//
arquivos

Tesauros

Esta tag está associada a 16 posts

Linguagem Natural no Twitter e Linguagem Documentária em Tesauros: da hashtag #NãoMereçoSerEstuprada ao descritor estupro

SOUSA, Brisa Pozzi de; SILVA, Flávio Pacheco da. Linguagem Natural no Twitter e Linguagem Documentária em Tesauros: da hashtag #NãoMereçoSerEstuprada ao descritor estupro. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 6, n. 2, p. 20-43, set. 2015/fev. 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v6i2p20-43>. Acesso em: 08 out. 2015.

Resumo:
Aponta a linguagem natural no Twitter a partir da hashtag #NãoMereçoSerEstuprada e realiza comparação entre a linguagem documentária de dois tesauros pelo descritor estupro, sendo o Thesaurus Brasileiro da Educação (Brased) e o Tesauro Jurídico do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A pesquisa é descritiva e bibliográfica, de cunho qualitativo, embasada na investigação teórica. Discorre sobre vantagens e desvantagens no uso dessas linguagens e demonstra que na natural qualquer palavra, ou até mesmo conjunto de palavras podem ser utilizadas como hashtag para representar qualquer assunto. No entanto, observa-se que o controle do vocabulário é um elemento essencial para a representação de assuntos, pois é uma linguagem artificial produzida com o objetivo de sistematizar o vocabulário controlando, como por exemplo, a polissemia. Os resultados demonstram que a linguagem natural no Twitter não padroniza a representação do assunto sendo considerada fator dispersivo, ao contrário das linguagens documentárias que apresentam vocabulário caracterizado pela precisão dos descritores.

Palavras-chave: Linguagem natural Linguagem documentária Twitter Representação temática da informação Estupro Tesauro Brased Tesauro STJ.

Anúncios

Tesauros no acesso à informação: uma retrospecção

MENDES, Paula Raphisa; REIS, Raquel Martins dos; MACULAN, Benildes Coura Moreira dos Santos. Tesauros no acesso à informação: uma retrospecção. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 49-66, jan./abr., 2015. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/980/pdf_110 >. Acesso em: 29 jul. 2015.

Resumo
Em uma linha retrospectiva, apresenta a evolução dos tesauros, que são utilizados para aprimorar a organização de informações em distintos domínios e facilitar o acesso às mesmas. A metodologia utilizada incluiu um levantamento bibliográfico, realizado em bases de dados de periódicos e em livros da área de Biblioteconomia e Ciência da Informação. A partir das publicações recuperadas, foram selecionados documentos de autores considerados clássicos nesse campo de investigação. Os resultados das análises apontam o progresso das diretrizes para construção de tesauros e do enriquecimento no número e nos tipos de relacionamentos semânticos entre os seus conceitos.

Palavras-chave: Evolução dos tesauros. Relacionamentos semânticos. Organização da informação.

Instrumentos de Representação do Conhecimento para práticas de Gestão do Conhecimento: taxonomias, tesauros e ontologias

BEM, Roberta Moraes; COELHO, Christianne Coelho de Souza Reinisch. Instrumentos de Representação do Conhecimento para práticas de Gestão do Conhecimento: taxonomias, tesauros e ontologias. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p. 147-162, jan./jun. 2013. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/59106>. Acesso em: 04 ago. 2014.

Resumo:
Em virtude da diversidade de instrumentos e ferramentas para a representação do conhecimento existentes na literatura para apoio à Gestão do Conhecimento, fez-se uma revisão de literatura do tipo sistemática para verificar a existência e aplicabilidade desses recursos. De acordo com os critérios pré-estabelecidos da revisão foram localizados noventa trabalhos, respaldando a discussão que se seguiu a respeito da aplicabilidade dos instrumentos. Observaram-se aplicações com todos os instrumentos, porém uma predominância de estudos e abordagens no uso de ontologias, se comparado aos demais instrumentos de representação do conhecimento ─ taxonomias e tesauros. Todavia, independentemente do instrumento utilizado, percebe-se a importância do controle terminológico, além da preocupação com a escolha da ferramenta mais adequada. Pois não é possível compartilhar, reutilizar e disseminar conhecimentos com acepções diversas.

Palavras-chave: Gestão do Conhecimento; Instrumentos de Representação do Conhecimento; Tesauros; Taxonomias; Ontologias.

Evolução ontológica das linguagens documentárias. Relato de uma experiência de curso organizado conjuntamente para o DT/SIBI-USP e o PPGCI/ECA

MOREIRO GONZÁLEZ, José Antonio. Evolução ontológica das linguagens documentárias. Relato de uma experiência de curso organizado conjuntamente para o DT/SIBI-USP e o PPGCI/ECA. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 2, n. 1, p. 143-164, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/36/pdf>. Acesso em: 27 dez. 2012.

Resumo
Aborda-se o contexto no que se produziu a revisão do conceito de tesauro como linguagem documental prototípico. O contexto vem determinado pela revalorização das Taxonomias, o aparecimento das Ontologias como KOS; e a evolução dos próprios tesauros para o seu enriquecimento conceitual e a sua transformação em redes semânticas. Atende-se também ao novo modelo de visualização e representação conceitual contribuído pelos Topic maps, bem como a relevância atingida pelas Folksonomias à hora de reinterpretar o sistema das palavras-chave. Finalmente, descreve-se uma experiência de curso de atualização dado conjuntamente a bibliotecárias do DT/SIBi-USP e a alunas do PPGCI/ECA.

Palavras-chave: Conceitos; Contexto; Revisão conceitual; Tesauros; Taxonomias; Ontologias; KOS; Tesauros  conceituais; Redes semânticas; Topic maps; Folksonomias; Relato da experiência; curso de atualização; DT/SIBi-USP; PPGCI/ECA.

Os sistemas de organização do conhecimento nas perspectivas atuais das normas internacionais de construção

BOCCATO, Vera Regina Casari. Os sistemas de organização do conhecimento nas perspectivas atuais das normas internacionais de construção. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 2, n. 1, p. 165-192, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://revistas.ffclrp.usp.br/incid/article/view/44/pdf>. Acesso em: 27 dez. 2012.

Resumo
Realizou-se um estudo dos sistemas de organização do conhecimento pelas perspectivas das normas internacionais de construção, verificando-se as ampliações e as modificações mais significativas ocorridas entre elas, a partir dos vocabulários controlados abordados. O objetivo é apresentar as concepções, as funções e características de cada um deles, delimitando e, ao mesmo tempo, generalizando suas aplicações nos mais diversos contextos de uso, pelas perspectivas evolutivas das normas internacionais para a Organização e Recuperação da Informação em Ciência da Informação. O universo de pesquisa foram as normas internacionais ANSI/NISO Z39.19-2005, BS 8723 e ISO 25964, com destaque para as os sistemas de classificação, listas de cabeçalhos de assunto, taxonomias, tesauros e ontologias, além dos anéis de sinônimos, sistemas de  classificação de negócios para gerenciamento de registros e redes semânticas como vocabulários controlados analisados. Os resultados deste estudo apontaram, principalmente, a necessidade contínua de atualização das normas internacionais, frente às inovações tecnológicas e informacionais ocorridas na Organização e Recuperação do Conhecimento em Ciência da Informação e no contexto do usuário especializado ou não.

Palavras-chave: Normas internacionais. Construção. Sistemas de organização do conhecimento. Sistema de recuperação da informação. Ambiente web.

Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências do Esporte

KROEFF, Marcia Silveira; LEONETI, Fabiano Contart. Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências do Esporte. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.17, n.1, p. 76-104, jan./jun., 2012. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/index.php/racb/article/view/825/pdf_72>. Acesso em: 19 set. 2012.

Resumo
Tesauro é uma lista estruturada de termos associados, empregada por analistas de informação e indexadores, para descrever um documento com a desejada especificidade, em nível de entradas, e para permitir aos pesquisadores a recuperação da informação que procura. Os tesauros geralmente apresentam relacionamentos hierárquicos (do geral para o específico); de equivalência (termos sinônimos) e de associação (termos relacionados) entre os termos. São usados principalmente para a indexação de documentos em catálogo e bases de dados. Ainda não existe no Brasil um tesauro que atenda a demanda de necessidades das Ciências do Esporte. Por meio de um estudo preliminar foi desenvolvido um Tesauro Brasileiro destinado às Ciências do Esporte. As divisões do tesauro seguiram o estabelecido por Tubino, Tubino e Garrido (2007, cap.16) e dessa forma foi subdividido de acordo com a demarcação científica aceita internacionalmente, ou seja, as áreas estabelecidas por Herbert Haag e pelo International Council of Sport Science and Physical Education. As obras que serviram de base para a elaboração do tesauro são: TUBINO, M.J.G.; TUBINO, F.M.; GARRIDO, F. A.C. Dicionário enciclopédico Tubino do esporte. Rio de Janeiro: SENAC, 2007. e BARBANTI, V.J. Dicionário de educação física e esporte. 2.ed. Barueri, SP: Manole, 2003. O tesauro foi elaborado por meio do software livre TheW33, de autoria de Tim Craven. O Tesauro tem sua estrutura descrita em formato ALFA e TREE. O tesauro deverá ser disponibilizado eletronicamente, para consulta aos usuários, em versão on-line, disponível na World Wide Web (WWW).

Palavras-chave: Tesauro. Ciências do Esporte. Vocabulário controlado.

A contribuição da terminologia na construção de linguagens documentárias como os tesauros

FRAGA, Dóris;VAN DER LANN,  Regina Helena. A contribuição da terminologia na construção de linguagens documentárias como os tesauros. Biblos: Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 25, n. 1, p. 21-34, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www.seer.furg.br/index.php/biblos/article/view/1988/1224>. Acesso em: 08 maio 2012.

Resumo
Revisão de literatura sobre a contribuição da terminologia na construção de linguagens documentárias alfabéticas. Aborda a representação e recuperação da Informação, discorrendo sobre linguagens documentárias e, mais especificamente, sobre os tesauros. Explicita que tesauros são linguagens documentárias geralmente de um domínio específico do conhecimento, organizado de acordo com a rede conceitual da área específica. Ressalta a importância da terminologia na elaboração dos tesauros e sua atualização. Conclui que uma linguagem documentária do tipo de tesauros possibilita uma representação da informação mais adequada e compatível com a linguagem dos usuários, permitindo umarecuperação de informação com mais precisão e pertinência.

Palavras-chave: Tesauro. Terminologia. Representação da informação. Linguagens documentárias.

Garantia literária: elementos para uma revisão crítica após um século

BARITÉ, Mario; FÉRNANDEZ-MOLINA, Juan Carlos; GUIMARÃES, José Augusto Chaves; MORAES, João Batista Ernesto de. Garantia literária: elementos para uma revisão crítica após um século. TransInformação, Campinas, v. 22, n. 2, p. 123-138, maio/ago., 2010. Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/viewissue.php?id=25>. Acesso em: 05 dez. 2011.

Resumo
Considerando o princípio da garantia literária, formulado por Hulme em 1911, para quem os termos de um sistema de classificação devem derivar antes da literatura a ser efetivamente classificada (o que se encontra documentado) do que de considerações puramente teóricas (classificações científicas ou filosóficas ou em uma suposta autoridade dos primeiros classificacionistas), observa-se uma ruptura com as concepções de Harris e de Dewey que, por sua vez, haviam se baseado em Bacon e Leibnitz. Deste modo, busca-se contribuir para uma síntese crítica do referido princípio como subsídio teórico aos estudos de organização do conhecimento. Para tanto, estuda-se a vigência deste princípio ao longo de um século por meio de distintos dados documentais (registro em dicionários, recuperação no Google etc.), reconhecendo-o enquanto elemento metodológico em sistemas de classificação e em padrões de registro. Nesse âmbito discutem-se os procedimentos top-down ou bottom-up de desenho de sistemas e se resenham três aplicações tradicionais da garantia literária, sugerindo-se três novas aplicações, em virtude de seu potencial metodológico. Tais aspectos levam a concluir pela crescente perspectiva de aplicação da garantia literária dentro e fora do campo da Ciência da Informação.

Palavras-chave: Garantia literária. Sistemas de organização do conhecimento. Vocabulário controlado.

Linguística e terminologia: contribuições para a elaboração de tesauros em ciência da informação

MAIMONE, Giovana Deliberali; TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira. Linguística e terminologia: contribuições para a elaboração de tesauros em ciência da informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, abr. 2011. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr11/Art_05.htm>. Acesso em: 13 abr. 2011.

Resumo
Apresentam-se as contribuições teórico-metodológicos das Ciências da Terminologia e da Linguística no que dizem respeito ao auxílio do trabalho documentário realizado pelos profissionais da informação. Abordam-se prioritariamente as contribuições de Ferdinand de Saussure e as Normas terminológicas com o intuito de expor a importância da intersecção destas “disciplinas” para o sub domínio da Ciência da Informação denominado Linguística Documentária, que trabalha com a elaboração de linguagens documentárias, mais especificamente tesauros.

Palavras Chaves: Ciência da informação; Terminologia; Linguística; Ferdinand de Saussure; Linguística documentária; Tesauros.

Representação descritiva e temática no Sistema Agência de Informação Embrapa: controle de vocabulário

SOUZA, Marcia Izabel Fugisawa; ALVES, Maria das Dores Rosa; QUEIROS, Leonardo Ribeiro; SANTOS, Adriana Delfino dos; OLIVEIRA, Leandro Henrique Mendonça de. Representação descritiva e temática no Sistema Agência de Informação Embrapa: controle de vocabulário. TransInformação, Campinas, v. 22, n. 1, p. 61-75, jan./abr., 2010. Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/include/getdoc.php?id=774&article=357&mode=pdf&OJSSID=b331aa8d39ceceac71edb2bb8604dc55>. Acesso em: 29 jan. 2011.

Resumo
Este artigo aborda a concepção e o estabelecimento das atividades de representação descritiva e temática e o controle de vocabulário especializado no website Agência de Informação Embrapa. Adota-se o padrão Dublin Core para descrição dos metadados dos recursos de informação, que são representados pelas regras mínimas de catalogação e de indexação. São adotados tesauros especializados em agricultura para atribuição de palavras-chave e categorias de assunto. Faz-se o controle de termos livres, visando à consistência do vocabulário e à manutenção da qualidade. Utilizam-se ferramentas de tratamento de recursos de informação e de controle de vocabulário, integradas ao sistema gestor de conteúdo, que abriga o conjunto de atividades de organização da informação do website Agência de Informação Embrapa. As atividades que envolvem a representação descritiva e temática são apoiadas por procedimentos e ferramentas que sistematizam e padronizam suas rotinas, de modo a garantir melhoria na recuperação da informação.

Palavras-chave: Representação descritiva. Representação temática. Catalogação. Indexação. Vocabulário controlado. Agência de Informação Embrapa.

A importância do empirismo inglês para as linguagens documentárias

MOSTAFA, Solange Puntel; CRUZ, Denise Viuniski da Nova. A importância do empirismo inglês para as linguagens documentárias. DataGramaZero, v. 11, n. 2, abr. 2010. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr10/Art_01.htm>. Acesso em: 14 abr. 2010.

Resumo:
É comum nas linguagens documentárias como os tesauros, a identificação de relações hierárquicas entre os termos, a partir da lógica aristotélica, fazendo uso da dedução lógica dos silogismos e da análise dos cinco predicados como gênero, espécie, diferença, propriedade e acidente. Já, para as relações associativas, a literatura de linguagem documentária não apresenta nenhum teórico capaz de explicar as associações. Assim, este trabalho sugere o Empirismo inglês de David Hume como a referência adequada às relações associativas em linguagem documentária. Este trabalho tem o objetivo de revisar os conceitos de David Hume, especificamente os de Relações Naturais e de Relações Filosóficas, definido estas relações e, comentar, sob sua égide, um exercício de reclassificação das vinte e duas relações entre termos propostas por Cintra no livro Para Entender as Linguagens Documentárias. Este exercício traz uma alternativa teórica para as novas e infinitas associações entre os termos provindos da prática dos mais diversos campos do conhecimento, além de apresentar um teórico esquecido na literatura de linguagem documentária.

Palavras-chave: Linguagem documentária; David Hume; Relações associativas; Tesauros; Empirismo inglês; Associação de ideias.

Card Sorting: noções sobre a técnica para teste e desenvolvimento de categorizações e vocabulários

FARIA, Maurício Marques de. Card Sorting: noções sobre a técnica para teste e desenvolvimento de categorizações e vocabulários. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 7, n. 2, p. 1-9, jan./jun. 2010. Disponível em: <http://polaris.bc.unicamp.br/seer/ojs/include/getdoc.php?id=747&article=220&mode=pdf>. Acesso em: 01 mar. 2010.

Resumo
O objetivo deste trabalho é apresentar o Card Sorting, técnica de análise e organização de vocabulários controlados, e tem por finalidade explorar a relação dos usuários com o desenvolvimento de serviços de informação. A chave da utilização é a participação de usuários finais no processo, permitindo entender como eles categorizam as informações disponíveis num processo de busca, identificando qual terminologia é a mais usual, qual pode gerar confusões e que termos são mais difíceis de categorizar. Esta técnica pode ser utilizada em arquitetura da informação na definição de estruturas de web sites ou a criação de taxonomias e tesauros. É um método extremamente simples e barato, de grande flexibilidade, que permite uma grande interação entre bibliotecários e seu público. Existem duas formas básicas de Card Sorting a ‘aberta’ onde o usuário participa ativamente na sugestão do vocabulário e a ‘fechada’ onde é definida uma estrutura hierárquica lógica utilizando termos pré-definidos.

Palavras-chave: Card Sorting; Vocabulário controlado; Arquitetura da informação; Taxonomia; Classificação.

Detecção e extração de candidatos a acepções baseadas em um tesaurus de colocados

DE LUCCA, J. L. Detecção e extração de candidatos a acepções baseadas em um tesaurus de colocados. Informação & Informação, Londrina. v. 14, n. esp., p. 125-144, 2009. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1858/3227>. Acesso em: 23 jan. 2010.

Resumo
A desambiguação envolve a determinação de todos os distintos sentidos de cada palavra sob considerações que dependem da anotação manual do sentido de cada palavra atribuindo o sentido apropriado a cada ocorrência de uma palavra. Este artigo descreve um programa para a desambiguação automática dos múltiplos sentidos de uma mesma palavra (ambiguidade semântica) identificando em um corpus textual – CHADES (Corpus Hispano-Americano de Español), de modo que as frases, sem restrição, estão semanticamente relacionadas ao mesmo grupo de sentidos encontrado neste corpus. O modelo de ferramenta apresentado buscou solucionar os problemas de lexicografia, recuperando exemplos relevantes ao usuário, por meio da análise de contexto. Reforça a necessidade do desenvolvimento de recursos linguísticos e linguístico-computacionais volumosos que permitam a representação do conhecimento expresso em texto de línguas naturais.

Palavras-chave: Tesauro de colocados. Indexação. Acepção.

Transmitir, difundir: formas de institucionalização de uma disciplina

COUZINET, Viviane. Transmitir, difundir: formas de institucionalização de uma disciplina. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 14, número especial, p. 5-18, 2009. Disponível em: < http://www.eci.ufmg.br/pcionline/index.php/pci/article/viewFile/930/604>. Acesso em: 5 dez. 2009.

Resumo:
Depois da institucionalização administrativa de uma disciplina (fase 1) um conjunto de instrumentos proveniente da prática profissional em informação-documentação foram vistos como meios de construção de um alicerce (fase 2). Com efeito, parece-nos possível aproveitar as competências adquiridas na produção de instrumentos documentais para traçar os contornos de um campo científico. Estendendo uma pesquisa realizada anteriormente, trata-se aqui de compreender como as linguagens documentais utilizadas nas bibliotecas e na imprensa, no momento da emergência , na França, da disciplina ciências da informação e da comunicação, puderam contribuir para que fosse dada uma imagem desta disciplina a um público mais amplo do que o das universidades que a abriga. A entrada na esfera pública, observada a partir dos instrumentos documentais é encarada aqui como fase de sua consolidação (fase3).

Palavras-chave: Classificação documentária. Thesaurus. Institucionalização. Ciência da Informação – Documentação. Biblioteca. Le Monde.

Diferenças entre Tesauros e Ontologias

SALES, Rodrigo de; CAFÉ, Lígia. Diferenças entre Tesauros e Ontologias. Perspectivas em Ciência da Informação, v.14, n.1, p.17-98, 2009. Disponível em: <http://www.eci.ufmg.br/pcionline/index.php/pci/article/view/646/541>. Acesso em: 04 mai. 2009.

Tesauros e ontologias são modelos de representação do conhecimento baseados no controle terminológico de domínios específicos. Este artigo relata parte de uma pesquisa de Mestrado em Ciência da Informação desenvolvida na Universidade Federal de Santa Catarina e foca as diferenças existentes entre aqueles dois modelos de representação. Foi empregado, no plano metodológico, o Método de Análise de Conteúdo. No plano teórico, a pesquisa foi subsidiada pela Teoria Comunicativa da Terminologia (TCT). A constatação de que ambos os modelos apresentam diferenças no tocante aos termos, conceitos e objetivos permite um entendimento mais profundo desses instrumentos, tão imprescindíveis à comunicação técnica e científica.

Palavras-chave: Tesauro. Ontologia. Representação do conhecimento. Teoria comunicativa da terminologia.

Informação, ferramentas ontológicas e redes sociais ad hoc: a interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias

MOURA, Maria Aparecida. Informação, ferramentas ontológicas e redes sociais ad hoc: a interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias. Informação & Sociedade: Estudos, v. 19, n. 1, p. 59-73, jan./abr. 2009. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/2396/2688>. Acesso em: 30 abr. 2009.

Resumo
As mudanças tecnológicas decorrentes da digitalização da informação provocaram inúmeras alterações na produção teórica e nos experimentos empíricos da Ciência da Informação (CI). Nesse contexto, a compreensão acerca do desempenho dos usuários e de suas redes sociais tornou-se fundamental na a estruturação de instrumentos de organização da informação. A digitalização das informações, a redução dos rituais sincrônicos e a produção da informação sob demanda provocaram mudanças radicais na disseminação da informação e, consequentemente, exigem que sejam realizadas alterações nas metodologias de elaboração dos instrumentos verbais de representação da informação. Analisa-se, nesse trabalho, o surgimento dos novos instrumentos de representação da informação em ambientes digitais. Apresenta-se o conceito de ferramentas ontológicas. Analisam-se os impactos decorrentes da interoperabilidade entre as ferramentas ontológicas disponíveis na Web e as redes sociais ad hoc a elas incorporadas. Discute-se a nova configuração das garantias (literária, estrutural e de uso) no processo de construção de linguagens de indexação em ambientes digitais. Sugere-se, em termos metodológicos, a incorporação das novas mediações informacionais no processo de construção de linguagens de indexação.

Palavras-chave: Ferramentas Ontológicas. Redes Sociais. Tesauro – metodologia. Linguagens de Indexação.

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos