tempo de conexões digitais: dimensões informacionais. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, abr. 2014. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr14/Art_03.htm>. Acesso em: 4 jun. 2014.

Resumo
Este artigo discute as mudanças ocorridas nos padrões de consumo com a ampliação do comércio na modalidade eletrônica, que passou a demandar novas competências informacionais nas relações comerciais. Apresenta conceitos, evolução e repercussões do consumo e do comércio eletrônico, ambos estudados enquanto fenômenos informacionais, no contexto social e, ao final, aborda o consumo eletrônico em âmbito nacional. Evidencia a proximidade dos objetos de estudo relativos ao comércio eletrônico com o campo da Ciência da Informação.

Palavras-chave: Consumo eletrônico; Comércio eletrônico; Dimensões informacionais; Consumidor eletrônico; Economia da atenção.

Orkutização do Lattes”: cultura informacional e distinção

CRUZ, Ruleandson do Carmo; FROTA, Maria Guiomar da Cunha. Orkutização do Lattes”: cultura informacional e distinção. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, fev. 2014. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/fev14/Art_04.htm>. Acesso em: 30 maio 2014.

Resumo
Analisa alguns dos debates virtuais sobre a orkutização do Lattes. Baseia-se teoricamente nos conceitos sociológicos de classe e distinção, bem como nos conceitos de sujeitos informacionais e cultura informacional advindos da Ciência da Informação. Investiga em caráter exploratório e qualitativo o modo como a orkutização do Lattes é definida pelos sujeitos na Internet. Constata, dentre outros apontamentos, um jogo de classes entre alguns dos membros da classe acadêmica e cientifica brasileira – motivado pela cultura informacional de sujeitos informacionais usuários do Lattes –, no qual pós-graduandos tentam se distanciar dos graduandos (status inferior) e se aproximar dos professores universitários (status superior).

Palavras-chave: Currículo Lattes; Cultura informacional; Distinção. Orkutização.

As tecnologias assistivas e a pessoa cega

NUNES, Elton Vergara; DANDOLINI, Gertrudes Aparecida; SOUZA , João Artur de. As tecnologias assistivas e a pessoa cega. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, fev. 2014. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/fev14/Art_05.htm>. Acesso em: 30 maio 2014.

Resumo
O presente artigo discute os resultados da pesquisa qualitativa intitulada “As tecnologias assistivas utilizadas por pessoas cegas em seu cotidiano”, que teve por objetivo identificar o seu efetivo uso, bem como verificar, dentre elas, quais são as mais utilizadas por sujeitos cegos em suas atividades diárias. A pesquisa buscou também identificar a relevância dessas tecnologias na mediação da inclusão social das pessoas cegas. Para tanto, o artigo apresenta, inicialmente, uma revisão da literatura que trata da deficiência visual e da Tecnologia Assistiva. Na sequencia, a revisão da literatura é articulada com os resultados da pesquisa, numa discussão entre teoria, tendências e opinião dos sujeitos, apontando para a importância desses recursos na vida dos respondentes. Na parte final, é apresentada uma reflexão sobre as dificuldades de acesso a essas tecnologias, muitas vezes agravada por políticas governamentais adotadas sem o devido conhecimento das reivindicações das pessoas cegas. Finalmente, a pesquisa revelou que muitas das soluções desejadas pelos usuários já existem, sendo, porém, desconhecidas ou inacessíveis a eles; evidenciou também que as melhores soluções resultam do trabalho de cooperação entre pesquisadores e usuários e de incentivos governamentais.

Palavras-chave: Tecnologias assistivas; Deficiência visual; Acessibilidade; Inclusão; Pessoas cegas.

Requisitos de Usuário: contribuições tecnológicas para a comunicação em língua de sinais

MOREIRA, Jonathan Rosa; GUADAGNIN, Renato da Veiga; FERNEDA, Edilson; RIBEIRO, Jefferson Bruno Pereira. Requisitos de Usuário: contribuições tecnológicas para a comunicação em língua de sinais. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, fev. 2014. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/fev14/Art_06.htm>. Acesso em: 30 maio 2014.

Resumo
A acessibilidade no processo de comunicação dos surdos representa um diferencial no incentivo à inclusão social. A interação como uma das características da comunicação conduz à construção de conhecimento e desenvolvimento humano. As Tecnologias da Informação e Comunicação dispõem de instrumentos computacionais que representam iniciativas para tradução de linguagem oral para língua de sinais e auxiliam o processo de comunicação entre os membros da comunidade surda. Entretanto, essas ferramentas ainda não contemplam elementos considerados essenciais para a comunicação, como emocionalidade e contexto das palavras. A comunicação em língua de sinais ainda pode ser explorada sistematicamente, e oferecer uma abordagem teórica acerca das carências, dos problemas e necessidades inerentes a esse processo e ao acesso à informação. Visando contribuir para o suprimento dessa lacuna, este estudo identificou os requisitos presentes no processo de comunicação em Língua de Sinais mediada pelas novas tecnologias, envolvendo recursos de tratamento linguístico e computação gráfica.

Palavras-chave: Língua de sinais; Tradução automática; Atores virtuais; Comunicação; Inclusão social.

Ferramentas Scup e Many Eyes na Identificação de Oportunidades para o Front End da Inovação

FERNANDES, Roberto Fabiano; TEZA, Teza Pierry; MIGUEZ, Viviane Brandão; DANDOLINI, Gertrudes Aparecida; SOUZA, João Artur de; ABREU, Aline França De. Ferramentas Scup e Many Eyes na Identificação de Oportunidades para o Front End da Inovação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 5, out. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/out13/Art_01.htm>. Acesso em: 28 dez. 2013.

Resumo
As informações disponíveis em base dados e nas redes sociais apresentam-se em constante crescimento e devido a isso vem fazendo com que o ser humano tenha dificuldade em interpretar os dados. Além da grande quantidade dos dados, a complexidade existente na forma de apresenta-los não proporcionada atração e diferenciação no entendimento das informações. Isso pode ser melhorado com o emprego de técnicas de visualização da informações que possibilita a criação de imagens simples, de modo a fornecer maior insight para as pessoas que interpretam estes dados, identificando neles indicadores que possam gerar vantagens competitivas para as organizações. Dentre as diversas ferramentas gráficas, destacam-se a ferramenta Scup e o framework Prefuse. Esse último proporcionou o desenvolvimento de várias ferramentas visualização, dentre estas o site Many Eyes, que além de tirar vantagem de todos os recursos do framework Prefuse, agrega a vantagem de ser um ambiente único de colaboração baseada na web. Com base nestes aspectos, este artigo sugere uma forma de utilização de cada uma das duas ferramentas de visualização de informação para identificação de oportunidades em base de dados para o front end da inovação, objetivando assim, fornecer indicadores que proporcionem vantagens competitivas às organizações.

Palavras-chave: Front end da inovação; Identificação de oportunidades; Visualização da informação; Scup; Framework prefuse; Many eyes.

Avaliação técnica de usabilidade em fórum online de um curso stricto sensu

MOREIRA, Jonathan Rosa; RIBEIRO, Jefferson Bruno Pereira. Avaliação técnica de usabilidade em fórum online de um curso stricto sensu. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 5, out. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/out13/Art_05.htm>. Acesso em: 28 dez. 2013.

