//
arquivos

Inclusão digital

Esta tag está associada a 35 posts

Diretrizes para a gestão da informação em ambientes virtuais de aprendizagem

FELIPE, André Anderson Cavalcante. Diretrizes para a gestão da informação em ambientes virtuais de aprendizagem. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 884-900, jul./dez., 2013. Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/884/pdf >. Acesso em: 24 out. 2013.

Resumo: Apresenta a gestão da informação (GI) como um processo que facilita o acesso à informação em ambientes virtuais de aprendizagem (AVA’s) na promoção do conhecimento no ensino superior brasileiro. Tem como objetivo, propor categorias para o gerenciamento informacional de AVA’s com base nos modelos de GI, adotados na produção científica do Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB). Como resultado, sugere a utilização de quatro categorias da GI para atuar no gerenciamento informacional de AVA’s,possibilitando maiores situações de construção de conhecimento entre alunos e professores. São elas: a) reconhecer a informação; b) adquirir informação; c) disponibilizar informação; d) aplicar a informação.

Palavras-chave: Gestão da informação. Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Ensino Superior do Brasil.

Anúncios

Mediação da informação para agentes sociodigitais: o salto

NEVES, Bárbara Coelho. Mediação da informação para agentes sociodigitais: o salto. Ciência da Informação, Brasília, v. 40, n. 3, p. 413-424, set./dez. 2011. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/1954/1438>. Acesso em: 11 out. 2013.

Resumo
Os conceitos de mediação da informação e competência informacional são retomados neste artigo de revisão, como elementos potencializadores do salto qualitativo de sujeitos quando submetidos a atividades no computador e na internet. Destaca-se a importância da discussão da mediação da informação e da competência informacional no aspecto da inclusão sociodigital. Busca-se atingir dois objetivos específicos: a) considerar, de acordo com aspectos da competência informacional, as potencialidades de um mediador humano em ponto de inclusão digital; b) descrever as competências individuais esperadas por esse mediador. Considera-se que o mediador de inclusão digital, assim como nas bibliotecas, é o agente que potencializa os saltos dos usuários no trato com a informação acessada nesses ambientes digitais.

Palavras-chave: Mediação da informação. Competência informacional. Inclusão sociodigital. Mediação humana. Letramento Informacional.

Acessibilidade: adequação das bibliotecas universitárias de Teresina aos portadores de deficiência visual

POTY, Edigar Pires; ALENCAR, Bruna Raquel de Oliveira Carvalho; SOARES, Sheury de Abreu; ANDRADE, Vanessa Aguiar dos Santos; RAMOS, Ruann Kássio Mota. Acessibilidade: adequação das bibliotecas universitárias de Teresina aos portadores de deficiência visual. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, out., 2012. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1680/1142&gt;. Acesso em: 26 jul. 2013.

Resumo
As tecnologias assistivas reduzem ou eliminam as limitações ocasionadas por deficiências, proporcionando a acessibilidade, promovendo a inclusão do deficiente visual. Às bibliotecas cabe a função de armazenar, organizar e disseminar a informação. No caso do deficiente visual, a biblioteca exerce o papel de mediadora entre o aluno deficiente visual e a palavra escrita. O objetivo geral deste trabalho é conhecer a situação das bibliotecas universitárias referente à disponibilização de recursos tecnológicos que promovam a acessibilidade de portadores de deficiência visual. Os objetivos específicos são: verificar quais serviços e produtos são ofertados a este usuário; verificar se as bibliotecas em questão, estão estruturadas para atender o deficiente visual; identificar as tecnologias assistivas disponibilizadas nas bibliotecas universitárias de Teresina. A abordagem metodológica utilizada neste estudo consta de pesquisa bibliográfica, e estudo de caso. O resultado evidenciou que as bibliotecas universitárias de Teresina não estão estruturadas adequadamente para promover a acessibilidade de deficientes visuais. Além disso, demonstra a necessidade de uma mudança de atitude dos gestores destras instituições visando um atendimento qualificado aos deficientes visuais.

Palavras-chave: Acessibilidade. Tecnologia Assistiva. Bibliotecas Universitárias. Educação inclusiva.

Biblioteca comunitária SEMEAR: a biblioteca como espaço cultural e fomentador de práticas sustentáveis ao meio ambiente

BELÉM, Cíntia; GONÇALVES, Gabriela; OLIVEIRA, Caio de; MARQUES, Jéssyca; AGUIRRE, Eddy; ZIOLLI, Roberta. Biblioteca comunitária SEMEAR: a biblioteca como espaço cultural e fomentador de práticas sustentáveis ao meio ambiente. Múltiplos olhares em Ciência da Informação, Minas Gerais, v. 1, n. 2, out., 2011. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1565/1041&gt;. Acesso em: 23 maio 2013.

Resumo:
A Biblioteca Comunitária Semear é um espaço de convívio comunitário cujo eixo norteador é o acesso gratuito ao livro e ao conhecimento. É um projeto de inovação social, sem fins lucrativos e tem como missão o estímulo à leitura com foco no compartilhar e no consumo consciente. Situada no bairro Barra da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro, na Ilha Primeira, no Complexo Lagunar da Baixada de Jacarepaguá, onde permite atender a Ilha da Gigóia, Ilha das Garças e localidades próximas como a Comunidade Vila União, Tijuquinha, Muzema, Floresta da Barra da Tijuca, Furnas, Fazenda, Sítio Pai João, Vila Santa Terezinha, além do bairro vizinho Rio das Pedras. O acesso à ilha é feito exclusivamente por via aquática, através de chalana, sendo essa a fonte de renda dos barqueiros da região. Além de incentivo à leitura, o projeto visa o estímulo às práticas responsáveis ao meio ambiente, oferecendo atividades de educação e consumo consciente. A infra-estrutura é composta por material reutilizado e doação feita por moradores e apoiadores. O espaço oferece oficinas de horta orgânica através de voluntários, atividades lúdicas para crianças, saraus literários e encontro com autores. Uma vez que o projeto não possui incentivo financeiro, foi montado um brechó social para arrecadação de fundos, onde as peças comercializadas são exclusivamente provindas de doação e toda renda destinada à manutenção do projeto.
Palavras-chave: Biblioteca comunitária. Inclusão social. Inovação social. Educação ambiental.

Acessibilidade em Ambientes Informacionais Digitais

CUSIN, Cesar Augusto; VIDOTTI, Silvana Aparecida Borsetti Gregorio. Acessibilidade em Ambientes Informacionais Digitais. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, fev. 2013. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/fev13/Art_02.htm>. Acesso em: 14 fev. 2013.

Resumo
A natureza atual da World Wide Web (Web) que destaca a participação colaborativa dos usuários em diversos ambientes informacionais digitais conduz ao desenvolvimento de diretrizes que enfocam a Arquitetura da Informação Digital Inclusiva para diferentes públicos nas mais diversas ambiências informacionais. A pesquisa propõe diretrizes para um ambiente informacional digital inclusivo, visando apontar os elementos de acessibilidade que permitem a promoção da inclusão informacional digital, de forma a destacar os referenciais da Arquitetura da Informação Digital, de recomendações internacionais e das estruturas de representação das informações, em especial dos atributos de acessibilidade, com o olhar da Ciência da Informação e das novas Tecnologias de Informação e Comunicação. Tem-se como tese a necessidade de desenvolvimento de metodologias com diretrizes que contemplem os elementos de acessibilidade digital focados na tarefa do usuário. Como problema de pesquisa tem-se que a de que as atuais metodologias e recomendações utilizadas para o desenvolvimento de ambientes informacionais digitais não contemplam integralmente os elementos de acessibilidade com foco nas necessidades dos usuários. A proposição é a de apresentar, por meio de uma abordagem metodológica explorativa e descritiva, uma proposta teórico-metodológica para a promoção de elementos de acessibilidade digital para o desenvolvimento de ambientes informacionais digitais, para usuários com ou sem necessidades especiais.

Palavras-Chave: Acessibilidade; Ambiente informacional Digital; Inclusão ditgital; Guias de acessibilidade na web.

A inclusão digital dos agentes de limpeza urbana e dos agentes ambientais da coleta seletiva de lixo da cidade de João Pessoa/PB

PINHO NETO, Julio Afonso Sá de. A inclusão digital dos agentes de limpeza urbana e dos agentes ambientais da coleta seletiva de lixo da cidade de João Pessoa/PB. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.esp, p.135-143, . 2012. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/13330 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Este projeto de extensão teve como objetivo desenvolver ações de inclusão digital e educação para a cidadania. Foi realizado um conjunto de atividades e serviços oferecidos aos agentes ambientais de limpeza urbana e agentes da coleta seletiva do lixo da cidade de João Pessoa (PB), tendo como fundamento maior inserir as ferramentas tecnológicas na realidade de quem aprende, concebendo o aprendizado como um processo que deve envolver, de forma proativa, todos os alunos. A intenção foi estimulá-los para a participação política e a mobilização coletiva, em busca de soluções para os seus problemas individuais, profissionais e comunitários. Todos os conteúdos foram selecionados visando abordar temáticas que dizem respeito à realidade social e cultural em que vive esse público-alvo alcançado pelo projeto, como a preservação do meio ambiente, o trabalho de caráter colaborativo e a aprendizagem para acessar os inúmeros recursos disponíveis aos cidadãos pelo Programa do Governo Eletrônico Brasileiro. Todo o planejamento dos trabalhos foi traçado por meio de reuniões e discussões realizadas pelo grupo gestor que, embasado em aportes teóricos da Ciência da Informação, estabeleceu a metodologia adequada e traçou as ações a serem implementadas, tendo sempre como princípio a inclusão digital concebida sob uma perspectiva cidadã, que visa a inclusão social. Esse foi, inclusive, o princípio que orientou todas as fases do projeto, do planejamento pedagógico à avaliação final.

Palavras-chave: Inclusão digital. Cidadania. Ciência da Informação. Inclusão social.

Identidade/diversidade cultural no ciberespaço: práticas informacionais e de inclusão digital nas comunidade indígenas no Brasil

AGUILAR, Alejandra. Identidade/diversidade cultural no ciberespaço: práticas informacionais e de inclusão digital nas comunidade indígenas no Brasil. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, n.1, p.121-128, jan./abr. 2012. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/4808 >. Acesso em: 4 jan. 2013.

Resumo:
Apresenta o resultado de doutorado em Ciência de Informação, na linha de pesquisa Comunicação de Informação, que teve como objetivo geral identificar e analisar a relação entre identidade/diversidade cultural, tecnologias de informação e comunicação (TIC) e as práticas informacionais dos povos indígenas a partir dos programas de inclusão digital. Para tanto, foram escolhidas duas comunidades (Karirí Xocó- Pankararu, região do Nordeste), as quais já têm uma experiência no uso/acesso de Internet, sendo partes da rede Índios on line. A intenção da pesquisa foi estabelecer o perfil dos usuários indígenas entrevistados, identificar fatores que dificultam o acesso á informação, identificar suas práticas informacionais e caracterizar as ações de inclusão digital do governo e outras entidades, em relação a populações indígenas. Os resultados obtidos revelam que as comunidades indígenas passam por um processo de informação e conhecimento no acesso/uso das TIC e que estão “descobrindo” as vantagens que podem ter estes instrumentos, para o fortalecimento, promoção e difusão da sua cultura e identidade étnica. Porém, ainda é muito limitada à disponibilidade física de equipamentos, o que restringe sua real inclusão digital (a mais básica). Faz-se necessário que as políticas públicas de inclusão digital disponham de mais recursos destinados a este segmento da sociedade, para ampliar a disseminação de tecnologias, complementadas com medidas de alfabetização de informação específicas para este tipo de usuários.

Palavras-chave: Sociedade da informação. Inclusão digital. Tecnologias de Informação e Comunicação ─ TIC. Práticas informacionais. Povos indígenas.

Registro de conhecimentos da comunidade Santa Clara no ciberespaço.

FARIAS, Maria Giovanna Guedes; FREIRE, Isa Maria. Registro de conhecimentos da comunidade Santa Clara no ciberespaço. Em Questão, Porto Alegre, v.16, n. 2, p. 253-266, jul./dez. 2010. Disponível em < seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/13352/10433 >  Acesso em: 20 dez. 2012.

Resumo:

Este trabalho objetiva refletir sobre a inclusão do registro de conhecimentos da Comunidade Santa Clara no ciberespaço, uma comunidade popular urbana, localizada nas proximidades da Universidade Federal da Paraíba, em João Pessoa. Trata-se de uma intervenção através de pesquisa de campo para registro, organização e divulgação das “fontes de informação” consti­tuídas por pessoas da localidade. Para isso, será produzido um sítio virtual onde será depositado, para acesso livre na Internet, o tesouro de conhecimentos das pessoas depositárias da memó­ria social e do saber da Santa Clara. Tais conhecimentos ficarão disponíveis para as próximas gerações, o que pode propiciar o exercício da cidadania e o reconhecimento dos moradores da sua identidade social, de si próprios e de sua realidade. Além disso, pode facilitar a produção de novos conhecimentos por outros atores sociais. Essa proposta de trabalho de pesquisa está em desenvolvimento no mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFPB.

Palavras-chave: Registro de conhecimentos. Inclusão. Cibe­respaço. Sítio virtual.

Mediações tecnosociais e mudanças culturais na sociedade da informação.

ALMEIDA, Marco Antônio de. Mediações tecnosociais e mudanças culturais na sociedade da informação.  Em Questão, Porto Alegre, v.16, n. 1, p. 113-130, jan./jun. 2010. Disponível em < seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/12972/8746 >  Acesso em: 20 dez. 2012.

Resumo:

O texto discute as interações entre seres humanos e aparatos tecnológicos e as mudanças socioculturais decorrentes desses processos. Parte do conceito de ciborgue desenvolvido por Donna Haraway, mostrando suas convergências e diferenças em relação a outras formas de pensar a conexão tecnologia-cultura. Poste­riormente, acompanha o desdobramento histórico das mudanças sociais, culturais e cognitivas proporcionadas pelas tecnologias de comunicação e informação (TICs). Em seguida, reflete acerca das formas de sociabilidade em curso na atual sociedade da informação mediadas pelos aparatos tecnológicos. Finalmente, tece algumas considerações em torno da relação entre inclusão digital e inclusão social nesse contexto.

Palavras-chave: Cultura. Tecnologia. Sociabilidade. Sociedade da Informação. Inclusão digital.

Inclusão digital de jovens na microrregião de Viçosa/Minas Gerais: dimensões políticas e subjetivas.

ALVES, Daniela Alves de. Inclusão digital de jovens na microrregião de Viçosa/Minas Gerais: dimensões políticas e subjetivas. LIINC em Revista, Rio de Janeiro, v.8, n.1, p.195-206, março. 2012. Disponível em < http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/article/viewFile/470/366 >  Acesso em: 14 nov. 2012.

Resumo:

O presente artigo apresenta resultados de um diagnóstico das implicações das políticas públicas de inclusão digital nas escolas de ensino médio da microrregião de Viçosa. Analisamos a amplitude e os efeitos destas políticas para os jovens da referida região, explorando qualitativamente a dimensão da inclusão, especialmente através da análise dos usos da tecnologia por parte dos jovens considerados incluídos. Constatamos que a inserção dos jovens em políticas de inclusão digital através da escola é limitada e a internet tem sido usada pelos jovens entrevistados predominantemente como espaço de sociabilidade e de pesquisas escolares. O acesso à internet apresenta inúmeras desigualdades.

Palavras-chave: Inclusão digital. Internet. Rede sociotécnica. Jovens. Políticas públicas.

A universidade brasileira e a inserção da semi-periferia no sistema econômico mundial.

OLIVEIRA, Renato; GUERRINI, Daniel. A universidade brasileira e a inserção da semi-periferia no sistema econômico mundial. LIINC em Revista, Rio de Janeiro, v.8, n.1, p.11-19, março. 2012. Disponível em < http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/article/viewFile/459/334> Acesso em: 14 nov. 2012.

Resumo:

Discutir-se-a o papel da Universidade no contexto do capitalismo semi-periférico brasileiro, cujas empresas buscam inserir-se competitivamente nos elos intermediários das cadeias de valor do capitalismo mundial. Embora, no plano imediato, isso dê legitimidade ao modo de produção capitalista no país, o horizonte limitado de aquisição de lucros impele, no médio prazo, à intensificação da exploração do trabalho e dos recursos naturais. A produção de conhecimento científico visando à inovação tecnológica poderia abrir uma alternativa em relação às estratégias de instrumentalização do trabalho e da natureza. Entretanto, no caso brasileiro, percebemos três tendências contrárias nas universidades: 1) A apropriação da ciência como parte do processo de sofisticação cultural dos grupos que a produzem; 2) O ancoramento daqueles que produzem ciência nas estruturas administrativas do Estado; 3) Uma valorização acrítica da cultura das classes populares. Analisando as tendências observadas, discutimos as possibilidades de desenvolvimento que a universidade pode trazer à sociedade se assumir seu papel de instituição moderna.

Palavras-chave: Semi-periferia. Universidade. Inovação tecnológica.

Reflexão crítica sobre os telecentros de informação e educação na cidade de João Pessoa

PINHO NETO, Júlio Afonso Sá de. Reflexão crítica sobre os telecentros de informação e educação na cidade de João Pessoa. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.21, n.3, p.145-154, set./dez. 2011. Disponível em: < http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/11059 >. Acesso em: 26 jul. 2012.

Resumo:
Objetiva refletir criticamente a respeito da experiência de pesquisa nos Telecentros de Informação e Educação, conhecido como Estações Digitais, Projeto que faz parte do programa Inclusão Digital para a Cidadania, desenvolvido no município de João Pessoa (PB) a partir do ano de 2007. Avalia em que medida, as Estações atingem a finalidade estabelecida por seus idealizadores, que é promover a cidadania e diminuir os índices de exclusão digital. A pesquisa se desenvolve no âmbito da Ciência da Informação, sendo de cunho qualitativo, exploratório e bibliográfico dirigida a quatro das 26 Estações Digitais existentes na capital paraibana através da execução de grupos focais, entrevistas, questionários e análise documental. Concluiu-se que a ausência de uma verdadeira política pública de inclusão digital traz consequências danosas ao andamento do Projeto, revelando inconsistências no que diz respeito ao planejamento geral, o que por sua vez acarreta a ausência de um processo avaliativo eficaz.

Palavras-chave: Cidadania. Políticas Públicas. Inclusão Digital. Estações Digitais.

Ação de Mediação para Inclusão Social de Comunidades

FARIAS, Maria Giovanna Guedes; FREIRE,  Isa Maria. Ação de Mediação para Inclusão Social de Comunidades. Informação & Informação, Londrina, v. 16, n. 3, p. 76-95, 2011. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/9921/10660>. Acesso em: 26 jul. 2012.

Resumo
Introdução: A informação tornou-se um instrumento capaz de modificar a consciência do indivíduo e do grupo, em que ele se encontra socialmente incluído. Por isso, torna-se necessário pensar na coletividade e nos benefícios advindos de ações de informação mediadas por profissionais da informação a serem promovidas junto a comunidades ou a grupos sociais.
Objetivo: Implementar uma ação de mediação da informação para criar a interface virtual “Blog da Comunidade Santa Clara”, visando disseminar o tesouro de conhecimentos das pessoas depositárias da memória social e do saber da Santa Clara, que posteriormente gerou o projeto de extensão “Curso Gerenciamento de Blogs”.
Metodologia: Pesquisa-ação, metodologia coerente com a teoria e ação, que possibilitou registrar o conhecimento dos moradores da Comunidade Santa Clara (CSC) no que diz respeito a seus ofícios e talentos, e ainda investigar como esses conhecimentos são transmitidos dentro e fora da Comunidade.
Resultados: Os moradores da Comunidade, após participarem do Curso Gerenciamento de Blogs, se tornaram os disseminadores informacionais da CSC ajudando a construir a identidade social da Comunidade e identidade virtual.
Conclusões: Com o tesouro de conhecimentos registrado e disseminado na web, a Comunidade tem possibilidade de obter reconhecimento perante a sociedade civil, a exemplo de instituições que desejam investir na CSC com criação de projetos que beneficiem a população.

Palavras-chave: Mediação da informação. Inclusão social. Comunidade. Blog.

Representações de empreendimentos econômicos solidários sobre a Internet

FONSECA, Reuber da Silva; MACHADO, Lucília Regina de Souza. Representações de empreendimentos econômicos solidários sobre a Internet. TransInformação, Campinas, n. 23, v. 3, p. 195-206, set./dez. 2011. Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/viewissue.php?id=29>. Acesso em: 29 jan. 2012.

Resumo
A temática deste artigo se insere entre as novas questões geradas pela virtualidade, sobretudo pela crescente migração dos processos comunicacionais e educacionais para a Internet e seu poder de formação de novos espaços institucionais e de novas subjetividades sociais. Seu objetivo central consistiu em conhecer e analisar representações de empreendimentos econômicos solidários de Belo Horizonte (MG) sobre a Internet. Dada a natureza do objeto, foi necessário se beneficiar das abordagens metodológicas quantitativa e qualitativa. O instrumento de coleta de dados utilizado nesse estudo foi o questionário. Concluiu-se, a partir da amostra estudada, que foi intencional e cobriu doze empreendimentos econômicos solidários, que estes demonstram ter representações positivas à inclusão digital, mas não isentas de preocupações e dúvidas sobre o poder e a penetrabilidade dessa tecnologia na sociedade.

Palavras-chave: Autogestão. Cooperativismo. Cultura digital. Economia. Internet.

Inclusão digital: sob a ótica da cidadania plena

MASSENSINI, Rogério Luís. Inclusão digital: sob a ótica da cidadania plena. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, abr. 2011. Disponível em: http://www.dgz.org.br/abr11/Art_06.htm. Acesso em: 13 abr. 2011.

Resumo
O presente artigo pretende discutir a importância da inclusão digital no processo de construção da cidadania plena. O ponto central quando se discute sobre a desigualdade social é a cidadania, com impactos de transformação sobre a estrutura que se apresenta vigente na sociedade. As oportunidades criadas pela inclusão digital podem transformar as condições do indivíduo, levando-o a contribuir na construção da cidadania a partir de uma maior participação na vida política e nas decisões públicas, sem aderir ao discurso da inclusão digital. A inclusão digital pode promover a participação do indivíduo no ciberespaço, que se torna a cada dia a esfera dos debates públicos e que se apresenta como espaço de decisões do Estado. O uso crítico das técnicas e tecnologias da informação, juntamente a outras ações, para promoção da igualdade, pode levar o cidadão ao desenvolvimento da cidadania plena, que exige uma nova transformação nos sentidos do trabalho, que hoje se faz responsável pela ocupação e a inserção social. Haja vista que, consideradas as adequações necessárias, os programas sociais de inclusão digital podem ir “além do simples acesso” ao computador e a internet, propiciando transformações e conquistas no espaço social.

Palavras-chave: Inclusão; Inclusão Digital; Cidadania; Letramento informacional; Desigualdade social; Educação.

Limitações digitais

BELLINI, Carlo Gabriel Porto; GIEBELEN, Edwin; CASALI, Richélita do Rosário Brito. Limitações digitais. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v. 20, n. 2, p. 25-35, maio/ago. 2010. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/4393>. Acesso em: 30 jan. 2011.

Resumo
As tecnologias de informação e comunicação – TICs constituem ferramental indispensável para a inserção do indivíduo na sociedade contemporânea, no sentido de seu pleno exercício de cidadania. Discussões sobre limitações de acesso e de uso das TICs são comuns na literatura acadêmica internacional (usualmente tratadas pelo termo “exclusão digital”) e também preocupam cidadãos e gestores na elaboração de políticas públicas. No presente estudo, de natureza conceitual e crítica, identificam-se as formas básicas de limitação digital presentes na literatura e elabora-se uma mais refinada distinção entre elas a partir do entendimento de que fenômenos de naturezas diferentes vêm sendo equivocadamente tratados de maneira indistinta e sem igual profundidade. Três formas principais de limitação digital são definidas (limitação de acesso, limitação cognitivo-informacional e limitação comportamental) e suas interdependências são identificadas e descritas à luz da teoria do comportamento planejado. Como resultado adicional, percebe-se que o fenômeno da limitação digital envolve mais dimensões do que usualmente se imagina e apresenta uma dinâmica complexa de possibilidades de solução, dado que a interdependência entre as três formas de limitação é muito sensível a alterações em fatores tecnológicos, sociais, econômicos, cognitivos e comportamentais.

Palavras-chave: Exclusão Digital. Tecnologias de Informação e Comunicação. Teoria do Comportamento Planejado. Modelagem Conceitual.

Políticas de informação, as TIC e a participação no âmbito da sociedade da informação: enfoque na inclusão digital do global ao local

NEVES, Barbara Coelho. Políticas de informação, as TIC e a participação no âmbito da sociedade da informação: enfoque na inclusão digital do global ao local. TransInformação, Campinas, v. 22, n. 1, p. 47-60, jan./abr., 2010. Disponivel em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/include/getdoc.php?id=772&article=379&mode=pdf&OJSSID=b22269fa6fd8b3982f1b4e8a98613121>. Acesso em: 29 jan. 2011.

Resumo
Trata-se de um artigo que procura discutir, à luz da literatura sobre políticas públicas e política de informação, a questão da sociedade da informação. Tem como objeto de análise a Sociedade da Informação enquanto ação política, no contexto global, regional, nacional e local. O foco é a participação por meio da inclusão digital. A metodologia utilizada contou com a observação de sítios institucionais, de notícia e a literatura do campo. Esta análise também apresenta algumas definições sobre o tema políticas públicas, atores políticos, novos agentes e instrumentos envolvidos na agenda global da sociedade da informação.

Palavras-chave: Políticas públicas. Políticas de informação. Sociedade da informação. Participação. Inclusão digital.

A inclusão da Comunidade Santa Clara na sociedade da informação: proposta de trabalho

FARIAS, Maria Giovanna Guedes; FREIRE, Isa Maria. A inclusão da Comunidade Santa Clara na sociedade da informação: proposta de trabalho. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 8, n. 1, p. 87-102, jul./dez. 2010. Disponível em: <http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/viewarticle.php?id=249&layout=abstract>. Acesso em: 26 out. 2010.

Resumo
A Ciência da Informação desempenha um papel fundamental na sociedade da informação, ao delinear caminhos para a inclusão social através da inclusão informacional. Nesse sentido, apresentamos proposta de trabalho de pesquisa, em desenvolvimento no mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação na Universidade Federal da Paraíba, para intervir no processo de exclusão informacional vivido pela Comunidade Santa Clara em João Pessoa, Paraíba. Essa intervenção se dá por meio de pesquisa de campo para registro, organização e divulgação das “fontes de informação” constituídas por pessoas da Comunidade. Para isso, será produzido um sítio virtual onde será depositado, para acesso livre na Internet, o tesouro de conhecimentos das pessoas depositárias da memória social e do saber da Santa Clara, que ficarão disponíveis para as próximas gerações.

Palavras-chave: Inclusão social. Responsabilidade social. Inclusão digital. Sociedade da informação.

Proposta de inclusão da comunidade Santa Clara na Sociedade da Informação

FARIAS, Maria Giovanna Guedes; FREIRE, Isa Maria. Proposta de inclusão da comunidade Santa Clara na Sociedade da Informação. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 3, n. 1, p. 73-90, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/bjis/article/viewFile/286/265>.

Resumo
Apresenta proposta de trabalho de pesquisa, em desenvolvimento no mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação na Universidade Federal da Paraíba, que objetiva intervir no processo de exclusão informacional vivido pela Comunidade Santa Clara em João Pessoa, Paraíba. Essa intervenção se dará por meio de pesquisa de campo para registro, organização e divulgação das “[…] fontes de informação” constituídas por pessoas da referida Comunidade. Para isso, será produzido um site virtual em que será depositado, para acesso livre na Internet, o tesouro de conhecimentos das pessoas depositárias da memória social e do saber da Comunidade Santa Clara, que ficará disponível para as próximas gerações, fato que pode facilitar a produção de novos conhecimentos por outros atores sociais.

Palavras-chave: Inclusão Social; Responsabilidade Social; Sociedade da Informação; Inclusão Digital.

Aspectos contemporâneos do Estado:discussão sobre a globalização, inclusão digital e cognição

NEVES, Barbara Coelho. Aspectos contemporâneos do Estado:discussão sobre a globalização, inclusão digital e cognição. DataGramaZero, v. 11, n. 2, abr. 2010. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr10/Art_04.htm>. Acesso em: 14 abr. 2010.

Resumo:
Trata-se de uma revisão dos debates em torno da globalização, seu relacionamento com a sociedade da informação e a implicação nas desigualdades sociais. A contextualização propõe apresentar um panorama contemporâneo, visando observar o caminho da inclusão digital – como os mecanismos de globalização intensificaram a exclusão – e como esta vem sendo concebida a partir dos novos argumentos acadêmicos que conferem importância nos recursos humanos (letramento e educação.

Palavras-chave: Globalização; Sociedade da informação; Desigualdade social; Inclusão digital; Educação e cognição.

O letramento digital: um novo desafio acadêmico para o arquivista


SILVA NETO, Carlos Eugênio da; LIMA, Janecely Silveira de; MACIEL, João Wandermberg Gonçalves. O letramento digital: um novo desafio acadêmico para o arquivista. Ponto de Acesso, Salvador, v.3 n.3, p. 385-406, set./dez. 2009. Disponível em: < http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/viewFile/3595/2754 >. Acesso em: 22 jan. 2009

Resumo
Ao longo do desenvolvimento da humanidade, os avanços tecnológicos sempre foram os agentes causadores das mudanças nos mais distintos campos de atividades. O crescimento informacional está transformando a sociedade e o arquivista não pode ficar alienado a esse processo. Com o surgimento dos documentos digitais, e consequentemente, as automações dos arquivos, nasce a necessidade dos arquivistas adquirirem habilidades e competências, no que diz respeito ao manuseio e ao aprendizado das ferramentas e dos suportes de acesso a informações digitais. O presente estudo visa discutir a inserção do letramento digital na formação acadêmica do arquivista no cenário do século XXI no âmbito das tecnologias digitais da informação e da comunicação (TDICs). Dominar o processo de letramento digital é, portanto, uma necessidade elementar para os arquivistas. Nas considerações finais, alvitram-se recomendações que contribuem para futuras reflexões acerca do novo perfil do profissional arquivista, com enfoque especial ao impacto das tecnologias na formação do arquivista.
Palavras-chave: Arquivista; Letramento digital; TDICs; Informação.

Aferindo a inclusão informacional dos usuários de telecentros e laboratórios de informática de escolas públicas em programas de inclusão digital brasileiros

MEDEIROS NETO, Benedito; MIRANDA, Antonio. Aferindo a inclusão informacional dos usuários de telecentros e laboratórios de informática de escolas públicas em programas de inclusão digital brasileiros. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 19, n. 3, p. 109-122, set./dez. 2009. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/3957/3131>. Acesso em: 20 jan. 2010.

Resumo
O estudo tem por objetivo avaliar os níveis de inclusão informacional dos usuários de programas de inclusão digital do Governo Federal, com base nos dados da Pesquisa Nacional de Avaliação do Programa GESAC. As dimensões adotadas para mensuração no estudo foram: avaliação, uso e procura da informação, e têm como fundamentação o conceito de competência informacional. Foram utilizados métodos e técnicas quantitativas, complementados com técnicas qualitativas. Os locais de mensuração foram pontos de inclusão promovidos pelo Governo, que têm em comum a conectividade disponibilizada pelo Programa GESAC, e ações de mediação de inclusão digital feitas em conjunto com Programa ou por outra instituição responsável. Assim foram contemplados, entre outras, secretarias estaduais de  educação, pontos de cultura e unidades militares. A pesquisa foi realizada junto a usuários que supostamente eram considerados incluídos digitalmente, sendo capazes de usar computadores e com acesso à Internet, pelo menos, tendo obtido alguma forma de capacitação ou treinamento em ambientes eletrônico-digitais. O foco deste artigo é a inclusão informacional, com ênfase nos processos cognitivos, uso e compreensão da informação para resolução de problemas pessoais, construção do conhecimento individual e a infoinclusão. Os valores estimados dos indicadores para o  universo dos incluídos apontam para a falta de efetividade em algumas dimensões de avaliação, indicando problemas no fluxo de informação dentro do processo de inclusão informacional. Os participantes dos setores da indústria e do comércio eram reduzidos, indicando uma possível deficiência da política pública. Porém, havia bom contingente de agricultores devido a presença de pontos na área rural. Um indicador expressivo de infoinclusão, representado pelo número de usuários que distinguem a informação ao lerem notícias na Internet, de certa forma, retrata bem o tipo de usuário dos programas de Governo para inclusão digital, que são absorvedores de informações genéricas, porém apresentando poucos resultados práticos para a vida dos incluídos digitalmente. O incentivo à criação de páginas ou blogs ainda não surtiu efeitos entre os que se julgam incluídos digitalmente.

Palavras-chaves: Inclusão Digital; Inclusão Informacional; Competência Informacional; Indicadores de inclusão social; Ciência da Informação.

Inclusão digital e desenvolvimento local

SANTOS, Caroline Queiroz; CARDOSO, Ana Maria Pereira. Inclusão digital e desenvolvimento local. TransInformação, v. 21, n. 1, p. 7-22, 2009. Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/include/getdoc.php?id=652&article=266&mode=pdf > Acesso em: 10 jun., 2009.

Resumo: O artigo procura analisar a inclusão digital como elemento facilitador para o desenvolvimento local. Seu objetivo é analisar e avaliar os ganhos sociais propiciados pelo acesso à tecnologia da Internet por meio de telecentros comunitários, procurando identificar tendências de desenvolvimento local a partir da ampliação do uso das TICs,

em uma região caracterizada por pobreza extrema. Descreve-se a experiência do projeto Cidadão NET, iniciativa governamental realizada no Estado de Minas Gerais, que tem a proposta de auxiliar o desenvolvimento humano por meio do acesso às tecnologias e do envolvimento comunitário.

Palavras-chave: inclusão digital; desenvolvimento local; telecentros.

Exclusão / Inclusão: elementos para uma discussão


SOUZA, Joseilda Sampaio; BONILLA, Maria Helena Silveira. Exclusão / Inclusão: elementos para uma discussão. Liinc em Revista, v.5, n.1, 2009. Disponível em: < http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/article/view/289/199 > Acesso em: 13 maio, 2009.

Resumo:

O contexto contemporâneo é marcado pela presença das tecnologias da informação e comunicação, o que potencializam a circulação de informações, a comunicação, novas formas de trabalhar, se relacionar, de aprender e de construir conhecimento. Daí decorre a necessidade de apropriação e uso dessas tecnologias, de se pensar processos de significação, aprendizagem, cidadania, produção de cultura e conhecimento. Assim, tomando como referência alguns conceitos mapeados relacionados à inclusão digital, buscamos pontuar definir tais conceitos na perspectiva de diferentes autores, de forma a trazer elementos para discussão das questões que perpassam este tema considerado tão complexo.

Palavras-chave: exclusão/inclusão digital; inclusão social; alfabetização digital; acesso e cidadania

Sociedade da informação e inclusão digital: uma análise crítica


MATTOS, Fernando Augusto Mansor de; ROCCHETTI, Bruna Daniela Dias. Sociedade da informação e inclusão digital: uma análise crítica. Liinc em Revista, v.5, n.1, 2009. Disponível em: < http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/article/viewFile/247/198 > Acesso em: 13 maio, 2009.

Resumo:

O presente texto faz uma leitura crítica da dinâmica da inclusão e da exclusão digital no contexto brasileiro e de suas implicações socioeconômicas, bem como demonstra algumas das falhas de interpretação calcadas em certo determinismo tecnológico e de uma visão exacerbadamente otimista acerca do papel das chamadas novas Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) no Capitalismo Contemporâneo. Além disso, pretende-se abordar a relação entre a exclusão social, a exclusão digital e o fenômeno da globalização, além de apontar a relevância dos fatores qualitativo e cognitivo no que se refere às políticas públicas de inclusão digital.

Palavras-chave: capitalismo contemporâneo; sociedade da informação; inclusão digital; exclusão digital; globalização

Artigos separados por assunto

Aplicações de informação Arquitetura de informação Automação de bibliotecas Bases de dados Bibliometria / Informetria/ Cientometria / Webmetria Biblioteca escolar Bibliotecas Virtuais e Digitais Biblioteconomia Biblioterapia Catalogação Classificação Competência informacional Comportamento informacional Comunicação científica Comunicação mediada por computador Desenvolvimento de coleções Disseminação da informação Divulgação científica Economia da informação Educação à distância Epistemologia da Ciência da Informação Estudos de necessidades e usos de informação Estudos de usuários Estudos Interdisciplinares Fontes de informação Formação Profissional Fundamentos da Ciência da Informação Gestão da Informação Gestão de Qualidade de Informação Gestão do Conhecimento História da Ciência da Informação Inclusão digital Indexação Informação científica Informação em arquivos Informação em Arte Informação em bibliotecas Informação em museus Informação industrial Informação tecnológica Inteligência Competitiva Internet Internet/Web Leitura Marketing de informação Mediação da informação Metadados Metodologias da Ciência da Informação Mineração de dados Obras Raras Ontologia Organização do Conhecimento Organização e Processamento da Informação Políticas de informação Preservação e Segurança digital Processamento automático de linguagem Redes e Sistemas de informação Repositórios institucionais Representação da Informação Sistemas de recuperação da informação Tecnologias da Informação Teoria da Informação Tesauros Transferência de Informação Visualização da informação Vocabulários controlados Ética da informação Ética na informação

Arquivos