Resumo
A qualidade de um Ambiente Virtual de Aprendizagem pode ser um fator que contribui para a consolidação da modalidade de ensino a distância. O princípio de usabilidade de software é um elemento que precisa ser considerado para que se obtenham resultados mais eficazes no processo de aprendizagem a distância. Este estudo visa avaliar os mecanismos de usabilidade presentes no fórum de discussão do Ambiente Virtual de Aprendizagem do curso de Pós-Graduação em Ciências Médicas da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília, sob o enfoque da metodologia House of Quality com os conceitos pertinentes à ISO 9126, associado à técnica científica de observação participativa. Essa associação permite a avaliação dos requisitos não funcionais de qualidade relativos ao princípio de usabilidade de software. Tal avaliação tem por objetivo a contribuição com indicações de melhorias no processo de ensino e aprendizagem, assim como a identificação de características que podem aprimorar o acesso dos usuários à informação desejada, permitindo-lhes maior autonomia, e estimular a opção e a participação na modalidade de Educação a Distância.

Palavras-chave: Qualidade de software; Usabilidade; Ambiente virtual de aprendizagem; Requisitos não funcionais.

As tecnologias e a comunicação na contemporaneidade: a trilogia Matrix

OLIVEIRA, Tânia Oliveira. As tecnologias e a comunicação na contemporaneidade: a trilogia Matrix. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, ago. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago13/Art_02.htm>. Acesso em: 26 dez. 2013.

Resumo
A proposta deste artigo é refletir sobre a tecnologia na contemporaneidade e a sua influência na comunicação. Devido ao cenário de mudança que estamos vivendo, foi escolhida para ilustrar essa reflexão a trilogia de filmes Matrix, um marco da história recente do cinema, que tem como principal provocação uma nova forma de enxergar a realidade. E é justamente esse o intuito: questionar a forma como os comunicadores têm mediado a realidade a sua volta nestes tempos de excesso de informação e acesso facilitado aos meios de comunicação.

Palavras-chave: Comunicação; Tecnologia; Matrix.

Reflexões sobre os paradigmas de estudo da usabilidade na Ciência da Informação

ROCHA, Eliane Cristina de Freitas; DUARTE, Adriana Bogliolo Sirihal. Reflexões sobre os paradigmas de estudo da usabilidade na Ciência da Informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, ago. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago13/Art_03.htm>. Acesso em: 26 dez. 2013.

Resumo
Busca-se refletir sobre a usabilidade no contexto dos estudos de usuários da informação, recuperando seu histórico no campo de origem da Ciência da Computação/Interação Humano-Computador e suas apropriações no campo da Ciência da Informação (CI). São relacionados os paradigmas orientadores dos estudos da CI conforme apresentados por Capurro (2003) – físico, cognitivo e social – aos estudos realizados no campo de estudos de usuários e no campo da interação humano-computador. É apresentada uma breve revisão histórica do campo de estudos da interação humano-computador, associando os primeiros trabalhos de Donald Norman e Nielsen ao paradigma físico. A título ilustrativo, são analisadas teses e dissertações que se referem ao tema da usabilidade na CI com vistas a identificar o paradigma orientador dos trabalhos. Chega-se à conclusão de que os estudos de usabilidade na CI, no geral, têm orientação cognitivista, alinhada ao paradigma físico, e não contemplam a complexidade do comportamento informacional de usuários.

Palavras-chave: Estudos de usuários; Usabilidade; Interação humano-computador;Histórico da Interação humano-computador; Paradigmas da Ciência da Informação; Abordagens de estudo da Interação Humano-Computador.

A engenharia do conhecimento auxiliando o processo de comunicação da informação científica na contemporaneidade

PIRES, Erik André de Nazaré. A engenharia do conhecimento auxiliando o processo de comunicação da informação científica na contemporaneidade. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, ago. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago13/Art_06.htm>. Acesso em: 26 dez. 2013.

Resumo
Este trabalho apresenta uma abordagem que engloba características que visam apresentar a engenharia do conhecimento por meio da sua contribuição direta com o processo de comunicação científica, apresentando desde seus aspectos conceituais, passando pelo suporte da arquitetura da informação chegando até o cerne da produção informacional, no qual se caracteriza através da disseminação. Em linhas gerais apresenta-se como objetivo, conhecer como a engenharia do conhecimento atua no processo de disseminação informacional na web. A elaboração do trabalho é constituído por meio da pesquisa exploratória, pois esse assunto segundo a literatura consultada concentra poucos estudos realizados, alicerçado pela pesquisa de cunho bibliográfica com o intuito de fundamentar as bases teóricas da produção textual. O desenvolvimento da pesquisa constitui-se do anseio em aportar sobre a temática em questão no intuito de poder proporcionar estudos futuros com maior teor enfático e profundidade no campo da Ciência da Informação. Por fim entende-se que a engenharia do conhecimento fornece um conjunto de recursos que vão desde como a informação vai ser estruturada até o seu formato de disponibilização no segmento virtual.

Palavras-chave: Engenharia do Conhecimento; Arquitetura da Informação; Disseminação da Informação; Tecnologia da Informação e Comunicação; Comunicação Científica; Contemporaneidade.

Projeto de layout de biblioteca assistido por ferramenta de software para criação de arranjo físico em 3D: estudo aplicado à biblioteca da faculdade iDEZ

SEGUNDO, Sanderli José da Silva; ARAÚJO, Wagner Junqueira de Araújo; LOPES, Wendy-Anna Albuquerque. Projeto de layout de biblioteca assistido por ferramenta de software para criação de arranjo físico em 3D: estudo aplicado à biblioteca da faculdade iDEZ. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 184-205, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/10115/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo: 
Introdução: Projetar uma biblioteca consiste em concentrar esforços para criar ou aprimorar atividades que estejam de acordo com a função e objetivos da mesma e da instituição a qual está subordinada. Regularmente os responsáveis por diferentes tipos de bibliotecas se deparam com o problema de gestão do seu espaço físico. O estudo do layout proporciona experimentar novas formas e permite modificações de ambientação com o intuito de buscar os requisitos citados. Contudo fazer isso em um ambiente real, nem sempre é possível, nestes casos uma ferramenta que permita ao bibliotecário projetar, promover alterações e visualizar os resultados em formatos 3D é de grande auxilio.
Objetivo: Estudar o arranjo físico de bibliotecas sob a ótica de OS&M usando ferramentas
3D.
Metodologia: Apresenta um estudo de caso na biblioteca da Faculdade iDEZ, localizada em João Pessoa – PB, onde foi aplicado os princípios da disciplina de Organização, Sistemas e Métodos (OS&M) para arranjo físico (layout) utilizando uma ferramenta de software livre para auxiliar projetos em terceira dimensão.
Resultados: São indicadas e discutidas as motivações que levam um profissional de informação a ter que gerenciar seu espaço físico e as barreiras encontradas. O resultado obtido na avaliação indicou o Sweet Home 3D como ferramenta com melhor pontuação.
Conclusões: A proposta de projeto resultante do estudo de caso, facilitou a visualização das mudanças, sendo aceita e implementada pelos gestores da biblioteca.

Palavras-chave: Tecnologia da informação e comunicação. Projeto de biblioteca. Software
livre. Arranjo físico. Layout 3D.

Relacionando a prática do trabalho bibliotecário com os referenciais de qualidade para a educação superior a distância

BLANK, Cintia Kath. Relacionando a prática do trabalho bibliotecário com os referenciais de qualidade para a educação superior a distância. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 169-183, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/11928/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: A temática EAD tem sido muito estudada atualmente, no entanto, considera-se que no tocante ao trabalho do bibliotecário ainda existe muito a ser debatido.
Objetivo: Contribuir com algumas perspectivas sobre as atividades do profissional bibliotecário combinadas com os itens indicados no documento “Referenciais de Qualidade para a Educação Superior a Distância”.
Metodologia: Revisão bibliográfica.
Resultados: O ensino superior a distância é uma realidade cada vez mais presente em nossa sociedade, tanto no setor público quanto no particular, em grandes centros ou cidades do interior e todos os profissionais ligados a educação devem atentar para a questão da qualidade na EAD, a fim de ser oferecido um processo educacional que possibilite o desenvolvimento pleno do aluno no seu processo de aprendizagem.
Conclusões: Observa-se que o papel do bibliotecário renova-se a todo o momento, exigindo deste profissional constante reflexão e reinvenção de suas habilidades, conhecimentos e técnicas para melhor atender os usuários dos serviços de informação.

Palavras-chave: Educação a distância, Bibliotecário, Biblioteca universitária, Qualidade no ensino superior.

Metadata Authority Description Schema (MADS): uma alternativa à utilização do formato MARC 21 para dados de autoridade

ASSUMPÇÃO, Fabrício Silva; SANTOS, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa. Metadata Authority Description Schema (MADS): uma alternativa à utilização do formato MARC 21 para dados de autoridade. Informação & Informação, Londrina, v. 18, n. 1, p. 106-126, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/12293/pdf>. Acesso em: 21 dez. 2013.

Resumo:
Introdução: O intercâmbio de registros de autoridade requer o estabelecimento e a adoção de padrões de metadados, tais como o Formato MARC 21 para Dados de Autoridade, formato utilizado por diversas agências catalogadoras, e o Metadata Authority Description Schema (MADS), padrão que permanece pouco explorado pela literatura e pouco difundido entre as agências.
Objetivo: Apresentar um estudo introdutório sobre o padrão MADS.
Metodologia: Pesquisa bibliográfica descritiva e exploratória. Resultados: São abordados o contexto de criação do MADS, seus objetivos, sua estrutura e as principais questões relacionadas à conversão de registros em MARC 21 para registros MADS.
Conclusões: Conclui-se que, apesar de suas limitações, o MADS pode ser utilizado para a criação de registros de autoridade simples, no ambiente Web e além do contexto das bibliotecas.

Palavras-chave: Metadata Authority Description Schema (MADS). Extensible Markup Language (XML). Formato MARC 21 para dados de autoridade. Controle de autoridade. Catalogação descritiva. Informação e tecnologia.

Priorização de requisitos e avaliação da qualidade de software segundo a percepção dos usuários

CORDEIRO, Aline Gomes; FREITAS, André Luís Policani. Priorização de requisitos e avaliação da qualidade de software segundo a percepção dos usuários. Ciência da Informação, Brasília, v. 40, n. 2, p. 160-179, maio/ago. 2011. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/1858/1420>. Acesso em: 12 ago. 2013.

Resumo
Atualmente softwares têm sido reconhecidos como importante ferramenta de apoio às diversas atividades e à tomada de decisões. No entanto, existem relatos a respeito de projetos de desenvolvimento de software fracassados. A questão problema apresentada por este artigo é a seguinte: Como é possível realizar a avaliação da qualidade de um produto de software desde as etapas iniciais do projeto, de forma que seja possível realizar as melhorias com menor esforço? O artigo traz uma abordagem metodológica para a priorização dos requisitos de software e a avaliação da qualidade do  produto de software, segundo a percepção dos usuários. Em especial, a abordagem propõe o emprego da Análise Importância-Desempenho (IPA) e do método dos 100 pontos para a etapa de priorização, e para a etapa de avaliação de desempenho, o emprego da IPA e da escala contínua. Por meio de estudo de caso, a abordagem proposta foi aplicada a um projeto de desenvolvimento de software para gestão de recursos humanos. A partir desse uso foi possível captar os julgamentos, determinar as prioridades dos requisitos conforme a percepção dos usuários e sugerir ações relevantes com o objetivo de melhorar a qualidade do software. Acredita-se que a abordagem proposta seja aplicável ao desenvolvimento de produtos de software de pequeno porte.

Palavras-chave: Priorização de requisitos. Qualidade de software. Produto de software.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos